Pe­ça de mar­ke­ting ruim, fil­me omi­te fa­tos fun­da­men­tais

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - GUI­LHER­ME BOULOS

FO­LHA

Qu­an­do o ne­ces­sá­rio com­ba­te à cor­rup­ção é trans­for­ma­do nu­ma nar­ra­ti­va in­fan­til do bem con­tra o mal, co­mo ocor­re em “Po­lí­cia Fe­de­ral - A Lei É Pa­ra To­dos”, ce­do ou tar­de vem a des­con­fi­an­ça. De­pois de três anos, não co­la mais a ver­são de que a Lava Jato re­pre­sen­ta a sal­va­ção na­ci­o­nal, en­quan­to Lu­la e o PT são o mal a ser com­ba­ti­do. No en­tan­to, é pre­ci­sa­men­te is­so que o fil­me ten­ta nos ven­der.

Os de­le­ga­dos da PF são re­tra­ta­dos co­mo he­róis que agem por al­gum ide­al su­pe­ri­or. Ser­gio Mo­ro é apre­sen­ta­do co­mo juiz equi­li­bra­do e im­par­ci­al. Na ce­na que pre­ce­de a con­du­ção co­er­ci­ti­va de Lu­la, ele ques­ti­o­na se a ação “é mes­mo ne­ces­sá­ria”. Em se­gui­da, ori­en­ta os de­le­ga­dos a “pro­te­ger a ima­gem do ex­pre­si­den­te”. Nes­sa nem a ve­lhi­nha de Tau­ba­té acre­di­ta.

A ope­ra­ção de iden­ti­fi­ca­ção sub­je­ti­va com os pro­ta­go­nis­tas da Lava Jato pas­sa ain­da por téc­ni­cas pri­má­ri­as. So­mos le­va­dos a acom­pa­nhar o dra­ma fa­mi­li­ar de Ju­lio —que re­pre­sen­ta o de­le­ga­do Már­cio An­sel­mo— com seus pais. Do ou­tro la­do, Lu­la é apre­sen­ta­do co­mo um ti­po an­ti­pá­ti­co e ar­ro­gan­te. A hu­ma­ni­za­ção foi se­le­ti­va.

Ou­tro pon­to dig­no de no­ta é ape­lo a cli­chês de pro­gra­mas po­li­ci­ais de fim de tar­de: “A gen­te pren­de, eles sol­tam”, diz de­le­ga­da Bia.

A sín­te­se po­lí­ti­ca do fil­me es­tá na ques­tão re­pe­ti­da de “quem co­lo­cou o ja­bu­ti em ci­ma da ár­vo­re”, ou se­ja, os res­pon­sá­veis úl­ti­mos pe­lo es­que­ma. Não há qual­quer am­bi­gui­da­de na res­pos­ta apre­sen­ta­da: Lu­la e Dil­ma. Os dois acon­te­ci­men­tos cen­trais são a con­du­ção co­er­ci­ti­va de Lu­la e o im­pe­di­men­to de sua pos­se co­mo mi­nis­tro. Es­te é su­ge­ri­do co­mo o ato que sal­vou a Lava Jato. De­ci­di­da­men­te é uma pe­ça an­ti-Lu­la.

As crí­ti­cas à ope­ra­ção são tra­ta­das de for­ma es­te­re­o­ti­pa­da, com as­so­ci­a­ções à vol­ta da di­ta­du­ra ou à tor­tu­ra. Não há re­fe­rên­cia aos ques­ti­o­na­men­tos so­bre os ex­ces­sos ju­di­ci­ais, a re­la­ção pro­mís­cua com se­to­res da mí­dia e a po­li­ti­za­ção da ope­ra­ção.

Quem as­sis­te ao fil­me tam­bém não en­con­tra ex­pli­ca­ção de por que ne­nhum tu­ca­no foi pre­so na Lava Jato. Aliás, o per­so­na­gem prin­ci­pal, o de­le­ga­do Ivan, é o sím­bo­lo da isen­ção, che­gan­do in­clu­si­ve a se ques­ti­o­nar se não se­ri­am eles o ja­bu­ti so­bre a ár­vo­re. Lo­go ele, que re­pre­sen­ta Igor Ro­má­rio de Pau­la, de­le­ga­do que de­cla­rou apoio a Aé­cio Ne­ves e tra­tou a pri­são de Lu­la co­mo uma ques­tão de “ti­ming”.

Não há pro­ble­ma em um fil­me pro­pa­gan­de­ar uma ideia. Mas, qu­an­do pre­ten­de re­la­tar fa­tos re­ais, es­pe­ra-se ao me­nos que não omi­ta fa­tos fun­da­men­tais. A Lava Jato in­ter­ro­gou João San­ta­na du­ran­te me­ses. Po­de­ria ter pe­di­do con­se­lhos. Mes­mo uma pe­ça de mar­ke­ting pre­ci­sa ter boa qua­li­da­de. GUI­LHER­ME BOULOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.