No­vo ‘Star Trek’ ado­ta for­ma no­ve­les­ca pa­ra ga­nhar fãs

Ar­cos dra­má­ti­cos mais lon­gos agra­dam pro­du­to­res, que não que­rem se li­mi­tar a um for­ma­to en­ges­sa­do de epi­só­dio

Folha De S.Paulo - - Ilustrada -

1966-69 Star Trek (Jor­na­da nas Es­tre­las) Era uma mis­são de cin­co anos, se­gun­do a aber­tu­ra da sé­rie, mas a NBC cor­tou a ver­ba do pro­gra­ma após três. Nos anos se­guin­tes, se tor­nou a re­pri­se de mai­or au­di­ên­cia nos Es­ta­dos Uni­dos, o que mo­ti­vou a Pa­ra­mount, dona dos di­rei­tos, a in­ves­tir em uma sé­rie de fil­mes

Te­má­ti­ca bé­li­ca des­toa do oti­mis­mo tra­di­ci­o­nal da fran­quia, mas sé­rie ten­ta ga­nhar ‘trek­kers’ com nar­ra­ti­va co­e­ren­te

Na ten­ta­ti­va de ga­nhar no­vos fãs, “Star Trek: Dis­co­very” con­ta uma his­tó­ria que se de­sen­vol­ve gra­du­al­men­te, com ar­cos dra­má­ti­cos que du­ram dois ou três epi­só­di­os.

Nas edi­ções an­te­ri­o­res da fran­quia, o mais co­mum era 1987-94 Star Trek: A No­va Ge­ra­ção Veio en­tão a “No­va Ge­ra­ção”, a mais bem-su­ce­di­da edi­ção em au­di­ên­cia, com um pon­ta­pé ini­ci­al de Ge­ne Rod­den­ber­ry, cri­a­dor da sé­rie clás­si­ca. A sé­rie foi can­ce­la­da qu­an­do a Pa­ra­mount achou que de­ve­ria vol­tar a in­ves­tir em ci­ne­ma, des­sa vez, com o elen­co da “No­va Ge­ra­ção” con­tar ape­nas uma his­tó­ria por epi­só­dio —a que mais se apro­xi­ma de uma tra­ma con­tí­nua é “De­ep Spa­ce Ni­ne”.

Des­de a dé­ca­da de 1990, a sa­ga ten­ta sair das amar­ras da “lei de [Ge­ne] Rod­den­ber­ry”, cri­a­dor da fran­quia, que proi­bia os ro­tei­ris­tas de co­lo­car os per­so­na­gens em opo­si­ção uns con­tra os ou­tros, o que en­ges­sa­va o en­re­do.

Mas uma gui­na­da no­ve­les­ca tam­bém en­vol­ve um ris­co com os fãs tra­di­ci­o­nais, que podem vê-la com maus olhos.

“Pre­ci­sa­mos de his­tó­ri­as que avan­cem a ca­da ca­pí­tu­lo 1993-99 De­ep Spa­ce Ni­ne A tra­ma acon­te­ce em uma es­ta­ção es­pa­ci­al, não em uma na­ve, um for­ma­to ino­va­dor pa­ra “Star Trek”. Foi a pri­mei­ra a con­tar uma his­tó­ria se­quen­ci­al, di­fe­ren­te das de­mais. O pro­ta­go­nis­ta, Ben­ja­min Sis­ko (Avery Bro­oks), é o co­man­dan­te da es­ta­ção, e vi­ra ca­pi­tão na ter­cei­ra tem­po­ra­da pa­ra que as pes­so­as quei­ram vi­rar a pá­gi­na e con­ti­nu­ar as­sis­tin­do”, diz o pro­du­tor atu­al da sé­rie, Aa­ron Har­berts. “Às ve­zes, pa­ra con­se­guir is­so, é im­por­tan­te ha­ver uma per­da ou uma mor­te.”

Uma des­sas his­tó­ri­as é a car­rei­ra de uma pro­ta­go­nis­ta, que, pe­la pri­mei­ra vez em “Star Trek”, não será a ca­pi­tã da na­ve. É a ofi­ci­al de ci­ên­ci­as Mi­cha­el Bur­nham (So­ne­qua Mar­tin-Gre­en), hu­ma­na cri­a­da por vul­ca­nos.

“Ela es­tá di­vi­di­da en­tre cul­tu­ras. Do pon­to de vis­ta da nar­ra­ti­va, tem que es­co­lher 1995-2001 Voya­ger A pri­mei­ra com uma mu­lher no co­man­do, con­ta a his­tó­ria de uma na­ve que, por aci­den­te, foi pa­rar do ou­tro la­do da ga­lá­xia. Ka­te Mul­grew, que faz o pa­pel da ca­pi­tã Ja­neway, ho­je é co­nhe­ci­da pe­la Red de “Oran­ge is the New Black”. A sé­rie li­de­ra a au­di­ên­cia em re­pri­ses na Net­flix en­tre o la­do ló­gi­co, vul­ca­no, e o la­do emo­ci­o­nal”, diz Mar­tin-Gre­en à Fo­lha. “Spock [o vul­ca­no da sé­rie ori­gi­nal] tam­bém li­da­va com is­so, e eu me es­pe­lhei mui­to ne­le.”

Mas não é a mu­dan­ça de fo­co do pro­ta­go­nis­mo que dei­xa os fãs an­si­o­sos, e sim a te­má­ti­ca bé­li­ca. “Os fãs ve­em ‘Star Trek’ co­mo uma sé­rie oti­mis­ta, mos­tran­do o melhor da hu­ma­ni­da­de, en­tão es­sa é uma gran­de pre­o­cu­pa­ção”, diz o co­lu­nis­ta da Fo­lha Sal­va­dor No­guei­ra.

Aa­ron Har­berts afir­ma que a sé­rie não será dis­tó­pi­ca, só 2001-05 En­ter­pri­se A sé­rie se pas­sa no séc. 22, o mais pró­xi­mo da atu­a­li­da­de que já se che­gou na sa­ga, e con­ta a his­tó­ria dos anos ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­o­res à fun­da­ção da Fe­de­ra­ção Uni­da de Pla­ne­tas. Foi can­ce­la­da pe­la Pa­ra­mount de­vi­do à bai­xa au­di­ên­cia um pou­co mais “bru­ta”. “Co­mo se pas­sa du­ran­te a guer­ra, tem um es­ti­lo de fo­to­gra­fia di­fe­ren­te. Ela é mais ás­pe­ra, mas não é som­bria.”

Os klin­gons, nes­se con­tex­to, são uma me­tá­fo­ra po­lí­ti­ca que ser­ve pa­ra en­ten­der os Es­ta­dos Uni­dos, diz Har­berts.

“Pa­ra en­ten­der os klin­gons, é só olhar pa­ra os EUA. Qual a ló­gi­ca de um país que­rer se iso­lar? O que mo­ti­va o de­se­jo por pu­re­za ra­ci­al?”.

Pa­ra não de­sa­gra­dar os fãs, a pro­du­ção man­te­ve re­fe­rên­ci­as à es­té­ti­ca dos anos 1960, da sé­rie ori­gi­nal, já que “Dis­co­very” 2017 Dis­co­very Par­ce­ria en­tre Net­flix e CBS, será a pri­mei­ra trans­mi­ti­da ex­clu­si­va­men­te via stre­a­ming. A pro­ta­go­nis­ta Mi­cha­el Bur­nham (So­ne­qua Mar­tin-Gre­en), é ofi­ci­al de ci­ên­ci­as da Dis­co­very, o que des­toa do for­ma­to tra­di­ci­o­nal, que pri­o­ri­za­va os ca­pi­tães se pas­sa lo­go an­tes, e con­tra­tou ro­tei­ris­tas “ob­ce­ca­dos pe­la co­e­rên­cia do câ­no­ne”, se­gun­do Isa­acs.

Os co­mu­ni­ca­do­res e ar­mas são qua­se idên­ti­cos aos usa­dos pe­la tri­pu­la­ção de Kirk, e a na­ve tem uma de­co­ra­ção com ân­gu­los re­tos, bo­tões qua­dra­dos nos pai­néis e co­res em dou­ra­do, co­bre e fer­ru­gem, um to­que re­trô na dé­ca­da de 2250. (NATÁLIA PORTINARI) NA IN­TER­NET Star Trek: Dis­co­very Qu­an­do 25 de se­tem­bro, na Net­flix

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.