Fu­tu­ro che­fe de inqué­ri­to é elo­gi­a­do por es­quer­da e di­rei­ta

Ro­bert Mu­el­ler foi o mais lon­ge­vo di­re­tor do FBI após Ho­o­ver

Folha De S.Paulo - - Mundo -

Des­de o anún­cio, na quar­ta (17), de que o ex-di­re­tor do FBI Ro­bert Mu­el­ler, 72, se­ria o con­se­lhei­ro es­pe­ci­al pa­ra co­man­dar as in­ves­ti­ga­ções so­bre pos­sí­veis elos en­tre in­te­gran­tes da equi­pe de cam­pa­nha de Do­nald Trump e a Rús­sia, um epi­só­dio tem si­do re­pe­ti­do à exaus­tão pe­la mí­dia ame­ri­ca­na: a vez em que Mu­el­ler ven­ceu a que­da de bra­ço com Ge­or­ge W. Bush.

Era 2004 e o en­tão di­re­tor do FBI ame­a­çou dei­xar o pos­to se Bush man­ti­ves­se um pro­gra­ma que per­mi­tia gram­pos sem au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al mes­mo após ele ter si­do con­si­de­ra­do in­cons­ti­tu­ci­o­nal pe­lo De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça.

Bush ce­deu, e Mu­el­ler fi­cou, per­ma­ne­cen­do por 12 anos (2001-2013) à fren­te da po­lí­cia fe­de­ral ame­ri­ca­na.

O ca­so é usa­do co­mo exem­plo da in­de­pen­dên­cia e da in­te­gri­da­de de Mu­el­ler, que já de­mons­trou ser re­sis­ten­te a pres­são. Sua in­di­ca­ção pe­lo vi­ce-se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça, Rod Ro­sens­tein, foi elo­gi­a­da por re­pu­bli­ca­nos e de­mo­cra­tas e pe­la im­pren­sa. Em edi­to­ri­al do “New York Ti­mes”, Mu­el­ler é cha­ma­do de “o con­se­lhei­ro es­pe­ci­al de que os EUA pre­ci­sam”.

O em­ba­te en­tre Mu­el­ler, que é re­pu­bli­ca­no, e Bush, con­tu­do, não foi o úni­co. Dois anos de­pois, o di­re­tor do FBI con­du­zia uma in­ves­ti­ga­ção de um ca­so de cor­rup­ção en­vol­ven­do o de­pu­ta­do de­mo­cra­ta William Jef­fer­son.

Sob pres­são de par­la­men­ta­res dos dois par­ti­dos, o pre­si­den­te or­de­nou que o FBI de­vol­ves­se ao de­pu­ta­do os do­cu­men­tos re­co­lhi­dos nu­ma bus­ca em seu ga­bi­ne­te. Mu­el­ler ame­a­çou no­va­men­te renunciar e con­se­guiu fi­car com as pro­vas que le­va­ram à pri­são de Jef­fer­son.

Mu­el­ler, um ve­te­ra­no da Guerra do Vi­et­nã pe­la Marinha, tem for­te li­ga­ção com Ja­mes Co­mey, o di­re­tor do FBI de­mi­ti­do por Trump no úl­ti­mo dia 9 —e su­per­vi­sor da in­ves­ti­ga­ção que ago­ra ca­be ao con­se­lhei­ro es­pe­ci­al.

No epi­só­dio de 2004, Co­mey, en­tão vi­ce-se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça, tam­bém ame­a­çou dei­xar o pos­to se os gram­pos fos­sem reins­ti­tuí­dos.

Mu­el­ler as­su­miu a che­fia do FBI uma se­ma­na an­tes dos ata­ques do 11 de Se­tem­bro e fi­cou à fren­te da agência du­ran­te as com­ple­xas in­ves­ti­ga­ções dos aten­ta­dos.

Do pre­si­den­te de­mo­cra­ta Ba­rack Oba­ma, re­ce­beu o pe­di­do, em 2011, pa­ra que es­ten­des­se por mais dois anos o seu man­da­to de dez anos an­tes de no­me­ar Co­mey co­mo seu su­ces­sor.

Foi as­sim, o se­gun­do di­re­tor do FBI a fi­car mais tem­po no car­go, atrás ape­nas do con­tro­ver­so J. Edgar Ho­o­ver.

Des­de que dei­xou o FBI, Mu­el­ler atua no es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia Wil­merHa­le, do qual se des­li­ga­rá pa­ra as­su­mir a no­va fun­ção. (IF)

J. Scott Ap­plewhi­te-13.jun.2012/Reuters

Ro­bert Mu­el­ler, en­tão no FBI, de­põe no Con­gres­so dos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.