É pre­ci­so im­por frei­os à ca­pa­ci­da­de atô­mi­ca do pre­si­den­te

Folha De S.Paulo - - Mundo - JEFFREY BADER JONATHAN D. POLLACK

Pe­la pri­mei­ra vez nes­ta ge­ra­ção há an­si­e­da­de ge­ne­ra­li­za­da so­bre a pos­si­bi­li­da­de de uma guer­ra nu­cle­ar, es­ti­mu­la­da pe­las ten­sões ex­tre­mas en­tre Co­reia do Nor­te e EUA.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do Rex Til­ler­son tran­qui­li­zou os nor­te-ame­ri­ca­nos di­zen­do que po­de­ri­am dor­mir sos­se­ga­dos, um ti­po de ga­ran­tia que a mai­o­ria pro­va­vel­men­te nem gos­ta­ria de pre­ci­sar ou­vir.

Til­ler­son ofe­re­ceu o con­se­lho pa­ra ten­tar di­mi­nuir o fu­ror da im­pren­sa em re­la­ção às ame­a­ças tro­ca­das en­tre Pyongyang e Washing­ton. Su­as pa­la­vras tam­bém re­fle­tem o pro­fun­do des­con­for­to com o tem­pe­ra­men­to e (fal­ta de) juí­zo dos dois lí­de­res que podem co­me­çar uma guer­ra, Do­nald Trump e Kim Jong-un.

Tan­to um co­mo ou­tro dão im­pres­são de achar que podem se im­por e in­ti­mi­dar com ame­a­ças gra­vís­si­mas. O pro­ble­ma é que as pa­la­vras têm con­sequên­ci­as que ne­nhum dos dois pa­re­ce per­ce­ber.

Será que de­ve­mos vi­ver em um mun­do em que dois lí­de­res se ve­em às vol­tas com o ho­lo­caus­to nu­cle­ar?

O em­pe­nho dos nor­te-co­re­a­nos pa­ra a ob­ten­ção de ar­mas nu­cle­a­res ob­vi­a­men­te exi­ge uma po­lí­ti­ca de con­ten­ção e dis­su­a­são mui­to mais ex­plí­ci­ta por par­te dos EUA e de seus ali­a­dos, de mo­do a im­pe­dir que Kim as­su­ma op­ções ain­da mais ar­ris­ca­das.

Mas o que po­de ser fei­to pa­ra res­trin­gir as ações de um pre­si­den­te ame­ri­ca­no cu­ja es­ta­bi­li­da­de men­tal já vem sen­do ques­ti­o­na­da até pe­lo re­pu­bli­ca­no que pre­si­de o Co­mi­tê de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res do Se­na­do, Bob Cor­ker?

Pa­ra li­mi­tar as chan­ces de um con­fli­to qua­se ini­ma­gi­ná­vel, é pre­ci­so ba­ta­lhar por um pa­li­a­ti­vo le­gis­la­ti­vo que já de­ve­ria ter si­do im­plan­ta­do.

Se­gun­do a Cons­ti­tui­ção dos EUA, so­men­te o Con­gres­so po­de de­cla­rar guer­ra; ape­sar dis­so, nos inú­me­ros con­fli­tos em que o país se en­vol­veu des­de a Se­gun­da Guer­ra (1939-45), ne­nhum pre­si­den­te pe­diu es­sa au­to­ri­za­ção.

O prin­ci­pal mo­ti­vo? As ar­mas nu­cle­a­res. Um acor­do tá­ci­to re­za­va que o pre­si­den­te pre­ci­sa­va da mai­or fle­xi­bi­li­da­de pos­sí­vel pa­ra re­a­gir a um ata­que so­vié­ti­co, e o en­vol­vi­men­to do Con­gres­so acar­re­ta­ria atra­sos em um mo­men­to de cri­se. As­sim, o co­man­dan­te-em-che­fe sem­pre te­ve po­de­res ili­mi­ta­dos pa­ra de­cla­rar guer­ra, in­cluin­do ata­ques nu­cle­a­res.

En­tre­tan­to, os es­tra­te­gis­tas per­ce­be­ram o ris­co de per­mi­tir que um úni­co agen­te, em um si­lo em Da­ko­ta do Nor­te, pro­va­vel­men­te sob as con­di­ções mais es­tres­san­tes ima­gi­ná­veis, lan­ce um ata­que des­sa mag­ni­tu­de —e é por is­so que o sis­te­ma de co­man­do e con­tro­le exi­ge uma ope­ra­ção com du­as cha­ves, que de­vem ser aci­o­na­das si­mul­ta­ne­a­men­te, por du­as pes­so­as, pa­ra ati­var o lan­ça­men­to.

Já es­tá mais do que na ho­ra de in­tro­du­zir pro­te­ções se­me­lhan­tes no Exe­cu­ti­vo.

As cir­cuns­tân­ci­as es­tra­té­gi­cas en­fren­ta­das pe­los EUA ho­je são di­fe­ren­tes das que exis­ti­am du­ran­te a Guer­ra Fria: ape­sar da mai­or ten­são, de­sen­ca­de­a­da pe­lo re­van­chis­mo rus­so na Ucrâ­nia e em pon­tos da Eu­ro­pa Cen­tral e Ori­en­tal, o ris­co de uma guer­ra nu­cle­ar vem de lí­de­res ma­lin­ten­ci­o­na­dos, com a Co­reia do Nor­te no to­po da lis­ta.

E pro­mes­sas pre­si­den­ci­ais, qua­se ca­su­ais, de “fo­go e fú­ria” ge­ra­ram cir­cuns­tân­ci­as ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­sas.

Os EUA não de­vem, em ab­so­lu­to, di­mi­nuir sua ca­pa­ci­da­de de re­a­gir a uma in­ves­ti­da con­ven­ci­o­nal ou nu­cle­ar da Co­reia do Nor­te con­tra seu ter­ri­tó­rio ou o de um de seus ali­a­dos; en­tre­tan­to, é pre­ci­so ins­tau­rar um sis­te­ma de res­tri­ções pa­ra ga­ran­tir que um ata­que nu­cle­ar pre­ven­ti­vo se­ja ava­li­a­do em um pro­ces­so de­li­be­ra­ti­vo e cui­da­do­so.

O Con­gres­so de­ve re­vi­sar a lei que re­ge os po­de­res de guer­ra pa­ra in­cluir a pos­si­bi­li­da­de de ata­ques nu­cle­a­res pre­ven­ti­vos, o que im­pe­di­ria o pre­si­den­te de sim­ples­men­te for­ne­cer os có­di­gos ao as­ses­sor mi­li­tar que car­re­ga a “ma­le­ta” nu­cle­ar e agir se­gun­do sua au­to­ri­da­de.

A lei de­ve pre­ver que um pe­que­no gru­po, in­cluin­do o vi­ce-pre­si­den­te, o Se­cre­tá­rio de De­fe­sa, o che­fe do Es­ta­doMai­or Con­jun­to e os qua­tro lí­de­res do Con­gres­so e do Se­na­do, con­sin­ta de ma­nei­ra unâ­ni­me. As­sim, di­ver­sos in­di­ví­du­os de olhos aten­tos, emo­ções es­tá­veis e cé­re­bros sãos po­de­ri­am im­pe­dir uma ca­tás­tro­fe re­sul­tan­te da fal­ta de de­li­be­ra­ção ade­qua­da.

A pro­pos­ta le­van­ta ques­tões cons­ti­tu­ci­o­nais com­ple­xas; to­dos os go­ver­nos até ho­je con­si­de­ra­ram a lei dos po­de­res de guer­ra in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Dar a pes­so­as in­di­ca­das pe­lo pre­si­den­te e su­jei­tas às su­as or­dens o po­der de ve­to for­mal so­bre decisões mi­li­ta­res po­de ser pro­ble­má­ti­co e abrir pre­ce­den­tes pe­ri­go­sos —e nes­te ca­so li­mi­tar o po­de­rio à liderança do Con­gres­so se­ria a melhor op­ção.

Mes­mo na Guer­ra Fria ha­via ris­co imen­so de ce­der a uma única pes­soa a au­to­ri­da­de de ma­tar mi­lhões em pou­cos se­gun­dos. Não há o que jus­ti­fi­que per­mi­tir que um pre­si­den­te ame­ri­ca­no re­te­nha a au­to­ri­da­de ab­so­lu­ta em cir­cuns­tân­ci­as com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes da Guer­ra Fria.

A ga­ran­tia de que o ar­ma­men­to nu­cle­ar con­ti­nua a ser o úl­ti­mo re­cur­so pos­sí­vel, a ser le­va­do em con­ta so­men­te após o con­sen­ti­men­to dos lí­de­res do Exe­cu­ti­vo e do Con­gres­so, tam­bém acal­ma­ria os ali­a­dos dos EUA, in­co­mo­da­dos com a men­ção in­con­se­quen­te de ar­mas nu­cle­a­res.

Is­so não sig­ni­fi­ca que Trump ali­men­te o de­se­jo de lan­çar um ata­que nu­cle­ar; en­tre­tan­to, os EUA têm que agir com pru­dên­cia ao li­dar com um Es­ta­do ad­ver­sá­rio iso­la­do. No que lhe diz res­pei­to, o Con­gres­so tem po­der de im­pe­dir re­a­ções ime­di­a­tas e im­pul­si­vas que pos­sam le­var a um con­fli­to mun­di­al. Jeffrey Bader D. Pollack Jonathan

An­drew Har­rer-11.set.17/Zu­ma Press/Xi­nhua

Do­nald Trump dis­cur­sa em ce­rimô­nia do 11 de Se­tem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.