FES­TI­VAL DE CAN­NES Pri­mei­ros fil­mes ex­põem visões opos­tas de mun­do pré-ado­les­cen­te

‘Sem Fô­le­go’, de Todd Hay­nes, e ‘Lo­ve­less’, de An­drey Zvya­gint­sev, abri­ram com­pe­ti­ção na 5ª

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - GUILHERME GENESTRETI

Nor­te-ame­ri­ca­no con­ta du­as tra­mas pa­ra­le­las em No­va York, e rus­so fa­la de ga­ro­to su­mi­do em cli­ma vi­o­len­to

Há um tanto de coin­ci­dên­ci­as en­tre os fil­mes que abri­ram a com­pe­ti­ção do Fes­ti­val de Can­nes na quin­ta (18). A co­me­çar pe­lo tí­tu­lo: um se cha­ma “Sem Fô­le­go”; ou­tro, “Lo­ve­less” (sem amor, em in­glês). Am­bos tra­tam de préa­do­les­cen­tes.

O tom, con­tu­do, não po­dia ser mais di­fe­ren­te.

O pri­mei­ro, do ame­ri­ca­no Todd Hay­nes, faz um re­tra­to ter­no, no li­mi­te do pi­e­gas, de um me­ni­no e de uma me­ni­na de épo­cas dis­tin­tas. O se­gun­do, di­ri­gi­do pe­lo rus­so An­drey Zvya­gint­sev, tam­bém gi­ra em tor­no de um ga­ro­to de 12 anos, mas seu re­gis­tro é bru­tal e tem du­re­za tí­pi­ca das pro­du­ções do Les­te Eu­ro­peu.

“Sem Fô­le­go” é uma adap­ta­ção do li­vro de Brian Selz­nick, o mes­mo au­tor de “A In­ven­ção de Hu­go Ca­bret”.

Su­as du­as par­tes são con­ta­das em pa­ra­le­lo; uma é so­bre uma ga­ro­ta so­li­tá­ria em 1927, a ou­tra, so­bre um ór­fão em 1977. Am­bos são sur­dos, e a tra­ma acom­pa­nha sua jor­na­da por No­va York; ela, à pro­cu­ra da mãe; ele, do pai.

Quan­do re­tra­ta a dé­ca­da de 1920, Hay­nes usa o pre­to e bran­co e re­fe­rên­ci­as do ci­ne­ma mu­do. Ao pu­lar pa­ra os anos 1970, o fil­me ga­nha um fil­tro mais vi­bran­te e suin­gue.

“O pas­sa­do me ins­pi­ra, me dá des­cul­pa pa­ra re­cu­ar à his­tó­ria do ci­ne­ma”, dis­se o di­re­tor, pro­lí­fi­co em pro­du­ções de épo­ca, co­mo “Ca­rol” (2015) e “Lon­ge do Pa­raí­so” (2002).

No fil­me, ele tra­ba­lha pe­la quar­ta vez com Ju­li­an­ne Moore. Co­ad­ju­van­te nos dois seg­men­tos, ela dis­se à im­pren­sa no fes­ti­val que “o fil­me tra­ta do te­ma da lin­gua­gem e so­bre co­mo usa­mos o cor­po pa­ra nos co­mu­ni­car­mos”.

“Sem Fô­le­go” é a in­cur­são mais pu­e­ril da car­rei­ra de Hay­nes, que des­pon­tou en­tre o fim dos anos 1980 e iní­cio dos anos 1990 den­tro do new que­er ci­ne­ma, mo­vi­men­to que con­tou com Gus Van Sant, Gregg Ara­ki e ou­tros e le­vou os di­le­mas de gays, lés­bi­cas e trans pa­ra a te­la.

“Nunca ti­nha tra­ba­lha­do com o uni­ver­so in­fan­til, da ima­gi­na­ção, e num fil­me em que o es­pec­ta­dor tem de se­guir pis­tas”, dis­se ele. “Por que as du­as his­tó­ri­as es­tão no mes­mo fil­me? O pú­bli­co sa­be que exis­te uma re­la­ção e a ideia de que irá des­ven­dar is­so é o que pren­de a aten­ção.”

Se em “Sem Fô­le­go” os per­so­na­gens pré-ado­les­cen­tes sa­em em bus­ca dos pais, em “Lo­ve­less” é o opos­to: os pais, re­cém-di­vor­ci­a­dos, é que pre­ci­sam ir atrás do fi­lho su­mi­do. As tin­tas são opos­tas às do lon­ga de Hay­nes: o th­ril­ler é car­re­ga­do de cru­e­za nas ima­gens, e a tra­ma não bus­ca fazer con­ces­sões.

No fil­me de Zvya­gint­sev, mes­mo di­re­tor de “Le­vi­a­tã” (2014), o ca­sal de pro­ta­go­nis­tas se agri­de aos ber­ros e pa­la­vrões. Te­rem de se unir pa­ra pro­cu­rar o fi­lho não os re­a­pro­xi­ma. Lon­ge dis­so; só es­can­ca­ra um abis­mo de vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca que não fa­zem ques­tão de re­pa­rar.

A fal­ta de em­pa­tia en­tre os dois per­so­na­gens tam­bém re­ve­la o que pa­re­ce ser uma ci­são na pró­pria so­ci­e­da­de rus­sa. As pa­ta­das que per­mei­am qua­se to­das as re­la­ções fa­mi­li­a­res no fil­me só dão tré­gua quan­do há um in­te­res­se por trás da união: a per­so­na­gem da mãe se uniu a um su­jei­to mais ve­lho e mais ri­co.

O di­re­tor, con­tu­do, se es­qui­va de co­men­tar quan­to da bru­ta­li­da­de se­ria me­tá­fo­ra pa­ra a con­di­ção po­lí­ti­ca na Rús­sia atu­al. “Não que­ria que o fil­me fos­se vis­to só pe­lo pa­no­ra­ma po­lí­ti­co. Mi­nha com­pre­en­são é mais me­ta­fí­si­ca, é das re­la­ções em si”, dis­se.

Fazer uma aná­li­se des­po­li­ti­za­da de sua obra é ta­re­fa di­fí­cil. “Le­vi­a­tã”, sá­ti­ra áci­da que es­can­ca­ra­va a cor­rup­ção no país, le­vou o mi­nis­tro da Cul­tu­ra de Pu­tin a cha­mar o lon­ga de “an­tir­rus­so” e di­zer que não de­ve­ria ter si­do ban­ca­do com di­nhei­ro pú­bli­co.

“Lo­ve­less” não tem um cen­ta­vo do go­ver­no; é uma co­pro­du­ção com ou­tros paí­ses da Eu­ro­pa. GUILHERME GENESTRETI ES­CA­PE DES­SES Com dois lon­gas à pro­cu­ra de par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais em Can­nes, Johnny Depp é al­vo de pi­a­da por cau­sa do fra­cas­so de su­as pro­du­ções in­de­pen­den­tes. “Se ti­ver Depp e não for ‘Pi­ra­tas do Ca­ri­be’ ou di­ri­gi­do por Tim Bur­ton, não com­pre” —é o que dis­tri­bui­do­res di­zem pe­los cor­re­do­res. NÃO TEM ES­CA­PE Os gran­des es­tú­di­os po­dem não es­tar den­tro da pro­gra­ma­ção do fes­ti­val nes­te ano, mas es­tão por to­da par­te, do la­do de fo­ra. A Sony co­briu a fa­cha­da de um dos ho­téis à bei­ra-mar com um gi­gan­tes­co pai­nel do no­vo “Ho­mem-Ara­nha”. Per­to da­li, uma lo­co­mo­ti­va em ta­ma­nho re­al anun­cia a no­va ver­são de “As­sas­si­na­to no Ex­pres­so do Ori­en­te”. FIL­ME POR­TA DOS FUN­DOS: CON­TRA­TO VITALÍCIO O Por­ta dos Fun­dos saiu da web e che­gou aos ci­ne­mas no ano pas­sa­do. No lon­ga de es­treia, dois ami­gos as­si­nam um con­tra­to de tra­ba­lho vitalício. Anos de­pois, um de­les é um ator fa­mo­so e o ou­tro, um ci­ne­as­ta lu­ná­ti­co que obri­ga o “só­cio” a es­tre­lar um fil­me, no mí­ni­mo, trash. Te­le­ci­ne Pipoca, 17h30, 14 anos FIL­ME HO­RI­ZON­TE PRO­FUN­DO: DESASTRE NO GOLFO Ele­tri­zan­te, es­sa pro­du­ção re­cria uma das mai­o­res tra­gé­di­as am­bi­en­tais re­cen­tes: em 2011, a ex­plo­são de uma pla­ta­for­ma pe­tro­lí­fe­ra matou 11 pes­so­as e es­pa­lhou pe­tró­leo pe­lo Golfo do Mé­xi­co. NET Now (R$16,90), 14 anos

Fo­tos Divulgação

Mil­li­cent Sim­monds é uma me­ni­na em bus­ca a mãe nos anos 1920, em ‘Sem Fô­le­go’, do nor­te-ame­ri­ca­no Todd Hay­nes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.