GO­VER­NO EN­CUR­RA­LA­DO Pa­ra ana­lis­tas, JBS tem fô­le­go fi­nan­cei­ro pa­ra atra­ves­sar cri­se

Dí­vi­da é ele­va­da, mas de­la­ção não de­ve ter im­pac­to so­bre as ven­das do gi­gan­te de ali­men­tos

Folha De S.Paulo - - Poder - RE­NA­TA AGOSTINI RAQUEL LAN­DIM

Mai­or par­te da re­cei­ta da em­pre­sa vem do ex­te­ri­or, on­de o efei­to do es­cân­da­lo po­lí­ti­co ten­de a ser re­du­zi­do

Ana­lis­tas e exe­cu­ti­vos de ban­cos com co­nhe­ci­men­to dos nú­me­ros da JBS ve­em co­mo bai­xo o ris­co de a com­pa­nhia dei­xar de hon­rar pa­ga­men­tos a seus cre­do­res no cur­to pra­zo. A em­pre­sa dos ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta ti­nha, ao fi­nal de mar­ço, R$ 17,9 bi­lhões em dí­vi­das a ven­cer em do­ze me­ses e 60% des­se mon­tan­te em cai­xa.

Es­sa re­la­ção en­tre o que a em­pre­sa de­ve na pra­ça no cur­to pra­zo e o di­nhei­ro que tem dis­po­ní­vel já foi mais fol­ga­da. Ao fi­nal de 2011, por exem­plo, a JBS ti­nha 100% de sua dí­vi­da ime­di­a­ta co­ber­ta pe­los re­cur­sos em seu cai­xa.

Ape­sar dis­so, a ava­li­a­ção do mer­ca­do é que os nú­me­ros apre­sen­ta­dos pe­la em­pre­sa dão a ela re­la­ti­vo con­for­to pa­ra en­fren­tar a cri­se de ima­gem em seus ne­gó­ci­os.

Tal per­cep­ção de­ri­va do per­fil da dí­vi­da: boa par­te es­tá ga­ran­ti­da pe­la pró­pria ope­ra­ção, uma mo­da­li­da­de de cré­di­to co­nhe­ci­da no mer­ca­do co­mo “tra­ding fi­nan­ce”.

Ana­lis­tas pro­je­tam ain­da que, ao con­trá­rio do que ocor­reu na Car­ne Fra­ca, a de­la­ção dos do­nos da com­pa­nhia tra­rá pre­juí­zos li­mi­ta­dos às ven­das de pro­du­tos da JBS. Na ope­ra­ção de mar­ço, a PF lan­çou dú­vi­das so­bre con­di­ções sa­ni­tá­ri­as das fá­bri­cas e a qua­li­da­de da mer­ca­do­ria, o que as­sus­tou con­su­mi­do­res.

Ou­tro fa­tor que de­ve ate­nu­ar o im­pac­to da de­la­ção nos re­sul­ta­dos da em­pre­sa é o fa­to de o es­cân­da­lo ter me­nos ape­lo pa­ra o pú­bli­co es­tran­gei­ro, de on­de vem a mai­or par­te das re­cei­tas da JBS.

Co­nhe­ci­da no Bra­sil por ser a do­na das mar­cas Fri­boi e Se­a­ra, a em­pre­sa ex­pan­diu­se de for­ma agres­si­va no ex­te­ri­or nos úl­ti­mos anos e é ho­je mais ame­ri­ca­na do que bra­si­lei­ra, afir­ma Johnny da Sil­va, ana­lis­ta da agência de clas­si­fi­ca­ção de ris­co Fit­ch.

“O con­su­mi­dor dos Es­ta­dos Uni­dos não sa­be qu­em são os ir­mãos Ba­tis­ta e não dei­xa­rá de com­prar os pro­du­tos da em­pre­sa por cau­sa de um es­cân­da­lo no Bra­sil”, diz.

A JBS con­ta com es­se des­co­la­men­to en­tre a ima­gem do con­glo­me­ra­do e de su­as mar­cas no ex­te­ri­or pa­ra blin­dar sua ope­ra­ção, evi­tan­do as­sim que­da no fa­tu­ra­men­to. Nos EUA é do­na, por exem­plo, da Pil­grim’s Pri­de e da Swift. Em mar­ço des­te ano, fi­na­li­zou a com­pra da Plum­ro­se.

Nos úl­ti­mos anos, a JBS tem con­se­gui­do man­ter no lon­go pra­zo o ven­ci­men­to de cer­ca de 70% de sua dí­vi­da — no to­tal, de­ve ho­je em cer­ca de R$ 58,5 bi­lhões.

Em fe­ve­rei­ro des­se ano, por exem­plo,a JBS re­fi­nan­ci­ou em­prés­ti­mos de R$ 9 bi­lhões, au­men­tan­do o pra­zo de pa­ga­men­tos. Uma que­da nas re­cei­tas — e con­se­quen­te re­du­ção na ge­ra­ção de cai­xa — po­de­ria dei­xar ban­cos re­ce­o­sos de li­be­rar di­nhei­ro no­vo ou re­ne­go­ci­ar em­prés­ti­mos. Ao me­nos por ora, não há si­nais de que is­so ocor­re­rá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.