Ri­val­do não te­ve lu­cro com o clu­be, afir­ma ad­vo­ga­do

Folha De S.Paulo - - Esporte -

DE SÃO PAU­LO

O ad­vo­ga­do de Ri­val­do, Be­tel­len Dan­te, des­car­ta to­das as acu­sa­ções fei­tas no pro­ces­so. Se­gun­do ele, o ex-jo­ga­dor co­lo­cou di­nhei­ro no clu­be.

“O Ri­val­do se com­pro­me­teu a ad­mi­nis­trar, em­pres­tar di­nhei­ro e pa­gar to­das as des­pe­sas. Ele sa­ne­ou o clu­be. Não do­ou ne­nhum di­nhei­ro, ape­nas em­pres­tou e nunca se com­pro­me­teu a abrir mão dis­so. Dei­xou cla­ro que que­ria re­a­ver o di­nhei­ro de ma­nei­ra cor­re­ta. Te­mos o ex­tra­to de to­do o di­nhei­ro que saiu da con­ta do Ri­val­do e en­trou na do Mo­gi Mi­rim”, afir­ma.

Dan­te dis­se que os CTs fo­ram da­dos co­mo pa­ga­men­to de dí­vi­das que o Mo­gi ti­nha com Ri­val­do, que não te­ria le­va­do van­ta­gem no ne­gó­cio.

“Ri­val­do in­ves­tiu di­nhei­ro e re­ce­beu imó­vel. O que ele ti­nha [a re­ce­ber] era mui­to mai­or. Ele acei­tou os CTs. O con­se­lho de­li­be­ra­ti­vo viu que não ha­via da­no pa­ra o clu­be. Fo­ram fei­tas ava­li­a­ções na épo­ca por cor­re­to­res di­fe­ren­tes. Ri­val­do não le­vou ne­nhu­ma van­ta­gem”, com­ple­ta.

O ad­vo­ga­do afir­ma que, a par­tir de 2013, Ri­val­do per­ce­beu que a si­tu­a­ção se tor­na­va in­sus­ten­tá­vel e que o clu­be não era viá­vel. Ele con­tes­ta a vi­são de que o ex-jo­ga­dor re­du­ziu o pa­trimô­nio do Mo­gi Mi­rim, já que te­ria in­ves­ti­do R$ 15 mi­lhões no clu­be.

“Ele não di­la­pi­dou ne­nhum pa­trimô­nio. On­de es­tá ló­gi­ca de uma pes­soa ti­rar do bol­so R$ 15 mi­lhões e ser res­sar­ci­do com me­nos? Só se for do pró­prio Ri­val­do a di­la­pi­da­ção pa­tri­mo­ni­al. O Mo­gi Mi­rim só foi be­ne­fi­ci­a­do pe­lo Ri­val­do. Ele não te­ve lu­cro com o Mo­gi Mi­rim, só te­ve o que a lei man­da. Nem ban­co nem qual­quer ou­tra pes­soa fa­ria o que o Ri­val­do fez pe­lo Mo­gi Mi­rim”, afir­ma.

Pa­ra Dan­te, o do­cu­men­to as­si­na­do por Bo­net­ti em que Ri­val­do se com­pro­me­tia a as­su­mir o pas­si­vo e man­ter o pa­trimô­nio do clu­be era um “do­cu­men­to de ga­ve­ta”, sem va­li­da­de le­gal. Tanto que não es­tá ane­xa­do ori­gi­nal­men­te à ata de reu­nião que pas­sa­va a ad­mi­nis­tra­ção do Mo­gi Mi­rim ao ho­je ex-jo­ga­dor.

So­bre o di­nhei­ro da par­ce­ria com a Ze­ro­max GMBH, o ad­vo­ga­do diz que Ri­val­do re­ce­beu em sua con­ta ape­nas o sa­lá­rio co­mo jo­ga­dor do Bunyod­kor. “Es­se di­nhei­ro [da par­ce­ria] en­trou na con­ta do Mo­gi Mi­rim. Es­tá no ba­lan­ço. Não pas­sou pe­lo Ri­val­do.”

O ad­vo­ga­do ain­da co­lo­ca em dú­vi­da se os au­to­res do pro­ces­so re­al­men­te são as­so­ci­a­dos ao Mo­gi Mi­rim.

A re­por­ta­gem ten­tou fa­lar di­re­ta­men­te com o ex-jo­ga­dor, mas ele não quis ser en­tre­vis­ta­do. (LC E AS)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.