Ini­mi­za­de ca­pi­tal

Folha De S.Paulo - - Poder -

A PRI­MEI­RA sur­pre­sa, na ses­são des­ta quar­ta (13) do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, veio do mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es, ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça de Mi­chel Te­mer, ti­do co­mo seu ali­a­do até ago­ra.

Tam­bém ele re­jei­tou o pe­di­do de An­to­nio Cláu­dio Ma­riz de Oli­vei­ra, ad­vo­ga­do de Te­mer, no sen­ti­do de con­si­de­rar Ro­dri­go Ja­not “sus­pei­to” pa­ra apre­sen­tar in­ves­ti­ga­ções e de­nún­ci­as con­tra o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Foi um mas­sa­cre —do qual não par­ti­ci­pou Gil­mar Men­des, o mais fer­re­nho crí­ti­co do pro­cu­ra­dor­ge­ral da Re­pú­bli­ca no STF.

A ques­tão não era di­fí­cil. Um juiz, e por ex­ten­são, um mem­bro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, podem ser con­si­de­ra­dos sus­pei­tos ou im­pe­di­dos de par­ti­ci­par num pro­ces­so. A lei pre­vê con­di­ções cla­ras pa­ra que is­so acon­te­ça.

Mas qual lei? A única di­ver­gên­cia en­tre os mi­nis­tros se abriu nes­se pon­to. Pa­ra o re­la­tor do ca­so, Ed­son Fa­chin, ques­tões so­bre o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca de­vem ser re­gu­la­das pe­lo re­gi­men­to in­ter­no do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Mas a mai­o­ria do STF con­si­de­rou que a lei a ser se­gui­da é o pró­prio Có­di­go do Pro­ces­so Pe­nal.

Ali, es­tá es­ta­be­le­ci­do que será “im­pe­di­do” o juiz ou o pro­mo­tor que, por exem­plo, for pa­ren­te ou côn­ju­ge do réu, ou que já ti­ver atu­a­do no pro­ces­so em ou­tra oca­sião, co­mo ad­vo­ga­do ou juiz em di­fe­ren­te ins­tân­cia.

“Sus­pei­ção” é ma­té­ria um pou­co mais sub­je­ti­va. Se­ria ne­ces­sá­rio ver in­dí­ci­os de “ami­za­de ín­ti­ma” ou “ini­mi­za­de ca­pi­tal” en­tre acu­sa­do e acu­sa­dor, en­tre réu e juiz. Tam­bém se le­van­ta a even­tu­a­li­da­de de um juiz ou pro­mo­tor te­rem acon­se­lha­do o pos­sí­vel réu so­bre co­mo se con­du­zir no pro­ces­so.

Pa­ra a de­fe­sa de Te­mer, exis­ti­am es­ses dois mo­ti­vos. Ja­not per­se­gue Te­mer; fa­lou, por exem­plo, nas “fle­cha­das” que es­ta­va dis­pos­to a des­fe­rir con­tra ele.

Só uma me­tá­fo­ra, con­si­de­ra­ram os mi­nis­tros do STF. Ja­not es­ta­va di­zen­do ape­nas que, en­quan­to hou­ver ele­men­tos e evi­dên­ci­as de cri­me, con­ti­nu­a­rá exer­cen­do sua fun­ção cons­ti­tu­ci­o­nal.

De res­to, era uma fra­se que se po­de apli­car a qual­quer sus­pei­to; não vi­sa­va a pes­soa es­pe­cí­fi­ca de Mi­chel Te­mer.

Ha­via ou­tro ar­gu­men­to: um su­bor­di­na­do de Ja­not, An­sel­mo Lo­pes, te­ria da­do con­se­lhos à de­fe­sa de Jo­es­ley Ba­tis­ta so­bre co­mo fa­zer um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da.

No­va­men­te o ple­ná­rio do STF con­si­de­rou o ar­gu­men­to in­su­fi­ci­en­te. A sus­pei­ção te­ria de in­ci­dir so­bre o com­por­ta­men­to in­di­vi­du­al de Ja­not, que não tem co­mo res­pon­der, nes­se ca­so, pe­lo que seus as­ses­so­res fa­çam ou dei­xem de fa­zer. De res­to, o ar­gu­men­to se ba­se­a­va ape­nas em ma­té­ria jor­na­lís­ti­ca.

Por mais que se qui­ses­se cri­ti­car Ja­not, não ha­ve­ria co­mo acei­tar o pe­di­do de sus­pei­ção.

Res­ta­va um se­gun­do re­cur­so apre­sen­ta­do pe­la de­fe­sa de Te­mer —e tam­bém por Ce­zar Bit­ten­court, ad­vo­ga­do de Ro­dri­go Ro­cha Lou­res.

Con­tes­ta­va-se to­do o acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da dos do­nos da J&F. Pa­ra a de­fe­sa de Te­mer, se­ria ne­ces­sá­rio que o STF de­ter­mi­nas­se a sus­pen­são de qual­quer no­va de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te. Era ne­ces­sá­rio in­ves­ti­gar, por exem­plo, as li­ga­ções de Marcelo Mil­ler, na épo­ca as­ses­sor de Ja­not, com Jo­es­ley.

O ad­vo­ga­do de Ro­cha Lou­res foi mais lon­ge, in­sis­tin­do na te­se de que to­da a con­ver­sa en­tre Jo­es­ley e Te­mer, no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru, não pas­sa­va de ar­ma­ção.

Foi Marco Aurélio Mel­lo quem re­a­giu mais vi­va­men­te. Nun­ca vi, dis­se ele, al­guém pe­dir ao STF que im­pe­ça fu­tu­ras ações do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Gil­mar Men­des con­tra­dis­se o seu co­le­ga.

Ma­riz de Oli­vei­ra dis­se que não que­ria im­pe­dir nin­guém de atu­ar, mas ape­nas que, nu­ma even­tu­al de­nún­cia, o STF a re­jei­tas­se ca­so as cir­cuns­tân­ci­as da de­la­ção não ti­ves­sem si­do in­ves­ti­ga­das a fun­do.

Co­mo con­tes­tar as pro­vas de uma acu­sa­ção, an­tes mes­mo que es­ta se­ja for­ma­li­za­da? Se­ria es­ta a ho­ra ade­qua­da pa­ra es­se de­ba­te? A ses­são foi sus­pen­sa, com es­sa per­gun­ta no ar.

Por mais que se qui­ses­se cri­ti­car Ro­dri­go Ja­not, não ha­ve­ria co­mo acei­tar o pe­di­do de sus­pei­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.