A res­pos­ta que de­ve­mos dar

Folha De S.Paulo - - Poder - PE­DRO LUIZ PAS­SOS CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Mar­cia Des­sen; ter­ça: Ben­ja­min Stein­bru­ch; quar­ta: Ale­xan­dre Schwartsman; quin­ta: Lau­ra Car­va­lho; sex­ta: Pe­dro Luiz Pas­sos; sá­ba­do: Ro­nal­do Cai­a­do; do­min­go:

JUS­TO QUAN­DO a eco­no­mia dá si­nais de se re­con­ci­li­ar com o cres­ci­men­to e des­pon­tam as re­for­mas que se fa­zem ne­ces­sá­ri­as há dé­ca­das, o país so­fre ou­tro du­ro ba­que pro­vo­ca­do por mais uma de­la­ção de ar­rom­ba, des­ta fei­ta atin­gin­do o co­ra­ção do go­ver­no, além de re­for­çar ou­tras tan­tas de­nún­ci­as re­cor­ren­tes.

A ex­pi­a­ção dos pecados das re­la­ções es­pú­ri­as en­tre o pú­bli­co e o pri­va­do é sem­pre cho­can­te, mas ca­be pon­de­rar se há ou­tro jei­to de de­pu­rar um sis­te­ma po­lí­ti­co apo­dre­ci­do sem ilu­mi­nar su­as en­tra­nhas. Por mai­or que se­ja a in­dig­na­ção, o que po­de tran­qui­li­zar a so­ci­e­da­de é um con­jun­to de pro­vi­dên­ci­as pa­ra que tais de­linquên­ci­as não se re­pi­tam, ha­ven­do, nes­se sen­ti­do, cla­ra ana­lo­gia com o ob­je­ti­vo das re­for­mas econô­mi­cas em pro­ces­so.

En­fren­tar tais pro­ble­mas, avan­çan­do com o que pre­ci­sa mu­dar na eco­no­mia e na po­lí­ti­ca em vez de pa­ra­li­sá-las no Con­gres­so, é a me­lhor res­pos­ta que os po­lí­ti­cos po­dem dar pa­ra uma so­ci­e­da­de des­cren­te de su­as li­de­ran­ças. A Jus­ti­ça tem seu tem­po pró­prio de ação, que não coin­ci­de com a da eco­no­mia. Num ca­so, a de­mo­ra po­de pro­lon­gar in­jus­ti­ças. No ou­tro, per­das econô­mi­cas e so­ci­ais mui­tas ve­zes ir­re­cu­pe­rá­veis.

A mo­der­ni­za­ção das re­la­ções econô­mi­cas tem pa­pel cen­tral na re­con­fi­gu­ra­ção do de­sen­vol­vi­men­to. Por is­so, a fi­la das re­for­mas pre­ci­sa an­dar. Após a fi­xa­ção de li­mi­te pa­ra o gas­to pú­bli­co e a re­vi­são da Pre­vi­dên­cia e da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta, é pre­ci­so se­guir com as re­for­mas tri­bu­tá­ria e mi­cro­e­conô­mi­ca, en­tre tan­tas ou­tras.

É es­se con­jun­to de fa­to­res que ele­va­rá a pro­du­ti­vi­da­de e as­se­gu­ra­rá o cres­ci­men­to de lon­go pra­zo. O rit­mo de tal vi­ra­da ga­nha­rá in­ten­si­da­de se for con­ju­ga­do com a aber­tu­ra da eco­no­mia. De­ve­ría­mos aproveitar o bom mo­men­to do co­mér­cio glo­bal, a des­pei­to dos rom­pan­tes pro­te­ci­o­nis­tas de Trump, já que o Bra­sil con­ti­nua en­tre as cin­co eco­no­mi­as mais fe­cha­das do mun­do.

Po­de­mos con­cluir acor­dos em fa­se de ges­ta­ção com União Eu­ro­peia e Mé­xi­co e re­for­mu­lar o que há com ou­tros paí­ses, co­mo Ja­pão, Co­reia e Ca­na­dá. Na Amé­ri­ca do Sul, for­ta­le­cer os la­ços com Chi­le, Colôm­bia e Pe­ru e re­pa­gi­nar o Mer­co­sul.

No pla­no in­ter­no, a agen­da que nos es­pe­ra po­de evo­luir a par­tir do en­ten­di­men­to de que nos­sa re­gu­la­ção foi es­ta­be­le­ci­da pa­ra aten­der a uma eco­no­mia fe­cha­da e que se tor­nou ob­so­le­ta pe­la glo­ba­li­za­ção e re­po­si­ci­o­na­men­tos ge­o­e­conô­mi­cos.

A po­lí­ti­ca in­dus­tri­al é um exem­plo. Sua con­cep­ção apoia-se na pro­te­ção in­dis­cri­mi­na­da. A con­tes­ta­ção de pro­gra­mas co­mo o Ino­var-Auto e a Lei da In­for­má­ti­ca pe­la OMC dá a opor­tu­ni­da­de de re­ver es­sa di­re­triz.

Não há tam­bém co­mo man­ter uma das es­tru­tu­ras ta­ri­fá­ri­as mais ar­cai­cas do mun­do. Sua com­ple­xi­da­de e o ele­va­do ní­vel mé­dio do Im­pos­to de Im­por­ta­ção pres­si­o­nam os cus­tos de pro­du­ção em ge­ral. É ho­ra de o go­ver­no tra­çar uma ro­ta de mé­dio pra­zo pa­ra a con­ver­gên­cia das ta­ri­fas ao ní­vel pra­ti­ca­do glo­bal­men­te.

Nes­tes úl­ti­mos 12 me­ses, pro­gre­di­mos pou­co nes­se ter­re­no, mas, a bem da ver­da­de, os mai­o­res in­te­res­sa­dos nas re­for­mas, as for­ças em­pre­sa­ri­ais, pou­co se em­pe­nha­ram em mu­dar o sta­tus quo.

Au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas e econô­mi­cas têm de­fen­di­do a in­te­gra­ção do Bra­sil à eco­no­mia glo­bal, re­for­ça­da pe­lo de­se­jo já ma­ni­fes­ta­do ofi­ci­al­men­te de o país as­so­ci­ar-se à OCDE.

Um bom ru­mo, com um bom co­me­ço e mui­ta a coi­sa a fazer —as­sim o Bra­sil co­me­ça­va a sen­tir o de­sen­ro­lar de sua mai­or cri­se econô­mi­ca. Ago­ra, com o go­ver­no fe­ri­do de mor­te, só res­ta cum­prir ri­go­ro­sa­men­te o ri­to cons­ti­tu­ci­o­nal e lu­tar pa­ra que o con­sen­so que vem se for­man­do so­bre o que é es­sen­ci­al se­ja pre­ser­va­do, por­que, afi­nal, Deus é bra­si­lei­ro.

Avan­çar com as re­for­mas é a me­lhor saí­da pa­ra um país des­cren­te de su­as li­de­ran­ças

PE­DRO LUIZ PAS­SOS,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.