Éti­ca pro­fis­si­o­nal

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Mui­to se es­cre­veu nos úl­ti­mos di­as so­bre o Bra­zil Fo­rum, en­con­tro or­ga­ni­za­do por es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros de ins­ti­tui­ções in­gle­sas de re­no­me co­mo Ox­ford e Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics, em que es­ti­ve­ram pre­sen­tes po­lí­ti­cos, juí­zes, pes­qui­sa­do­res, em­pre­sá­ri­os e ati­vis­tas. As ava­li­a­ções ali fei­tas vi­ra­ram man­che­tes de jor­nal e, por ve­zes des­con­tex­tu­a­li­za­das, ga­nha­ram as re­des so­ci­ais.

O que hou­ve de mais in­te­res­san­te em Lon­dres e Ox­ford, na ver­da­de, foi o fa­to de que o even­to re­sul­tou de um esforço de alu­nos que que­ri­am sair da po­la­ri­za­ção pre­va­len­te ho­je no Bra­sil e, con­tan­do com o ide­a­lis­mo pró­prio da ju­ven­tu­de, apos­tar na pos­si­bi­li­da­de de cons­truir so­lu­ções pa­ra nos­sos pro­ble­mas, a par­tir de um diá­lo­go cons­tru­ti­vo.

Em meio a pai­néis cu­ri­o­sos, co­mo os que co­lo­ca­ram la­do a la­do o juiz Ser­gio Mo­ro e Jo­sé Edu­ar­do Car­do­zo, ou o que reu­niu Ja­ques Wag­ner e Ci­ro Gomes, a pla­teia pô­de ou­vir, com in­te­res­se, o pri­mei­ro bai­la­ri­no do Royal Bal­let, o bra­si­lei­ro Thi­a­go So­a­res.

O que cha­mou aten­ção em seu de­poi­men­to foi o fa­to de que es­se jo­vem de Vi­la Isabel, no Rio, com ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da em “stre­et dan­ce”, fu­giu de nar­ra­ti­vas con­ven­ci­o­nais de vi­ti­mi­za­ção que en­fa­ti­zas­sem a vul­ne­ra­bi­li­da­de de sua con­di­ção pré­via ou os obs­tá­cu­los que te­ve de en­fren­tar. Fu­giu igual­men­te tanto do ró­tu­lo de he­rói co­mo do de bra­si­lei­ro po­bre que fez mi­la­gres.

O bai­la­ri­no fa­lou de esforço, de er­ros co­me­ti­dos, de apren­di­za­gem e de de­sa­fi­os im­por­tan­tes pa­ra seu pro­je­to pro­fis­si­o­nal. Des­ta­cou mo­men­tos de ce­le­bra­ção e ca­ma­ra­da­gem com seu ti­me, co­le­gas bai­la­ri­nos que com­par­ti­lham os mes­mos de­sa­fi­os, o mes­mo sen­ti­do de éti­ca pro­fis­si­o­nal ex­pres­sa na ten­ta­ti­va de fazer o me­lhor tra­ba­lho pos­sí­vel, a par­tir de pa­drões do que é dan­ça de qua­li­da­de.

Fez-me lem­brar do ofí­cio de pro­fes­sor e da ma­nei­ra por ve­zes ina­de­qua­da com que a im­pren­sa o apre­sen­ta. Bons pro­fes­so­res não são mos­tra­dos co­mo de­ten­to­res de bo­as prá­ti­cas que ga­ran­tam uma apren­di­za­gem só­li­da por par­te dos alu­nos, mas ora co­mo ví­ti­mas, num fenô­me­no des­cri­to por al­guns co­mo “coi­ta­dis­mo” (coi­ta­do, é pro­fes­sor), ora co­mo he­róis, e a des­cri­ção de even­tu­ais re­a­li­za­ções de­man­da des­sa­cra­li­zar o gru­po, co­mo se aque­le mes­tre só pu­des­se ser bom se não con­tas­se com o apoio de co­le­gas e atu­as­se em cir­cuns­tân­ci­as de ex­tre­ma di­fi­cul­da­de.

Pre­ci­sa­mos in­tro­du­zir nar­ra­ti­vas co­mo a de Thi­a­go na edu­ca­ção, em que pro­fes­so­res pos­sam ter pa­drões pro­fis­si­o­nais es­ta­be­le­ci­dos do que é boa prá­ti­ca, con­tar com o apoio ne­ces­sá­rio e de­sen­vol­ver or­gu­lho do seu tra­ba­lho, tanto in­di­vi­du­al, em sua prá­ti­ca em sa­la de au­la, co­mo co­le­ti­vo, co­mo par­te de um ti­me que faz um tra­ba­lho de qua­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.