Es­tu­do tra­ça im­pac­to de mi­gra­ção ci­en­tí­fi­ca

Imi­gra­ção qua­li­fi­ca­da au­men­ta pa­ten­tes, pro­du­ti­vi­da­de dos pes­qui­sa­do­res e de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co do país

Folha De S.Paulo - - Ciência+saúde - RI­CAR­DO BONALUME NE­TO

EUA, Chi­na e União Eu­ro­peia são os paí­ses que mais atra­em; Bra­sil é um dos que mais têm ci­en­tis­tas de vol­ta

“Ci­en­tis­tas são ani­mais mi­gra­tó­ri­os”. As­sim co­me­ça um es­tu­do es­pe­ci­al da re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca ame­ri­ca­na “Sci­en­ce” so­bre mi­gra­ções.

Os da­dos coletados pe­lo pes­qui­sa­dor John Bohan­non pa­ra a “Sci­en­ce” pro­du­zi­ram re­sul­ta­dos se­me­lhan­tes aos que as Na­ções Uni­das têm di­vul­ga­do. Em 2015, um em ca­da cin­co ci­en­tis­tas vi­via em um país da União Eu­ro­peia, 17% nos Es­ta­dos Uni­dos e 19% na Chi­na. Es­tes paí­ses e re­giões con­ti­nu­am sen­do os que mais atra­em ci­en­tis­tas e en­ge­nhei­ros imi­gran­tes.

Por ou­tro la­do, só 10% dos pes­qui­sa­do­res na Ásia com dou­to­ra­do mi­gram, con­tra 32% dos que re­ce­be­ram o tí­tu­lo no Rei­no Uni­do, e 19% dos dou­to­res “pro­du­zi­dos” nos EUA mi­gram, prin­ci­pal­men­te pa­ra a Ásia.

No res­to do con­ti­nen­te ame­ri­ca­no 13% dos dou­to­res mi­gram, a mai­or par­te pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos.

Os da­dos mos­tram tam­bém um cres­ci­men­to cons­tan­te des­de 1990 no nú­me­ro de ci­en­tis­tas es­tran­gei­ros imi­gran­do pa­ra os EUA, mas em 2002, es­se flu­xo es­tag­nou, pos­si­vel­men­te por cau­sa dos ata­ques ter­ro­ris­tas de 2001, só vol­tan­do a vol­tar a cres­cer sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te em 2008.

As po­lí­ti­cas con­tra imi­gra­ção de­fen­di­das pe­lo pre­si­den­te ame­ri­ca­no Do­nald Trump co­mo um mo­do de su­pos­ta­men­te re­du­zir o ris­co de aten­ta­dos ter­ro­ris­tas po­de­rão afe­tar de no­vo es­se flu­xo.

JOHN BOUND

Cientista da Uni­ver­si­da­de de Mi­chi­gan

Mas até que pon­to es­sa mo­bi­li­da­de é be­né­fi­ca pa­ra o país que re­ce­be, e, prin­ci­pal­men­te, pa­ra o país que en­via es­ses exó­ti­cos “ani­mais” ao ex­te­ri­or? A mi­gra­ção de ci­en­tis­tas de um país pa­ra ou­tro cos­tu­ma ser cha­ma­da, afi­nal, de “dre­na­gem de cé­re­bros”.

Além da pes­qui­sa, a “Sci­en­ce” con­vi­dou vá­ri­os ci­en­tis­tas so­ci­ais pa­ra co­men­tar o te­ma, em um mo­men­to em que “re­tó­ri­ca e atos que vi­ram man­che­tes me­xem com pai­xões ao re­dor do glo­bo”.

Os da­dos fo­ram com­pi­la­dos da Or­cid, uma or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos que atri­bui có­di­gos de iden­ti­da­de pa­ra pes­qui­sa­do­res que não que­rem ser con­fun­di­dos com ou­tros com no­mes iguais. Dos cer­ca de oi­to mi­lhões de ci­en­tis­tas do pla­ne­ta, três mi­lhões têm có­di­gos da Or­cid.

Em um dos ar­ti­gos que acom­pa­nham o es­tu­do, Jennifer Hunt, da Uni­ver­si­da­de Rut­gers, em No­va Jer­sey, EUA, diz que “há de­ba­tes ani­ma­dos em paí­ses ao re­dor do mun­do so­bre o quan­to os imi­gran­tes con­tri­bu­em pa­ra a eco­no­mia. Mi­nha pes­qui­sa mos­tra que a imi­gra­ção qua­li­fi­ca­da au­men­ta pa­ten­tes, o que im­pul­si­o­na o cres­ci­men­to econô­mi­co per ca­pi­ta”.

Ou­tros três au­to­res —Giu­sep­pe Scel­la­to, da Po­li­téc­ni­ca de Tu­rin, Itá­lia; Chi­a­ra Fran­zo­ni da Po­li­téc­ni­ca de Mi­lão, Itá­lia; e Paula Stephan, da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al da Geór­gia, EUA— tra­ba­lha­ram em uma pes­qui­sa internacional so­bre ci­en­tis­tas, a GlobS­ci Sur­vey, re­a­li­za­da em 16 paí­ses, in­cluin­do o Bra­sil.

“A in­ten­ção da nos­sa pes­qui­sa foi ana­li­sar os efei­tos da pro­du­ti­vi­da­de as­so­ci­a­dos à mi­gra­ção no ní­vel in­di­vi­du­al ou mi­cro. Em­bo­ra es­te não se­ja o nos­so fo­co prin­ci­pal, nos­sa pes­qui­sa abor­da ma­nei­ras pe­las quais a mo­bi­li­da­de é be­né­fi­ca pa­ra os paí­ses do Ter­cei­ro Mun­do”, de­cla­rou Stephan à Fo­lha.

“Em pri­mei­ro lu­gar, na me­di­da em que al­guns mi­gran­tes re­tor­nam —e en­con­tra­mos uma pro­por­ção mai­or do que a mé­dia de re­tor­na­dos no Bra­sil—, es­ses mi­gran­tes são mais pro­du­ti­vos do que in­di­ví­du­os no país de ori­gem que não fo­ram mó­veis”, diz ela.

Em se­gun­do lu­gar, afir­ma, os in­di­ví­du­os mó­veis es­tão as­so­ci­a­dos com o au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de.

“E, em ter­cei­ro lu­gar, em um de nos­sos ar­ti­gos, exa­mi­na­mos os pa­drões de co­la­bo­ra­ção de in­di­ví­du­os mó­veis e nos­sos re­sul­ta­dos in­di­cam que os in­di­ví­du­os mó­veis co­la­bo­ram com in­di­ví­du­os em seu país de ori­gem”, diz ela.

Pa­ra John Bound, da Uni­ver­si­da­de de Mi­chi­gan, nos EUA, a pos­si­bi­li­da­de de mi­gra­ção po­de ter dois efei­tos po­si­ti­vos so­bre a for­ça de tra­ba­lho ci­en­tí­fi­ca nos paí­ses de ori­gem. Ela po­de in­cen­ti­var o es­tu­dan­te ta­len­to­so no país em de­sen­vol­vi­men­to a bus­car ins­tru­ção ci­en­tí­fi­ca e há a mi­gra­ção de re­tor­no.

“No ní­vel de dou­to­ra­do,

BRE­NO GO­MI­DE BRA­GA

Eco­no­mis­ta que es­tu­da nos EUA Taiwan, Co­reia do Sul e Chi­na se be­ne­fi­ci­a­ram sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te dos mi­gran­tes que re­tor­na­ram. No con­tex­to da in­dús­tria de tec­no­lo­gia de in­for­ma­ção, am­bos os me­ca­nis­mos be­ne­fi­ci­a­ram a Ín­dia. Pa­ra que is­so fun­ci­o­ne, é im­por­tan­te que os paí­ses emis­so­res te­nham ins­ti­tui­ções que apoi­em es­tu­dan­tes e ci­en­tis­tas que re­tor­nam”, dis­se.

O eco­no­mis­ta bra­si­lei­ro Bre­no Go­mi­de Bra­ga tra­ba­lha com Bound nos EUA. “Con­cor­do com o John, mas tam­bém te­nho um ar­gu­men­to a acres­cen­tar. A mi­gra­ção de ci­en­tis­tas po­de ser tam­bém be­né­fi­ca pa­ra o Bra­sil por­que mui­tos ci­en­tis­tas con­ti­nu­am pes­qui­san­do te­mas de in­te­res­se do país mes­mo mo­ran­do no ex­te­ri­or”, dis­se.

“Par­te da mi­nha pes­qui­sa é re­la­ci­o­na­da ao Bra­sil. O meu cen­tro de pes­qui­sa me for­ne­ce re­cur­sos que di­fi­cil­men­te en­con­tra­ria em uma ins­ti­tui­ção bra­si­lei­ra. Is­so in­flu­en­cia na qua­li­da­de do meu tra­ba­lhos so­bre a eco­no­mia bra­si­lei­ra. O mes­mo se apli­ca a um cientista es­tu­dan­do uma va­ci­na con­tra o ví­rus da zi­ka em uma uni­ver­si­da­de os EUA.”

Taiwan, Co­reia do Sul e Chi­na se be­ne­fi­ci­a­ram dos ci­en­tis­tas que re­tor­na­ram. As ins­ti­tui­ções têm que apoi­ar es­sa vol­ta “

A mi­gra­ção de ci­en­tis­tas tam­bém po­de ser be­né­fi­ca pa­ra o país emis­sor. Par­te da mi­nha pes­qui­sa é so­bre a eco­no­mia do Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.