Google de­sa­fia Ap­ple em in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al

Lan­ça­men­to do as­sis­ten­te de voz As­sis­tant pa­ra iPho­ne pre­nun­cia ba­ta­lha por no­va pla­ta­for­ma de com­pu­ta­ção

Folha De S.Paulo - - Mercado - RI­CHARD WA­TERS

Sun­dar Pi­chai, pre­si­den­te­e­xe­cu­ti­vo do Google, vem di­zen­do há mais de um ano que a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al mu­da­rá tu­do que a com­pa­nhia de in­ter­net que ele di­ri­ge faz. As pes­so­as reu­ni­das pa­ra a con­fe­rên­cia anu­al de de­sen­vol­ve­do­res do Google, nes­ta se­ma­na, no Va­le do Si­lí­cio, pu­de­ram, en­fim, per­ce­ber qu­an­ta coi­sa de­ve mu­dar.

Na mais vi­sí­vel de­mons­tra­ção de sua am­bi­ção de es­ten­der o al­can­ce de seus ser­vi­ços aci­o­na­dos por in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, o Google lan­çou seu no­vo as­sis­ten­te in­te­li­gen­te —o As­sis­tant— co­mo app pa­ra o Ap­ple iPho­ne, em opo­si­ção di­re­ta ao sis­te­ma Si­ri, da Ap­ple, em um du­e­lo de agen­tes in­te­li­gen­tes.

O anún­cio de um no­vo ser­vi­ço de com­pu­ta­ção pa­ra em­pre­sas e go­ver­nos atraiu me­nos aten­ção, mas es­pe­ra usar os mes­mos po­de­res de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al que aci­o­nam os ser­vi­ços do Google.

“Com­pre­en­de­mos que não va­mos re­sol­ver to­dos os pro­ble­mas de apren­di­za­do au­to­má­ti­co so­zi­nhos”, dis­se Jeff De­an, um dos prin­ci­pais pes­qui­sa­do­res de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al do Google.

Em lu­gar dis­so, as téc­ni­cas de­sen­vol­vi­das pe­lo Google pa­ra re­co­nhe­ci­men­to de voz e ima­gens es­tão sen­do li­cen­ci­a­das pa­ra que em­pre­sas as apli­quem co­mo pre­fe­ri­rem. Elas po­de­rão usar es­sas tec­no­lo­gi­as pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas de com­pu­ta­ção que en­fren­tam, co­mo a de­tec­ção de frau­des e a aná­li­se de gran­des vo­lu­mes de da­dos de saú­de de pa­ci­en­tes, dis­se.

O no­vo ser­vi­ço de com­pu­ta­ção tam­bém con­du­zi­rá o Google a um en­vol­vi­men­to mais pro­fun­do no se­tor de chips, fa­zen­do de­le um con­cor­ren­te im­pro­vá­vel pa­ra as em­pre­sas que vêm cri­an­do a ba­se com­pu­ta­ci­o­nal da era da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, a exem­plo da Nvi­dia e da In­tel. A em­pre­sa de in­ter­net in­for­mou que os usuá­ri­os de seu ser­vi­ço de nu­vem te­rão aces­so a ser­vi­do­res ba­se­a­dos em chips pro­je­ta­dos por ela, co­nhe­ci­dos co­mo Ten­sor Pro­ces­sing Units, ou TPUs.

“Is­so po­de ter con­sequên­ci­as im­por­tan­tes”, dis­se Chi­rag De­ka­te, ana­lis­ta da em­pre­sa de pes­qui­sa Gart­ner, acres­cen­tan­do que a no­vi­da­de mu­da­ria o pas­so em ter­mos da po­tên­cia dis­po­ní­vel pa­ra que em­pre­sas ana­li­sem os seus pró­pri­os da­dos. “Se­rá di­fí­cil pa­ra os ri­vais con­cor­rer com o de­sem­pe­nho do Google.”

No cen­tro do esforço de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al es­tá o As­sis­tant. O Google de­mons­trou nes­ta se­ma­na de que ma­nei­ra a tec­no­lo­gia po­de­ria ser usa­da co­mo uma ca­ma­da in­te­li­gen­te adi­ci­o­na­da a ou­tros ser­vi­ços, por exem­plo pa­ra aju­dar o usuá­rio a des­co­brir mais so­bre ob­je­tos re­ais cu­jas ima­gens te­nha cap­tu­ra­do com as câ­me­ras do ce­lu­lar.

O As­sis­tant foi pro­je­ta­do pa­ra am­pli­ar seus co­nhe­ci­men­tos —e sua uti­li­da­de— à me­di­da que se ex­pan­de pa­ra mais apa­re­lhos e co­me­ça a ser­vir co­mo fun­da­ção a mais ser­vi­ços, dis­se De­an. “Es­ta­mos co­me­çan­do a che­gar a pon­tos de in­te­gra­ção com ter­cei­ros”, afir­mou.

Lan­ça­do no fim do ano pas­sa­do, no smartpho­ne Pi­xel, do Google, e no Ho­me, o As­sis­tant ain­da es­tá em es­tá­gio ini­ci­al de de­sen­vol­vi­men­to. A em­pre­sa tam­bém en­fren­ta fe­roz com­pe­ti­ção da Ama­zon, que agiu ra­pi­da­men­te pa­ra con­so­li­dar a van­ta­gem ini­ci­al con­quis­ta­da pe­lo seu ser­vi­ço Ale­xa, aci­o­na­do por voz.

Mas o Google vem se pre­pa­ran­do pa­ra uma ba­ta­lha que de­ve du­rar anos. Par­te do pro­ces­so é o lan­ça­men­to de um app do As­sis­tant pa­ra o iPho­ne. Por não ser “na­ti­vo” da pla­ta­for­ma Ap­ple, o app não se­rá ca­paz de fazer al­gu­mas coi­sas que a as­sis­ten­te di­gi­tal Si­ri faz, co­mo ajus­tar o des­per­ta­dor do ce­lu­lar.

O Google es­pe­ra mais que com­pen­sar es­sas de­fi­ci­ên­ci­as ao ope­rar ser­vi­ços pró­pri­os, co­mo o Maps, e ao in­cor­po­rar uma com­pre­en­são mais pro­fun­da do usuá­rio, ba­se­a­da nas in­te­ra­ções des­te com ou­tros apa­re­lhos.

Se as pes­so­as co­me­ça­ram a em­pre­gar ser­vi­ços co­mo es­se pa­ra le­var uma ex­pe­ri­ên­cia co­mum a to­dos os apa­re­lhos que usam, is­so po­de fazer de soft­ware co­mo o As­sis­tant uma no­va pla­ta­for­ma de com­pu­ta­ção e, de acor­do com Mi­la­ne­si, cri­ar um gran­de de­sa­fio pa­ra a Ap­ple, que ten­de a res­trin­gir ser­vi­ços co­mo a Si­ri aos seus pró­pri­os apa­re­lhos a fim de im­pul­si­o­nar a ven­da de hard­ware.

“O As­sis­tant sa­be­rá mui­ta coi­sa que a Si­ri não sa­be”, dis­se Ca­ro­li­na Mi­la­ne­si, ana­lis­ta da Cre­a­ti­ve Stra­te­gie.

O smartpho­ne ain­da domina a com­pu­ta­ção. Mas, à me­di­da que as no­vas pla­ta­for­mas aci­o­na­das por in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al to­mam for­ma, um pos­sí­vel su­ces­sor pa­ra as te­las de to­que e lo­jas de apli­ca­ti­vos atu­ais po­de es­tar co­me­çan­do a en­trar em fo­co. PAU­LO MIGLIACCI

Jus­tin Sullivan - 17.mai.17/Getty Ima­ges/AFP

O pre­si­den­te-exe­cu­ti­vo do Google, Sun­dar Pi­chai, dis­cur­sa no I/O, even­to anu­al da em­pre­sa, em Moun­tain Vi­ew, Ca­li­fór­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.