Chi­na anun­cia ex­pan­são do uso do eta­nol

Em pla­no con­tra emis­sões de po­lu­en­tes, Pe­quim quer le­var pa­ra to­do o ter­ri­tó­rio ga­so­li­na com 10% de ál­co­ol

Folha De S.Paulo - - Mercado -

Ideia é usar ex­ce­den­te de mi­lho pa­ra fa­bri­car bi­o­com­bus­tí­vel, mas se­tor de ca­na do Bra­sil vê tam­bém opor­tu­ni­da­de

O go­ver­no chi­nês anun­ci­ou nes­ta quar­ta-fei­ra (13) que pre­ten­de ex­pan­dir o uso da ga­so­li­na E10, que pos­sui 10% de eta­nol, em to­do o seu ter­ri­tó­rio até 2020.

Tra­ta-se da pri­mei­ra de­fi­ni­ção for­mal de cro­no­gra­ma de um pla­no mais abran­gen­te pa­ra re­du­zir a emis­são de po­lu­en­tes e ao mes­mo tem­po im­pul­si­o­nar a de­man­da do ex­ce­den­te de mi­lho na Chi­na.

O pro­je­to é vis­to co­mo uma re­vo­lu­ção pa­ra a no­va in­dús­tria de bi­o­com­bus­tí­veis chi­ne­sa. Os bi­o­com­bus­tí­veis es­tão re­le­ga­dos a um pa­ta­mar mí­ni­mo na Chi­na, o mai­or mer­ca­do au­to­mo­bi­lís­ti­co do pla­ne­ta, on­de re­pre­sen­tam só 1% do vo­lu­me de pro­du­tos pe­tro­lei­ros con­su­mi­dos.

“Vão cir­cu­lar mais re­cur­sos de in­ves­ti­do­res in­ter­nos e es­tran­gei­ros”, dis­se Li Qi­ang, da con­sul­to­ria JC In­tel­li­gen­ce, que pre­vê mais de dez pro­je­tos de in­dús­tri­as de eta­nol no cin­tu­rão do mi­lho do nor­des­te da Chi­na.

Ape­sar do viés di­re­ci­o­na­do ao mi­lho, a Uni­ca (União da In­dús­tria de Ca­na de Açú­car) pre­vê re­fle­xos po­si­ti­vos tam­bém pa­ra o mer­ca­do pro­du­tor bra­si­lei­ro.

“Eles não vão fa­zer um pro­gra­ma que vai de­pen­der de im­por­ta­ções, pe­la pró­pria se­gu­ran­ça ener­gé­ti­ca, mas po­de­mos ser par­te do su­pri­men­to des­sa ofer­ta que eles vão de­man­dar nos pró­xi­mos anos, se re­al­men­te em­bar­ca­rem num pro­je­to de mais lon­go prazo”, diz Edu­ar­do Leão, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da Única.

“Ho­je, 90% do con­su­mo se dá no Bra­sil, nos EUA e na União Eu­ro­peia, en­tão é mui­to po­si­ti­vo ter ou­tro gran­de mer­ca­do, co­mo a Chi­na, ca­mi­nhan­do pa­ra um pro­gra­ma des­ta mag­ni­tu­de.” MI­LHO O do­cu­men­to di­vul­ga­do pe­lo NDCR, ór­gão de pla­ne­ja­men­to econô­mi­co, in­di­ca que, “até o fim de 2025, [o país] de­ve­rá co­me­çar a pro­du­zir em gran­de es­ca­la eta­nol à ba­se de ce­lu­lo­se [ma­té­ria ve­ge­tal] e a melhorar su­as tec­no­lo­gi­as pa­ra al­can­çar os pa­drões in­ter­na­ci­o­nais”.

A me­ta é re­du­zir a emis­são de ga­ses que pro­vo­cam efei­to es­tu­fa pa­ra di­mi­nuir a po­lui­ção nas gran­des ci­da­des, mas tam­bém “um melhor uso das pro­du­ções agrí­co­las ven­ci­das ou ex­ce­den­tes”.

O eta­nol po­de ser pro­du­zi­do a par­tir de ca­na de açú­car, mas tam­bém do mi­lho. A Chi­na tem um ex­ce­den­te do ce­re­al em su­as re­ser­vas ava­li­a­do em mais de 200 mi­lhões de to­ne­la­das.

No lon­go prazo, o país tem ou­tros in­su­mos em vis­ta pa­ra os bi­o­com­bus­tí­veis.

“A Chi­na pro­duz ao ano mais de 400 mi­lhões de re­sí­du­os ve­ge­tais de pa­lha ou sil­vi­cul­tu­ra, 30% po­de­ri­am ser usa­dos pa­ra pro­du­zir 20 mi­lhões de to­ne­la­das de bi­o­com­bus­tí­veis”, diz o go­ver­no.

O anún­cio vem pou­cos di­as de­pois de Pe­quim in­for­mar que es­tu­da proi­bir a pro­du­ção e a ven­da de au­to­mó­veis mo­vi­dos a com­bus­tí­veis fós­seis. JOANA CU­NHA,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.