Pa­ra o fim da re­ces­são

Folha De S.Paulo - - Poder - ÉRICA FRA­GA FLAVIA LI­MA

A incerteza de­fla­gra­da pe­la de­la­ção de Jo­es­ley Ba­tis­ta de­ve­rá ter im­pac­to ne­ga­ti­vo so­bre a eco­no­mia, que en­sai­a­va uma re­cu­pe­ra­ção.

A dú­vi­da de eco­no­mis­tas e in­ves­ti­do­res, nes­ta quin­ta (18), era se a cri­se po­lí­ti­ca adi­a­rá ou abor­ta­rá a re­to­ma­da.

Se­gun­do ana­lis­tas, há dois ris­cos prin­ci­pais. O pri­mei­ro é que a in­se­gu­ran­ça que ame­a­ça a con­ti­nui­da­de do pre­si­den­te Mi­chel Temer no car­go afe­te a con­fi­an­ça de con­su­mi­do­res e em­pre­sá­ri­os, que vi­nha su­bin­do len­ta­men­te.

A ex­pec­ta­ti­va de me­lho­ra da eco­no­mia era vis­ta co­mo uma ten­dên­cia mui­to po­si­ti­va por­que po­de­ria le­var a uma re­to­ma­da do con­su­mo e de in­ves­ti­men­tos. Com a vol­ta da in­se­gu­ran­ça, es­se pro­ces­so po­de ser con­ge­la­do.

Ou­tro mo­tor da re­cu­pe­ra­ção ain­da in­ci­pi­en­te era a ex­pec­ta­ti­va de apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Eco­no­mis­tas do mer­ca­do fi­nan­cei­ro con­si­de­ram que as me­di­das pro­pos­tas pa­ra con­ter o cres­cen­te de­fi­cit no re­gi­me de apo­sen­ta­do­ri­as é es­sen­ci­al pa­ra ga­ran­tir a sol­vên­cia do se­tor pú­bli­co.

A cri­se dos úl­ti­mos dois di­as cau­sou gran­de in­se­gu­ran­ça a res­pei­to das chan­ces de que a re­for­ma se­ja apro­va­da ca­so Temer dei­xe o go­ver­no.

“O ce­ná­rio é mui­to in­cer­to, não dá pa­ra fazer prog­nós­ti­cos pa­ra ama­nhã”, diz So­lan­ge Srour, eco­no­mis­ta-che­fe da ARX In­ves­ti­men­tos.

As in­cer­te­zas con­tri­buí­ram pa­ra a for­te des­va­lo­ri­za­ção do re­al, a dis­pa­ra­da dos ju­ros no mer­ca­do fu­tu­ro e a que­da da Bol­sa nes­ta quin­ta-fei­ra.

O im­pac­to des­sa tur­bu­lên­cia fi­nan­cei­ra so­bre a eco­no­mia re­al vai de­pen­der, se­gun­do ana­lis­tas, da du­ra­ção da incerteza po­lí­ti­ca.

Eco­no­mis­tas ou­vi­dos pe­la Fo­lha res­sal­ta­ram que o ce­ná­rio ide­al se­ria uma so­lu­ção rá­pi­da pa­ra a cri­se. Uma das pos­si­bi­li­da­des ci­ta­das co­mo me­nos no­ci­vas pa­ra a eco­no­mia se­ria a subs­ti­tui­ção de Temer por al­guém que se com­pro­me­ta a con­ti­nu­ar per­se­guin­do as re­for­mas pro­pos­tas pe­lo go­ver­no atu­al.

No en­tan­to, se as dú­vi­das so­bre o fu­tu­ro do pre­si­den­te per­du­ra­rem por se­ma­nas, a ten­dên­cia é que a va­ri­a­ção nos pre­ços de ati­vos fi­nan­cei­ros —co­mo o dó­lar e o va­lor de tí­tu­los pú­bli­cos— afe­te a eco­no­mia ne­ga­ti­va­men­te.

Pa­ra Jorge Si­mi­no, di­re­tor de in­ves­ti­men­tos da Fun­cesp, fun­do de pen­são com R$ 27 bi­lhões em ati­vos sob ges­tão, a va­riá­vel-cha­ve pa­ra ser acom­pa­nha­da da­qui pa­ra a fren­te é o câm­bio, que tem efei­to im­por­tan­te so­bre a tra­je­tó­ria de in­fla­ção.

Ele res­sal­ta que o BC po­de de­ci­dir re­du­zir o rit­mo de cor­te de ju­ros se ava­li­ar que uma pos­sí­vel des­va­lo­ri­za­ção do re­al po­de le­var a au­men­to de pre­ços. “Os ati­vos mu­da­ram de pa­ta­mar. Se­rão se­ma­nas de emo­ção.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.