Tem­po de­mais

Folha De S.Paulo - - Poder Coelhofsp@uol.com.br -

ON­DE ES­TÁ o con­teú­do das gra­va­ções? A per­gun­ta re­pe­tiu-se com in­sis­tên­cia des­de que se re­ve­lou a con­ver­sa do pre­si­den­te Temer com Jo­es­ley Ba­tis­ta, pre­si­den­te da JBS.

Com­bi­na­va-se, se­gun­do dis­se o em­pre­sá­rio em de­la­ção pre­mi­a­da, um pa­ga­men­to pa­ra si­len­ci­ar o ex­de­pu­ta­do Edu­ar­do Cu­nha. A úni­ca fra­se tex­tu­al de Temer que se ci­tou não era, pen­san­do bem, das mais cla­ras: “tem de man­ter is­so, viu?”

“Is­so” o quê? De­du­ziu-se que era o pa­ga­men­to, o acor­do, a pro­pi­na pa­ra man­ter ca­la­do Cu­nha. Mas qual o con­tex­to? Ha­ve­ria ou­tra in­ter­pre­ta­ção pos­sí­vel?

Des­de ce­do, nes­ta quin­ta-fei­ra, a OAB do Pa­ra­ná lan­çou um ma­ni­fes­to pa­ra que o mi­nis­tro Ed­son Fac­chin, do STF, li­be­ras­se pa­ra co­nhe­ci­men­to pú­bli­co o re­gis­tro da con­ver­sa.

No seu pro­nun­ci­a­men­to pe­la TV, às 16h, Temer dis­se ter pe­di­do ao STF aces­so aos do­cu­men­tos da de­la­ção.

Quan­to à so­ci­e­da­de em ge­ral, ape­sar de to­dos os co­men­tá­ri­os de que o go­ver­no já ti­nha ter­mi­na­do, só co­nhe­cen­do os ter­mos exa­tos do fa­mo­so diá­lo­go se­ria pos­sí­vel ava­li­ar o com­por­ta­men­to do pre­si­den­te.

Co­mo man­ter, en­tão, o si­gi­lo so­bre as gra­va­ções? Quan­to mais tem­po pas­sa­va, mais se agra­va­va a cri­se. De­ban­da­da de mi­nis­tros, de­ba­cle na Bol­sa, ma­ni­fes­ta­ções de rua. A gra­va­ção não vi­nha.

Pro­ces­sos ju­di­ci­ais são, por na­tu­re­za, pú­bli­cos. É um prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal. Há ex­ce­ções, con­tu­do: em ca­sos de fa­mí­lia, co­mo di­vór­cio, tu­do cor­re sob o cha­ma­do “se­gre­do de Jus­ti­ça”. O bem-es­tar dos fi­lhos, por exem­plo, ou a pri­va­ci­da­de do ca­sal, são bens a se­rem pro­te­gi­dos pe­la lei, ape­sar do prin­cí­pio ge­ral da trans­pa­rên­cia dos pro­ces­sos.

Por ra­zões ób­vi­as, in­ves­ti­ga­ções cri­mi­nais têm de ser si­gi­lo­sas. As au­to­ri­da­des po­dem pe­dir a um juiz, por exem­plo, au­to­ri­za­ção pa­ra es­cu­ta te­lefô­ni­ca —mas se­ria ab­sur­do avi­sar com an­te­ce­dên­cia os en­vol­vi­dos.

Tam­bém as de­la­ções pre­mi­a­das, em te­se, cor­rem em se­gre­do. Co­mo são ins­tru­men­tos pa­ra in­ves­ti­ga­ções pos­te­ri­o­res, e não uma eta­pa de pro­ces­so ju­di­ci­al, não se sub­me­tem à re­gra da publicidade. Não é con­ve­ni­en­te, afi­nal, que de­la­ta­dos sai­bam es­tar sob sus­pei­ta. O de­la­ta­do po­de fu­gir, po­de des­truir pro­vas, po­de for­jar do­cu­men­tos em sua de­fe­sa...

De­pois de ob­ti­das as pro­vas, a coi­sa mu­da. A de­la­ção po­de vir a pú­bli­co, se já se to­ma­ram to­das as me­di­das in­ves­ti­ga­ti­vas de que se pre­ci­sa­va.

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral fi­xou, em 2009, a ju­ris­pru­dên­cia que ga­ran­te aos de­fen­so­res de um acu­sa­do o ple­no aces­so às pro­vas con­tra ele. É a cha­ma­da “sú­mu­la vin­cu­lan­te” de nú­me­ro 14, apro­va­da pe­la mai­o­ria do ple­ná­rio.

Tra­ta­va-se de uma pro­pos­ta apre­sen­ta­da ao STF pe­la Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil, bus­can­do fa­vo­re­cer o ple­no di­rei­to de de­fe­sa dos ci­da­dãos. Pro­vas têm de ser pú­bli­cas. Mas quan­do? Se as in­ves­ti­ga­ções ain­da não ter­mi­na­ram, a divulgação de uma pro­va po­de atra­pa­lhar a ob­ten­ção de ou­tras.

Tam­bém nas de­la­ções, fi­ca tu­do a cri­té­rio do juiz res­pon­sá­vel pe­la con­du­ção do ca­so.

Na Ope­ra­ção La­va Ja­to, o usu­al tem si­do di­vul­gar seu con­teú­do. O juiz Ser­gio Mo­ro, por exem­plo, pri­vi­le­gia o cri­té­rio do in­te­res­se pú­bli­co, evi­tan­do o se­gre­do. Es­te, por sua vez, é mui­tas ve­zes pe­di­do pe­los ad­vo­ga­dos, que bus­cam de­fen­der seus cli­en­tes de even­tu­ais ca­lú­ni­as.

Mes­mo aque­les fa­mo­sos ví­de­os das de­la­ções, que to­da ho­ra apa­re­cem na in­ter­net, po­dem não es­tar com­ple­tos. Se achar im­por­tan­te, o juiz man­tém em se­gre­do tre­chos de um de­poi­men­to, ten­do em vis­ta no­vas in­ves­ti­ga­ções.

Se­ja co­mo for, no ca­so das gra­va­ções de Temer, acu­sa­do e acu­sa­do­res mos­tra­ram-se de acor­do. Mas só de­pois de qua­se 24 ho­ras de sus­pen­se, e de uma cri­se gra­vís­si­ma, o mi­nis­tro Fa­chin sus­pen­deu o si­gi­lo.

Foi tem­po de­mais, pa­ra uma con­ver­sa que, en­tre mur­mú­ri­os e con­cor­dân­ci­as, des­per­ta al­gu­ma sus­pei­ta mas não le­va a ne­nhu­ma con­clu­são.

Con­ver­sa, en­tre mur­mú­ri­os e con­cor­dân­ci­as, des­per­ta al­gu­ma sus­pei­ta mas não le­va a ne­nhu­ma con­clu­são

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.