Leia a ín­te­gra do pro­nun­ci­a­men­to do pre­si­den­te Mi­chel Temer

Folha De S.Paulo - - Poder -

Olha, ao cum­pri­men­tá-los, eu que­ro fazer uma de­cla­ra­ção à im­pren­sa bra­si­lei­ra e uma de­cla­ra­ção ao país. E, des­de lo­go, res­sal­to que só fa­lo ago­ra —os fa­tos se deram on­tem— por­que eu ten­tei co­nhe­cer, pri­mei­ra­men­te, o con­teú­do de gra­va­ções que me ci­tam. So­li­ci­tei, aliás, ofi­ci­al­men­te, ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, aces­so a es­ses do­cu­men­tos. Mas até o pre­sen­te mo­men­to não o con­se­gui.

Que­ro dei­xar mui­to cla­ro, di­zen­do que o meu go­ver­no vi­veu, nes­ta se­ma­na, seu me­lhor e seu pi­or mo­men­to. Os in­di­ca­do­res de que­da da in­fla­ção, os nú­me­ros de re­tor­no ao cres­ci­men­to da eco­no­mia e os da­dos de ge­ra­ção de em­pre­gos, cri­a­ram es­pe­ran­ça de di­as me­lho­res. O oti­mis­mo re­tor­na­va e as re­for­mas avan­ça­vam, no Con­gres­so Na­ci­o­nal.

On­tem, con­tu­do, a re­ve­la­ção de con­ver­sa gra­va­da clan­des­ti­na­men­te trou­xe de vol­ta o fan­tas­ma de cri­se po­lí­ti­ca de pro­por­ção ain­da não di­men­si­o­na­da.

Por­tan­to, to­do um imen­so esforço de re­ti­rar o país de sua mai­or re­ces­são po­de se tor­nar inú­til. E nós não po­de­mos jo­gar no li­xo da his­tó­ria tanto tra­ba­lho fei­to em prol do país. Hou­ve, re­al­men­te, o re­la­to de um em­pre­sá­rio que, por ter re­la­ções com um ex-de­pu­ta­do, au­xi­li­a­va a fa­mí­lia do ex­par­la­men­tar. Não so­li­ci­tei que is­so acon­te­ces­se. E so­men­te ti­ve co­nhe­ci­men­to des­se fa­to nes­sa con­ver­sa pe­di­da pe­lo em­pre­sá­rio.

Re­pi­to e res­sal­to: em ne­nhum mo­men­to au­to­ri­zei que pa­gas­sem a qu­em quer que se­ja pa­ra fi­car ca­la­do. Não com­prei o si­lên­cio de nin­guém. Por uma ra­zão sin­ge­lís­si­ma: exa­ta e pre­ci­sa­men­te por­que não te­mo ne­nhu­ma de­la­ção, não pre­ci­so de car­go pú­bli­co nem de fo­ro es­pe­ci­al. Na­da te­nho a es­con­der, sem­pre hon­rei meu no­me, na uni­ver­si­da­de, na vi­da pú­bli­ca, na vi­da pro­fis­si­o­nal, nos meus es­cri­tos, nos meus tra­ba­lhos. E nunca au­to­ri­zei, por is­so mes­mo, que uti­li­zas­sem o meu no­me in­de­vi­da­men­te.

E por is­so que­ro re­gis­trar en­fa­ti­ca­men­te: a in­ves­ti­ga­ção pe­di­da pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral se­rá ter­ri­tó­rio, on­de sur­gi­rão to­das as ex­pli­ca­ções. E no Su­pre­mo, de­mons­tra­rei não ter ne­nhum en­vol­vi­men­to com es­ses fa­tos.

Não re­nun­ci­a­rei, re­pi­to, não re­nun­ci­a­rei! Sei o que fiz e sei da cor­re­ção dos meus atos. Exi­jo in­ves­ti­ga­ção ple­na e mui­to rá­pi­da, pa­ra os es­cla­re­ci­men­tos ao po­vo bra­si­lei­ro. Es­ta si­tu­a­ção de du­bi­e­da­de ou de dú­vi­da não po­de per­sis­tir por mui­to tem­po. Se fo­ram rá­pi­das nas gra­va­ções clan­des­ti­nas, não po­dem tar­dar nas in­ves­ti­ga­ções e na so­lu­ção a es­tas in­ves­ti­ga­ções.

Tanto esforço e di­fi­cul­da­des su­pe­ra­das, meu úni­co com­pro­mis­so, meus se­nho­res e mi­nhas se­nho­ras, é com o Bra­sil. E é só es­te com­pro­mis­so que me gui­a­rá. Mui­to obri­ga­do. Mui­to boa tar­de a to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.