Equi­pe te­ve três re­bai­xa­men­tos des­de 2015

Folha De S.Paulo - - Esporte -

Mai­or jo­ga­dor da his­tó­ria do Mo­gi Mi­rim, Ri­val­do, 45, vol­tou em 2008 no pa­pel de ad­mi­nis­tra­dor.

No­ve anos de­pois é acu­sa­do por três só­ci­os do clu­be de ven­der o pa­trimô­nio da agre­mi­a­ção, pas­sar dois cen­tros de trei­na­men­to pa­ra o seu no­me e re­ce­ber em sua con­ta pes­so­al o di­nhei­ro de uma par­ce­ria do Mo­gi com uma em­pre­sa do Uz­be­quis­tão. Ele ne­ga to­das as acu­sa­ções.

O pro­ces­so con­tra Ri­val­do es­tá na 2ª Va­ra Cí­vel de Mo­gi Mi­rim (182 km de São Pau­lo) e pe­de que a trans­fe­rên­cia dos dois CTs pa­ra o no­me de Ri­val­do, fei­ta em 2013, se­ja anu­la­da. Na épo­ca, ele es­ta­va li­cen­ci­a­do da pre­si­dên­cia e o car­go era exer­ci­do pe­lo ad­vo­ga­do Wil­son Bo­net­ti, re­pre­sen­tan­te le­gal do ex-jo­ga­dor.

No pro­ces­so, es­tão ane­xa­das du­as pro­cu­ra­ções as­si­na­das em 2007 e em 2014 dan­do ao ad­vo­ga­do ple­nos po­de­res pa­ra ge­rir as­sun­tos de in­te­res­se de Ri­val­do. A se­gun­da é es­pe­cí­fi­ca pa­ra ad­mi­nis­trar o clu­be pau­lis­ta.

“Os CTs fo­ram pas­sa­dos pa­ra o no­me de Ri­val­do por uma dí­vi­da ques­ti­o­ná­vel e de for­ma sor­ra­tei­ra. Não se po­de fazer is­so com um bem cons­truí­do pe­lo clu­be e pe­la ci­da­de”, afir­ma Hen­ri­que Pe­res Stort, um dos res­pon­sá­veis pe­la ação que pe­de o can­ce­la­men­to da trans­fe­rên­cia.

A Fo­lha es­te­ve nos dois CTs. O mai­or, de 79 mil me­tros qua­dra­dos, es­tá ar­ren­da­do mas não po­de ser uti­li­za­do por cau­sa de pra­gas no gra­ma­do. O me­nor, de 24 mil me­tros qua­dra­dos, na es­tra­da que li­ga Mo­gi Mi­rim a Li­mei­ra, es­tá aban­do­na­do.

Ri­val­do jo­gou pe­lo clu­be de 1992 a 1993. De­pois pas­sou por Co­rinthi­ans, Pal­mei­ras, Bar­ce­lo­na (ESP), Mi­lan (ITA) e foi cam­peão mun­di­al pe­la se­le­ção bra­si­lei­ra em 2002. RE­TOR­NO O ex-jo­ga­dor pas­sou a ge­rir o Mo­gi Mi­rim em 2008, após a mor­te de Wil­son Bar­ros, pre­si­den­te des­de 1981. Na épo­ca, o clu­be de­via R$ 1,8 mi­lhão pa­ra a fa­mí­lia Bar­ros. Ri­val­do qui­tou o dé­bi­to.

O pa­trimô­nio do Mo­gi Mi­rim era com­pos­to por 14 apar­ta­men­tos na ci­da­de, ven­di­dos du­ran­te a ges­tão do ex­meia, e os dois CTs.

No pro­ces­so, os só­ci­os ale­gam que quan­do Ri­val­do dei­xou o Mo­gi, em 2015, co­brou dí­vi­da de R$ 12.560.087,09. O atu­al pre­si­den­te, Luiz Hen­ri­que de Oli­vei­ra, as­si­nou acor­do pa­ra pa­gar R$ 500 mil por ano ao an­ti­go ges­tor.

A ad­mi­nis­tra­ção de Ri­val­do foi po­lê­mi­ca. Ele co­lo­cou fa­mi­li­a­res em car­gos es­tra­té­gi­cos do clu­be. No­me­ou a mu­lher, Eli­za Ka­mins­ki Fer­r­rei­ra, pa­ra a vi­ce-pre­si­dên­cia, e o fi­lho Ri­val­di­nho, en­tão com 19 anos, pa­ra pre­si­dên­cia do con­se­lho de­li­be­ra­ti­vo.

A dis­cus­são cen­tral do pro­ces­so es­tá em con­tra­to, as­si­na­do por Bo­net­ti, re­pre­sen­tan­te de Ri­val­do. Es­te se com­pro­me­tia a as­su­mir o pas­si­vo do Mo­gi e não di­la­pi­dar o pa­trimô­nio. Ri­val­do diz des­co­nhe­cer o do­cu­men­to. Ele e Bo­net­ti es­tão rom­pi­dos.

“Ri­val­do não po­de­ria trans­fe­rir os CTs pa­ra o seu no­me, já que era o pre­si­den­te do clu­be. A mes­ma pes­soa não po­de fazer com­pra e ven­da. Que­re­mos pe­rí­cia con­tá­bil am­pla nas con­tas de­le (Bo­net­ti) e do Ri­val­do”, afir­ma o ad­vo­ga­do Re­na­to Fran­co.

O pe­di­do é mo­ti­va­do pe­la par­ce­ria fir­ma­da em 2009 por Ri­val­do com o Ze­ro­max GMBH, em­pre­sa do Uz­be­quis­tão que tam­bém era do­na do Bunyod­kor, clu­be em que ele atu­ou de 2008 a 2010.

O con­glo­me­ra­do se com­pro­me­teu a dar € 114.532 por mês (R$ 430 mil, em va­lo­res atu­ais) ao clu­be. Pe­lo con­tra­to, o di­nhei­ro se­ria de­po­si­ta­do na con­ta do Mo­gi Mi­rim.

A re­cla­ma­ção é que os pa­ga­men­tos fo­ram pa­ra con­ta de Ri­val­do, que te­ria re­pas­sa­do as quan­ti­as ao clu­be co­mo em­prés­ti­mo. Em ou­tu­bro de 2010, os pa­ga­men­tos ces­sa­ram. A Ze­ro­max GMBH en­trou com pe­di­do de fa­lên­cia.

DE SÃO PAU­LO

Fun­da­do em 1932, o Mo­gi Mi­rim vi­ve gra­ve cri­se den­tro de cam­po. Em me­nos de dois anos, o clu­be acu­mu­la três re­bai­xa­men­tos con­se­cu­ti­vos.

O de­clí­nio co­me­çou em 2015, quan­do o ti­me caiu da Sé­rie B pa­ra a Sé­rie C no Bra­si­lei­ro. No Es­ta­du­al, fo­ram dois re­bai­xa­men­tos: da Sé­rie A1 pa­ra a A2 em 2016 e, nes­te ano, pa­ra a A3 após ter­mi­nar na pe­núl­ti­ma co­lo­ca­ção.

A que­da coin­ci­diu com a saí­da de Ri­val­do da pre­si­dên­cia do Mo­gi Mi­rim. Em 2015, ele re­nun­ci­ou ao car­go e o em­pre­sá­rio por­tu­guês Vic­tor Ma­nu­el Si­mões as­su­miu o clu­be co­mo in­ves­ti­dor. Si­mões, in­clu­si­ve, se com­pro­me­teu a pa­gar a dí­vi­da que o Mo­gi Mi­rim tem com o pen­ta­cam­peão de apro­xi­ma­da­men­te R$ 10,9 mi­lhões.

Si­mões, po­rém, fi­cou me­nos de três me­ses co­mo in­ves­ti­dor após se de­sen­ten­der com o seu só­cio, Luiz Hen­ri­que Oli­vei­ra, que é o atu­al man­da­tá­rio do clu­be.

Com di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, Oli­vei­ra ne­go­cia há mais de um mês uma par­ce­ria com o em­pre­sá­rio Mário Tei­xei­ra, ex-exe­cu­ti­vo do Bra­des­co e pro­pri­e­tá­rio do Grê­mio Osas­co, do Osas­co FC, do Au­dax Rio do Au­dax pau­lis­ta.

Há 15 di­as o Mo­gi Mi­rim trei­na em Osas­co en­quan­to aguar­da o des­fe­cho do acor­do. No úl­ti­mo sá­ba­do (13), a equi­pe man­dou a par­ti­da di­an­te do São Bento, na aber­tu­ra da Sé­rie C, no es­tá­dio Jo­sé Li­be­rat­ti, em Osas­co.

Pre­o­cu­pa­dos com a cri­se que o clu­be atra­ves­sa nos úl­ti­mos anos, mo­ra­do­res da ci­da­de cri­a­ram o SOS Mo­gi Mi­rim por dis­cor­da­rem da atu­al ad­mi­nis­tra­ção, acre­di­tan­do que ela pre­ten­de le­var o clu­be pa­ra ou­tra ci­da­de.

Ma­ta­gal to­ma con­ta de es­pa­ço pa­ra des­can­so no cen­tro de trei­na­men­to do Mo­gi Mi­rim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.