Vi­ra­da Cul­tu­ral pa­ra to­dos

Que­re­mos que a po­pu­la­ção co­nhe­ça os es­pa­ços cul­tu­rais. E re­tor­ne a eles. Que a cul­tu­ra faça par­te do dia a dia, não só uma vez por ano

Folha De S.Paulo - - Opinião - AN­DRÉ STURM www.fo­lha.com.br/pai­nel­do­lei­tor/ saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Pau­lo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

A Vi­ra­da Cul­tu­ral foi um dos gran­des acer­tos de São Pau­lo. Ini­ci­a­da em 2005, tor­nou-se tão par­te da ci­da­de que é te­ma de qual­quer ges­tão, sen­do re­pro­du­zi­da em di­ver­sos mu­ni­cí­pi­os do Es­ta­do e do país. Con­tu­do, ao lon­go dos anos, mo­di­fi­ca­ções fo­ram in­tro­du­zi­das.

Aos pou­cos, trans­for­mou-se num even­to ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te de mú­si­ca, com gran­des pal­cos e gran­des shows no cen­tro da ci­da­de. Em al­guns anos, hou­ve ten­ta­ti­vas de al­gu­ma des­cen­tra­li­za­ção, mas sem al­te­rar a ba­se do pro­je­to.

Al­gu­mas re­cla­ma­ções eram co­muns, co­mo gas­to ex­ces­si­vo num even­to de ape­nas 24 ho­ras e fal­ta de se­gu­ran­ça e con­for­to.

De­ci­di­mos, en­tão, fazer al­gu­mas al­te­ra­ções com o ob­je­ti­vo de aten­der a es­ses pon­tos, mas não só. A Vi­ra­da pre­ci­sa ser um even­to da ci­da­de. Pa­ra is­so, é im­por­tan­te des­cen­tra­li­zar e di­ver­si­fi­car as atra­ções, am­pli­ar seu al­can­ce.

Re­cu­pe­ra­mos o es­pí­ri­to ori­gi­nal —tra­zer as pes­so­as pa­ra co­nhe­cer o cen­tro e não ape­nas pa­ra as­sis­tir a um gran­de show. Ti­ra­mos, as­sim, os pal­cos gran­des des­sa re­gião. In­tro­du­zi­mos o con­cei­to de ta­bla­dos. A rua tor­na-se o pal­co.

Cri­a­mos cir­cui­tos em al­gu­mas ru­as e con­vi­da­mos as pes­so­as pa­ra vi­si­tá-los. No tra­je­to, en­con­tra­rão ar­tis­tas das mais di­ver­sas lin­gua­gens em 30 ta­bla­dos, sem­pre ilu­mi­na­dos, com gen­te cir­cu­lan­do, op­ções de ali­men­ta­ção e in­fra­es­tru­tu­ra.

Num esforço iné­di­to de va­lo­ri­za­ção dos es­pa­ços in­de­pen­den­tes da ci­da­de, fi­ze­mos uma par­ce­ria com cer­ca de 50 te­a­tros e qua­tro lo­nas de cir­co, ofe­re­cen­do gra­tui­ta­men­te à po­pu­la­ção in­gres­sos de su­as ses­sões no fim de se­ma­na da Vi­ra­da.

Te­re­mos qua­tro lo­cais, um em ca­da re­gião da ci­da­de, com os pal­cos gran­des e ar­tis­tas co­nhe­ci­dos. Fo­ra is­so, ha­ve­rá ex­ten­sa pro­gra­ma­ção pa­ra­le­la em bi­bli­o­te­cas, ca­sas de cul­tu­ra, cen­tros cul­tu­rais e te­a­tros da pre­fei­tu­ra.

Nes­ta edi­ção não te­re­mos, co­mo nos anos an­te­ri­o­res, al­tos ca­chês pa­ra os ar­tis­tas. Com es­sa oti­mi­za­ção dos re­cur­sos pú­bli­cos, con­se­gui­mos or­ga­ni­zar qua­se 900 atra­ções.

Ou­ço pes­so­as re­cla­ma­rem que os pal­cos gran­des es­tão “lon­ge”. Co­mo as­sim? Lon­ge de qu­em? Tal­vez de qu­em mo­ra em Hi­gi­e­nó­po­lis ou Jar­dins e se acos­tu­mou a ir ao cen­tro, uma vez ao ano, ver shows gra­tui­tos. Mas pa­ra qu­em mo­ra em Arthur Al­vim ou Par­que do Car­mo, os pal­cos es­tão lon­ge?

Qu­em mo­ra em M’ Boi Mi­rim de­mo­ra qua­se du­as ho­ras pa­ra che­gar ao cen­tro de car­ro ou ôni­bus. À pra­ça do Cam­po Lim­po, on­de fi­ca­rá um dos pal­cos, le­va uns 30 mi­nu­tos.

Eu po­de­ria dar mui­tos ou­tros exem­plos. Se­rá que os mo­ra­do­res dos bair­ros dis­tan­tes não pre­fe­rem as­sis­tir a ati­vi­da­des cul­tu­rais mais per­to de ca­sa?

E qu­em mo­ra no cen­tro po­de­rá co­nhe­cer me­lhor sua ci­da­de. Bas­ta pe­gar o me­trô, que fi­ca­rá aber­to 24 ho­ras, e pro­cu­rar espetáculos de qua­li­da­de em ou­tras re­giões.

Ao in­cluir­mos os equi­pa­men­tos da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Cul­tu­ra, as lo­nas e os te­a­tros in­de­pen­den­tes, que­re­mos que a po­pu­la­ção co­nhe­ça es­ses es­pa­ços. E, ao lon­go do ano, re­tor­ne a eles. Que a cul­tu­ra faça par­te do dia a dia, não ape­nas uma vez por ano.

Nes­ta edi­ção, 75% da pro­gra­ma­ção saiu de um cha­ma­men­to em que ar­tis­tas de to­dos os ti­pos se ins­cre­ve­ram. To­das as lin­gua­gens es­tão re­pre­sen­ta­das. Mais atra­ções, mais lo­cais, des­cen­tra­li­za­ção, di­ver­si­da­de, equi­pa­men­tos pú­bli­cos, ca­chês me­no­res. On­de es­tá o eli­tis­mo?

Con­vi­do to­dos a par­ti­ci­pa­rem des­sa gran­de fes­ta de­mo­crá­ti­ca de nos­sa ci­da­de. AN­DRÉ STURM,

Em tex­to de 12/2, o co­lu­nis­ta Bernardo Mel­lo Fran­co foi uma so­li­tá­ria voz a in­co­mo­dar-se com a blin­da­gem de Mi­chel Temer por Ser­gio Mo­ro, que in­de­fe­riu per­gun­tas incô­mo­das de Edu­ar­do Cu­nha ao pre­si­den­te. O jor­na­lis­ta de­cre­tou: “A ta­re­fa de evi­tar cons­tran­gi­men­tos a Temer po­de ser dei­xa­da pa­ra os ad­vo­ga­dos do pre­si­den­te”. Tal­vez se­ja o ca­so de, ago­ra, pres­si­o­nar o juiz Mo­ro pa­ra que ele ex­pli­que por que se em­pe­nhou tanto em pro­te­ger Temer de Cu­nha.

SID­NEI JO­SÉ DE BRI­TO

A de­la­ção em si não sur­pre­en­de; vi­rou ro­ti­na no Bra­sil. O que dei­xa o ci­da­dão per­ple­xo é que os cor­rup­to­res-em­pre­sá­ri­os, tra­ves­ti­dos de de­la­to­res, não são pu­ni­dos à mes­ma ré­gua que os cor­rup­tos, is­so quan­do cas­ti­ga­dos. Os em­pre­sá­ri­os con­ti­nu­am com o seu pa­trimô­nio fi­nan­cei­ro e são ape­na­dos com cur­tís­si­ma su­pres­são da li­ber­da­de. De­la­ção pa­ra cor­rup­tor é um óti­mo ne­gó­cio.

FÁ­BIO SI­QUEI­RA

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FO­LHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO AS­SI­NAN­TE: OM­BUDS­MAN:

Pa­ra­be­ni­zo a re­pór­ter Ma­ri­li­ce Da­ron­co pe­la re­por­ta­gem “O ho­mem da ma­la azul” (“Co­ti­di­a­no”, 18/5). No­tí­ci­as co­mo es­sa ba­lan­cei­am aque­las que nos mos­tram quan­to nos­sa po­lí­ti­ca cha­fur­da na la­ma. Que Mau­rí­cio Corrêa Lei­te, o edu­ca­dor que tem a lei­tu­ra co­mo me­ta de vi­da, dis­tri­buin­do li­vros mun­do afo­ra, se­ja mo­ti­va­dor de ou­tros ci­da­dãos de bem dis­pos­tos, co­mo ele, a abrir mão de cer­tos con­for­tos pa­ra vi­ver es­sa aven­tu­ra.

M. INÊS DE A. PRA­DO

Ro­dei­os So­bre o lo­cu­tor de ro­dei­os Cui­a­ba­no Li­ma, o que se po­de di­zer é que ele tem to­do o di­rei­to de de­fen­der o que já se con­si­de­ra in­de­fen­sá­vel: maus-tra­tos a ani­mais pa­ra en­tre­te­ni­men­to hu­ma­no e des­ma­ta­men­to. As­sim co­mo as tou­ra­das de­fi­nha­ram na Es­pa­nha por uma evo­lu­ção da men­ta­li­da­de cul­tu­ral, com cer­te­za os ro­dei­os irão aca­bar. A de­fe­sa des­sa ig­no­rân­cia se dá em con­so­nân­cia com a ban­ca­da ru­ra­lis­ta, que de­fen­de o la­ti­fún­dio e o po­der de man­do ma­chis­ta co­mo va­lo­res cul­tu­rais e econô­mi­cos no Bra­sil (“Lo­cu­tor ga­nha fa­ma pe­lo país com de­fe­sa de ro­dei­os e des­ma­ta­men­to”, “Co­ti­di­a­no”, 18/5).

VALTER LUIZ PELUQUE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.