GO­VER­NO EN­CUR­RA­LA­DO ‘Não re­nun­ci­a­rei’, diz Temer em dis­cur­so

Ele che­gou a ava­li­ar a pos­si­bi­li­da­de de dei­xar a Pre­si­dên­cia, mas mu­dou de ideia após ser in­for­ma­do do te­or de gra­va­ções

Folha De S.Paulo - - Poder - GUS­TA­VO URI­BE MA­RI­NA DI­AS BRU­NO BOGHOSSIAN

Pe­e­me­de­bis­ta dis­se que ‘o imen­so esforço de ti­rar o país da re­ces­são po­de se tor­nar inú­til’ di­an­te da cri­se po­lí­ti­ca

No dia em que re­co­nhe­ceu ser o mais di­fí­cil des­de que as­su­miu o Pla­nal­to, o pre­si­den­te Mi­chel Temer en­fren­tou pres­são de ali­a­dos pa­ra renunciar ao car­go, mas de­ci­diu re­sis­tir no pos­to à mai­or cri­se po­lí­ti­ca de seu man­da­to.

Sob co­bran­ças de PSDB e PPS, Temer che­gou a ava­li­ar a pos­si­bi­li­da­de de dei­xar a Pre- si­dên­cia, mas, após ser in­for­ma­do por as­ses­so­res so­bre a ín­te­gra das gra­va­ções fei­tas porJo­es­leyBa­tis­ta,de­ci­diu fazer um pro­nun­ci­a­men­to pa­ra anun­ci­ar que não re­nun­ci­a­ria.

“Não re­nun­ci­a­rei. Re­pi­to: não re­nun­ci­a­rei. Sei o que fiz e sei a cor­re­ção dos meu atos. Exi­jo in­ves­ti­ga­ção ple­na e que dê mui­to rá­pi­do es­cla­re­ci­men­tos ao po­vo bra­si­lei­ro. Es­sa si­tu­a­ção de du­bi­e­da­de não po­de exis­tir por mui­to tem­po”, de­cla­rou Temer.

A ava­li­a­ção de ali­a­dos, que no iní­cio do dia vis­lum­bra­vam uma si­tu­a­ção “mui­to de­li­ca­da” pa­ra o pre­si­den­te, mu­dou após a divulgação do diá­lo­go. Pa­ra eles, não há uma pro­va ca­bal de que ele te­nha ava­li­za­do a com­pra do si­lên­cio do ex-de­pu­ta­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ). Es­tes ali­a­dos re­co­nhe­cem, po­rém, que o epi­só­dio cau­sou um im­pac­to po­lí­ti­co gran­de no go­ver­no e na ima­gem do pre­si­den­te.

No pro­nun­ci­a­men­to, Temer ne­gou que te­nha agi­do pa­ra com­prar o si­lên­cio de Cu­nha e cha­mou as gra­va­ções de “clan­des­ti­nas”.

“Não com­prei o si­lên­cio de nin­guém, por­que não te­mo ne­nhu­ma de­la­ção pre­mi­a­da. Não pre­ci­so de car­go pú­bli­co, nem de fo­ro es­pe­ci­al. Não te­nho na­da a es­con­der.”

O pe­e­me­de­bis­ta an­co­rou sua per­ma­nên­cia no car­go à me­lho­ra dos ín­di­ces econô­mi­cos e dis­se que não se po­de “jo­gar no li­xo” to­do o tra­ba­lho fei­to pe­lo seu go­ver­no.

“A re­ve­la­ção de con­ver­sa gra­va­da clan­des­ti­na­men­te trou­xe de vol­ta os fan­tas­mas da cri­se po­lí­ti­ca ain­da de pro­por­ção não di­men­si­o­na­da. O imen­so esforço de ti­rar o país da re­ces­são po­de se tor­nar inú­til. Não po­de­mos jo­gar no li­xo da his­tó­ria tanto tra­ba­lho fei­to ao país”, afir­mou.

Em re­ser­va­do, o pre­si­den­te re­co­nhe­ceu que o epi­só­dio “atra­pa­lhou” e “aba­lou” a re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca, além de afe­tar a vo­ta­ção das re­for­mas no Con­gres­so. A equi­pe do pe­e­me­de­bis­ta tam­bém tem me­do de que a no­va cri­se po­lí­ti­ca for­ta­le­ça ain­da mais ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res de “Fo­ra, Temer” e de “Di­re­tas Já”.

Na ten­ta­ti­va de evi­tar o co­lap­so de seu go­ver­no, Temer atu­ou ao lon­go des­ta quin­ta pa­ra evi­tar o de­sem­bar­que das si­glas de sua ba­se ali­a­da. Ele re­ce­beu mi­nis­tros e lí­de­res de pe­lo me­nos se­te par­ti­dos e con­se­guiu im­pe­dir as de­mis­sões do tu­ca­no Bru­no Araú­jo (Ci­da­des) e Raul Jung­mann (De­fe­sa), ape­sar de a si­gla des­te, o PPS, ter anun­ci­a­do a saí­da do go­ver­no.

As acu­sa­ções con­tra o de­pu­ta­do Ro­dri­go Ro­cha Lou­res (PMDB-PR), pró­xi­mo a Temer, agra­va­ram a si­tu­a­ção do go­ver­no. O pre­si­den­te es­pe­ra que o ali­a­do as­su­ma so­zi­nho a res­pon­sa­bi­li­da­de por ter re­ce­bi­do R$ 500 mil pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas da JBS. Pes­so­as pró­xi­mas a Temer afir­mam ter re­ce­bi­do in­di­ca­ções de que Ro­cha con­fir­ma­rá a ver­são.

Na ava­li­a­ção do go­ver­no, o me­nor dos pro­ble­mas se­ri­am os oi­tos pe­di­dos de im­pe- ach­ment apre­sen­ta­dos pe­la opo­si­ção. Is­so por­que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra é ali­a­do ao Pla­nal­to e im­pe­di­rá que eles pros­pe­rem. MAN­DA­TO-TAM­PÃO Ao lon­go do dia, mi­nis­tros da­vam co­mo cer­ta a re­nún­cia de Temer e che­ga­ram a dis­cu­tir dois pos­sí­veis ce­ná­ri­os de tran­si­ção. O pri­mei­ro, em que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), as­su­mi­ria por 30 di­as e, de­pois, se­ria elei­to pa­ra um man­da­to-tam­pão com a ma­nu­ten­ção da equi­pe econô­mi­ca.

No se­gun­do, a elei­ta se­ria a pre­si­den­te do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral), Cár­men Lú­cia, mas ain­da ha­via dú­vi­das ju­rí­di­cas so­bre a vi­a­bi­li­da­de des­sa hi­pó­te­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.