GO­VER­NO EN­CUR­RA­LA­DO ‘Óti­mo’, diz Temer so­bre bar­rar apu­ra­ção

Áu­dio re­ve­la que pre­si­den­te to­mou co­nhe­ci­men­to de pla­no pa­ra des­ti­tuir pro­cu­ra­dor que in­ves­ti­ga­va Jo­es­ley Ba­tis­ta

Folha De S.Paulo - - Poder - LE­TÍ­CIA CASADO RU­BENS VA­LEN­TE

Em­pre­sá­rio ci­tou em diá­lo­go pa­ga­men­to de R$ 50 mil; em no­ta, Temer dis­se não ter acre­di­ta­do em re­la­to

A con­ver­sa en­tre o em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta e o pre­si­den­te Mi­chel Temer no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru re­ve­la que o pe­e­me­de­bis­ta to­mou co­nhe­ci­men­to de um pla­no pa­ra in­ter­fe­rir em uma in­ves­ti­ga­ção so­bre o gru­po de Ba­tis­ta. Ao ou­vir de­ta­lhes da es­tra­té­gia, Temer res­pon­deu: “Óti­mo”.

Tam­bém não há in­for­ma­ção de que o pre­si­den­te te­nha pro­cu­ra­do a Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da Re­pú­bli­ca ou ou­tra au­to­ri­da­de de in­ves­ti­ga­ção pa­ra in­for­mar so­bre o pla­no de in­ter­fe­rên­cia na ope­ra­ção po­li­ci­al re­la­ta­do.

Ba­tis­ta dis­se ao pre­si­den­te, no diá­lo­go man­ti­do no mês de mar­ço, que es­ta­va “ten­tan­do tro­car o pro­cu­ra­dor” que es­ta­va “atrás” do em­pre­sá­rio. A Fo­lha apu­rou que se tra­ta de uma re­fe­rên­cia a An­sel­mo Hen­ri­que, o co­or­de­na­dor da for­ça-ta­re­fa da Ope­ra­ção Gre­en­fi­eld.

De­fla­gra­da em no­vem­bro pas­sa­do, a Gre­en­fi­eld in­ves­ti­ga su­pos­tos des­vi­os em fun­dos de in­ves­ti­men­to em co­ne­xão com fun­dos de pen­são de ser­vi­do­res pú­bli­cos fe­de­rais.

A ope­ra­ção ti­nha co­mo fo­co em­pre­sa do gru­po J&F, dos ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta. Na in­ves­ti­ga­ção, o pro­cu­ra­dor con­se­guiu di­ver­sas me­di­das ju­di­ci­ais con­trá­ri­as aos in­te­res­ses dos Ba­tis­ta.

O exe­cu­ti­vo dis­se a Mi­chel Temer que es­ta­va “dan­do con­ta” de dois juí­zes, os quais não iden­ti­fi­cou no­mi­nal­men­te, e que con­se­guiu co­lo­car um pro­cu­ra­dor “den­tro da for­ça-ta­re­fa” da Gre­en­fi­eld.

O su­pos­to in­for­man­te é uma re­fe­rên­cia ao pro­cu­ra­dor Angelo Villela, pre­so nes­ta quin­ta (18) na Ope­ra­ção Pat­mos, e que en­trou nos qua­dros da Gre­en­fi­eld em 22 de mar­ço. Pa­ra a PGR, Villela foi “in­fil­tra­do” na ope­ra­ção.

“Aqui eu dei con­ta de um la­do, o juiz, dar uma se­gu­ra­da, do ou­tro la­do, o juiz subs­ti­tu­to, que é um ca­ra que fi­ca .... [inau­dí­vel] Tô se­gu­ran­do os dois”, diz Jo­es­ley.

“Óti­mo, óti­mo”, res­pon­deu o pre­si­den­te.

“Con­se­gui um pro­cu­ra­dor den­tro da for­ça-ta­re­fa, que tá me dan­do in­for­ma­ção. E lá que eu tô pa­ra dar con­ta de tro­car o pro­cu­ra­dor que tá atrás de mim. Ô, se eu der con­ta, tem o la­do bom e o la­do ruim. O la­do bom é que dá uma es­fri­a­da até o ou­tro che­gar e tal. O la­do ruim é que se vem um ca­ra com rai­va, com não sei o quê...”, diz Jo­es­ley.

Nes­te mo­men­to, Temer não se ma­ni­fes­ta con­tra o pla­no e a con­ver­sa mu­da.

Em ou­tro tre­cho, Ba­tis­ta faz re­fe­rên­cia a um pa­ga­men­to de R$ 50 mil men­sais pa­ra um “ra­paz”, que lhe tra­zia “in­for­ma­ção”. Os in­ves­ti­ga­do­res in­ter­pre­tam co­mo uma men­ção ao pro­cu­ra­dor Villela. OU­TRO LA­DO Em no­ta, Temer afir­mou não ter acre­di­ta­do na ve­ra­ci­da­de das de­cla­ra­ções de Jo­es­ley. O pe­e­me­de­bis­ta dis­se que, por ser in­ves­ti­ga­do em inqué­ri­to, o exe­cu­ti­vo pa­re­cia con­tar van­ta­gem e, por is­so, não po­dia acre­di­tar que ele te­ria co­op­ta­do um juiz e um pro­cu­ra­dor. GUS­TA­VO URI­BE

DE SÃO PAU­LO

O pre­si­den­te co­me­teu, em te­se, o cri­me de pre­va­ri­ca­ção ao dei­xar de in­for­mar as au­to­ri­da­des po­li­ci­ais que Jo­es­ley Ba­tis­ta ti­nha re­la­ções com dois juí­zes e um pro­cu­ra­dor em Brasília com o ob­je­ti­vo de obs­truir ações da Jus­ti­ça.

Os juí­zes e o pro­cu­ra­dor atu­a­vam na Ope­ra­ção Gre­en­fi­eld, que in­ves­ti­ga frau­des em fun­dos de pen­são.

O cri­me de pre­va­ri­ca­ção ocor­re quan­do um fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co dei­xa de co­mu­ni­car um cri­me que pre­sen­ci­ou ou te­ve co­nhe­ci­men­to.

“O agen­te es­ta­tal tem co­mo uma de su­as obri­ga­ções co­mu­ni­car as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes con­du­tas mes­mo que elas te­nham só apa­rên­cia de ili­ci­tu­de”, diz Pe­dro Es­te­vam Ser­ra­no, ad­vo­ga­do e pro­fes­sor de di­rei­to ad­mi­nis­tra­ti­vo da Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo. A pe­na pa­ra o cri­me va­ria de três me­ses a um ano de pri­são e mul­ta.

>> A DE­LA­ÇÃO DA JBS

Sob pres­são di­an­te de di­ver­sas in­ves­ti­ga­ções da Po­lí­cia Fe­de­ral, em di­fe­ren­tes fren­tes, os do­nos e exe­cu­ti­vos do fri­go­rí­fi­co JBS ar­ti­cu­la­ram um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da na Jus­ti­ça. Eles ti­nham ido ao Su­pre­mo pa­ra dis­cu­tir de­ta­lhes na se­ma­na pas­sa­da Na sex­ta (12), a PF ha­via de­fla­gra­do ope­ra­ção so­bre su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des na con­ces­são de em­prés­ti­mos do BNDES ao gru­po. Tam­bém nes­te ano, ti­nha si­do al­vo na Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca, so­bre su­bor­no a fis­cais agro­pe­cuá­ri­os, e Cui Bo­no? re­la­ci­o­na­da à con­ces­são de cré­di­tos pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral Em 2016, o gru­po J&F, que con­tro­la a JBS, foi in­ves­ti­ga­do sob sus­pei­ta de pa­gar pro­pi­na em tor­ca de re­cur­sos do fun­do de in­ves­ti­men­tos do FGTS. A ca­sa de Jo­es­ley foi al­vo de bus­cas A JBS te­ve for­te ex­pan­são des­de a dé­ca­da pas­sa­da, in­clu­si­ve fo­ra do Bra­sil, e bus­cou pro­xi­mi­da­de com po­lí­ti­cos. Aca­bou se tor­nan­do uma das prin­ci­pais do­a­do­ras de cam­pa­nhas elei­to­rais no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.