A CARAVANA PAS­SOU

Em fa­se de ‘pin­daí­ba’, PT le­va me­nos mi­li­tan­tes às ru­as pa­ra apoi­ar Lu­la, que foi de car­ro pa­ra Cu­ri­ti­ba

Folha De S.Paulo - - Poder - DAS ENVIADAS ESPECIAIS A CU­RI­TI­BA JO­SÉ MAR­QUES

DE CU­RI­TI­BA

Em­bo­ra cer­ca­do por es­que­ma de se­gu­ran­ça e com co­ber­tu­ra in­ten­si­va da im­pren­sa, o se­gun­do de­poi­men­to do ex-pre­si­den­te Lu­la ao juiz Ser­gio Mo­ro em Cu­ri­ti­ba foi mar­ca­do por me­nos ten­são —e mo­bi­li­za­ção— do que da pri­mei­ra vez, em maio.

O PT le­vou me­nos mi­li­tan­tes às ru­as de Cu­ri­ti­ba, as­sim co­mo os mo­vi­men­tos pró-Lava Jato. A Po­lí­cia Mi­li­tar re­du­ziu o efe­ti­vo pe­la me­ta­de, em com­pa­ra­ção a maio.

Pou­cas ru­as fo­ram cer­ca­das ao re­dor da se­de da Jus­ti­ça Fe­de­ral, e mes­mo pe­des­tres sem cre­den­ci­a­men­to con­se­gui­am pas­sar por par­te dos blo­quei­os, di­an­te da tran­qui­li­da­de da situação.

Di­ri­gen­tes pe­tis­tas ad­mi­ti­ram o can­sa­ço da mi­li­tân­cia, mas dis­se­ram que o mo­men­to po­lí­ti­co exi­ge me­nos pre­sen­ça de apoi­a­do­res.

O ato com Lu­la te­ve apre­sen­ta­ções cul­tu­rais e até uma au­la pú­bli­ca so­bre a Lava Jato. A ope­ra­ção foi apon­ta­da co­mo res­pon­sá­vel por aca­bar com a in­dús­tria na­val e de cons­tru­ção ci­vil do país e “cau­sar so­fri­men­to a mi­lha­res de fa­mí­li­as bra­si­lei­ras”, se­gun­do o ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça Eu­gê­nio Ara­gão.

“O ide­a­lis­mo é o mes­mo, e o sen­so de in­jus­ti­ça tam­bém”, dis­se Do­ni­ze­ti Go­mes dos San­tos, 59, sin­di­ca­lis­ta que vi­a­jou de Osas­co (SP) até a ca­pi­tal pa­ra­na­en­se.

Em fren­te ao ca­mi­nhão de som, uma fai­xa fa­zia re­fe­rên­cia a 2018, com a fra­se “Elei­ção sem Lu­la é fraude”.

Do ou­tro la­do, em­bo­ra ad­mi­tis­sem que iri­am mo­bi­li­zar pou­cas pes­so­as em fun­ção do horário, gru­pos que pe­dem a con­de­na­ção de Lu­la le­va­ram um bo­ne­co in­flá­vel de “Su­per Mo­ro”, com o juiz re­pre­sen­ta­do co­mo um su­per-ho­mem, che­ga­ram a con­tra­tar um he­li­cóp­te­ro que exi­bia men­sa- gens, co­mo uma pe­din­do “ca­deia a to­dos os cor­rup­tos”.

Lí­der do mo­vi­men­to Cu­ri­ti­ba con­tra Cor­rup­ção, o ana­lis­ta de RH Cris­ti­a­no Ro­ger, 40, dis­se que o gru­po não re­ce­be di­nhei­ro de par­ti­dos e de­fen­deu que to­dos os cor­rup­tos se­jam con­de­na­dos. O pro­tes­to foi ban­ca­do com uma “va­qui­nha”, se­gun­do ele.

Ain­da as­sim, o ato reu­niu pou­co mais de 50 pes­so­as. Do la­do pe­tis­ta, fo­ram 2.500 mi­li­tan­tes, se­gun­do a PM —cer­ca da me­ta­de dos que fo­ram a Cu­ri­ti­ba em maio. A or­ga­ni­za­ção es­ti­ma em 4.000.

Hou­ve mo­men­tos de ten­são: mem­bros do MST (Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Ru­rais sem Ter­ra) fi­ze­ram um cor­dão de iso­la­men­to pa­ra re­ce­ber Lu­la, que foi xin­ga­do por mo­ra­do­res de “bê­ba­do”, “va­ga­bun­do” e “la­drão”.

Mais ce­do, uma mu­lher gri­tou “cor­rup­to” e “vai tra­ba­lhar, va­ga­bun­do” aos sim­pa­ti­zan­tes pe­tis­tas, en­quan­to mos­tra­va o de­do do meio e fa­zia si­nais imi­tan­do as gra­des de uma pri­são. Foi res­pon­di­da aos gri­tos de “co­xi­nha” e “eli­te gol­pis­ta”.

No ato com Lu­la, após o de­poi­men­to, um ovo foi jo­ga­do so­bre o car­ro de som, mas nin­guém foi atin­gi­do. O ex­pre­si­den­te ain­da não ha­via che­ga­do ao lo­cal.

Mais tar­de, um pe­des­tre cha­mou os ma­ni­fes­tan­tes de la­drões e foi cer­ca­do e em­pur­ra­do por al­guns de­les. A PM in­ter­veio e se­pa­rou os gru­pos.

Se­gun­do a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, não hou­ve re­gis­tro de con­fron­tos ou agres­sões. Os atos pró e con­tra Lu­la ocor­re­ram a pe­lo me­nos dois quilô­me­tros de dis­tân­cia, em um pe­rí­me­tro acer­ta­do com a po­lí­cia.

As gra­des que for­ma­vam o pe­rí­me­tro de se­gu­ran­ça em tor­no da se­de da Jus­ti­ça fo­ram des­mon­ta­das após o de­poi­men­to, por vol­ta das 16h30. Car­ros e pe­des­tres vol­ta­ram a cir­cu­lar nor­mal­men­te.

O pe­tis­ta, de­nun­ci­a­do no­ve ve­zes na Jus­ti­ça, in­si­nu­ou em dis­cur­so que te­rá de vol­tar mais ve­zes ao Pa­ra­ná. “Não sei quan­tos pro­ces­sos eu te­nho. Cu­ri­ti­ba, aqui, é mui­to per­to. Não sei se eles vão can­sar. Eu não vou can­sar.” ‘PIN­DAÍ­BA’ O ex-pre­si­den­te vi­a­jou de car­ro de São Pau­lo a Cu­ri­ti­ba pa­ra pou­par gas­tos com trans­por­te aé­reo, já que pre­ci­sa co­brir des­pe­sas com com­bus­tí­vel e tri­pu­la­ção mes­mo qu­an­do a ae­ro­na­ve é ce­di­da.

Há dois anos sem re­ce­ber do­a­ções de em­pre­sas, o PT mon­tou es­tru­tu­ra mais tí­mi­da. Se em maio o par­ti­do mon­tou um am­plo pa­lan­que, des­ta vez o dis­cur­so de Lu­la foi em um car­ro de som.

O nú­me­ro de di­ri­gen­tes pe­tis­tas que vi­a­ja­ram à ca­pi­tal pa­ra­na­en­se tam­bém foi bem me­nor. Da ou­tra vez, to­da a exe­cu­ti­va do par­ti­do acom­pa­nhou o pe­tis­ta. Ago­ra, ape­nas seis mem­bros da cúpula es­pe­ra­vam pe­lo ex-pre­si­den­te na saí­da do de­poi­men­to. Eles fi­ca­ram hos­pe­da­dos em um ho­tel mais sim­ples.

Che­fe de ga­bi­ne­te da pre­si­dên­cia do PT, o ex-mi­nis­tro Gil­ber­to Carvalho ad­mi­te que o par­ti­do vi­ve “uma pin­daí­ba”. “E vai cor­tar mui­to mais”, diz ele.

ENVIADO ES­PE­CI­AL A POR­TO ALE­GRE

A mai­o­ria da oi­ta­va tur­ma do TRF (Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral) da 4ª Re­gião, em Por­to Ale­gre, vo­tou nes­ta quar­ta-fei­ra (13) pe­lo au­men­to da pe­na que o juiz Ser­gio Mo­ro apli­cou con­tra o ex-mi­nis­tro Jo­sé Dir­ceu.

Em maio do ano pas­sa­do, Dir­ceu foi con­de­na­do por ele a 20 anos e dez me­ses de pri­são pe­los cri­mes de la­va­gem de di­nhei­ro, cor­rup­ção pas­si­va e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa.

Dos três juí­zes que com­põem a oi­ta­va tur­ma, dois con­si­de­ram que a pe­na de Dir­ceu de­ve ser au­men­ta­da: o re­la­tor João Pe­dro Ge­bran Ne­to (pa­ra 41 anos e qua­tro me­ses) e o re­vi­sor Le­an­dro Paul­sen (pa­ra 27 anos, 4 me­ses e 20 di­as).

O ter­cei­ro ma­gis­tra­do, Vic­tor Luiz dos San­tos Laus, dis­se que ti­nha dú­vi­das so­bre o pro­ces­so e pe­diu vis­ta.

O ad­vo­ga­do de Dir­ceu, Ro­ber­to Pod­val, afir­mou que o pro­ces­so não se en­cer­ra no TRF.

Mes­mo se con­de­na­do em se­gun­da ins­tân­cia, a de­fe­sa do ex-mi­nis­tro ain­da po­de re­cor­rer ao pró­prio tri­bu­nal. En­tão, o pro­ces­so vol­ta a Mo­ro pa­ra a de­ter­mi­na­ção de pri­são.

No pro­ces­so, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co acu­sa Jo­sé Dir­ceu de ter re­ce­bi­do R$ 10 mi­lhões em pro­pi­nas da En­ge­vix por meio de con­tra­tos su­per­fa­tu­ra­dos com a di­re­to­ria de Ser­vi­ços da Pe­tro­bras, e es­sas pro­pi­nas eram trans­fe­ri­das pa­ra o PT, cu­jo te­sou­rei­ro era João Vac­ca­ri Ne­to.

A prin­ci­pal di­ver­gên­cia do jul­ga­men­to foi em re­la­ção a Vac­ca­ri, tam­bém réu no pro­ces­so.

Em ação an­te­ri­or, o ex-te­sou­rei­ro foi ab­sol­vi­do pe­la tur­ma por­que os ma­gis­tra­dos en­ten­de­ram que não ha­via pro­vas no pro­ces­so con­tra ele, ape­nas pa­la­vras de de­la­to­res.

Ge­bran era o úni­co que dis­cor­da­va da ab­sol­vi­ção no pro­ces­so an­te­ri­or, e vol­tou a dis­cor­dar ago­ra: vo­tou por uma pe­na de 40 anos de pri­são con­tra Vac­ca­ri.

Pa­ra con­de­nar Vac­ca­ri, o re­la­tor ar­gu­men­tou que há de­poi­men­tos de de­la­to­res que apre­sen­tam “cor­ro­bo­ra­ção mú­tua”. O re­vi­sor Le­an­dro Paul­sen dis­cor­dou.

O ad­vo­ga­do do ex-te­sou­rei­ro, Luiz Flá­vio Bor­ges D’Ur­so, dis­se em no­ta após o pe­di­do de vis­ta que Vac­ca­ri e a de­fe­sa “rei­te­ram que con­ti­nu­am a acre­di­tar na Jus­ti­ça bra­si­lei­ra”.

Fo­tos Marlene Bergamo/Fo­lha­press

Lu­la ao la­do da se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann (à esq.), do ex-mi­nis­tro Ale­xan­dre Pa­di­lha (de ver­me­lho) e de ou­tros apoi­a­do­res, ao che­gar ao de­poi­men­to

Bo­ne­co em pro­tes­to mos­tra juiz Mo­ro co­mo su­per-ho­mem

Theo Mar­ques/Fra­mepho­to/Fo­lha­press

Mem­bros de mo­vi­men­tos so­ci­ais e do PT no ato pró-Lu­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.