Mu­seus con­tam a his­tó­ria de car­ros de lu­xo na Itá­lia

Fer­ra­ri e Lam­borghi­ni man­têm ex­po­si­ções pa­ra afi­ci­o­na­dos em Mo­de­na

Folha De S.Paulo - - Turismo - START MIL­LER

Vi­si­tan­te po­de fa­zer au­la de pi­lo­ta­gem, dar uma vol­ta em pis­ta de cor­ri­da ofi­ci­al e ti­rar fo­tos den­tro de veí­cu­los

Qu­an­do co­me­cei a pla­ne­jar uma vi­a­gem de fé­ri­as à Itá­lia, meus fi­lhos ado­les­cen­tes não que­ri­am pas­sar ho­ras pre­sos em mu­seus. Pro­me­ti que is­so não acon­te­ce­ria, e a agen­da de nos­sa vi­a­gem de du­as se­ma­nas ter­mi­nou por se pro­var bem equi­li­bra­da: Ro­ma te­ve mais a ver com o Co­li­seu, o Pan­teão e es­ca­lar o do­mo da Ba­sí­li­ca de São Pe­dro do que com con­tem­plar ar­te re­li­gi­o­sa me­di­e­val.

Mas che­gou o dia em que a pro­mes­sa que eu ha­via fei­to não pô­de ser man­ti­da. Nos­sa vi­a­gem pre­via ape­nas um dia em Mo­de­na, e pa­ra ver to­das as obras-pri­mas que cons­ta­vam em nos­sa lis­ta ti­ve­mos de pas­sar qua­se no­ve ho­ras em três mu­seus.

Na­que­le dia, po­rém, as obras de ar­te eram car­ros. Bem, es­sa é uma des­cri­ção mui­to cho­cha pa­ra o que vi­mos. Os mo­de­los ita­li­a­nos de eli­te no Mu­seu Lam­borghi­ni e nos dois mu­seus da Fer­ra­ri pa­re­ci­am per­ten­cer a uma es­pé­cie com­ple­ta­men­te dis­tin­ta dos car­ros co­muns.

Co­me­ça­mos pe­lo Mu­seu Lam­borghi­ni, uma edi­fi­ca­ção de dois pa­vi­men­tos ao la­do da fá­bri­ca da em­pre­sa em Sant’Aga­ta Bo­log­ne­se, a cer­ca de meia ho­ra de Mo­de­na.

A ex­po­si­ção co­me­ça pe­los pri­mei­ros Lam­borghi­nis, me­nos vis­to­sos, co­mo o 400 GT 2+2, de 1966, o se­gun­do mo­de­lo fa­bri­ca­do pe­la em­pre­sa. Mas lo­go che­ga­mos ao es­guio Miu­ra (1966), que meu fi­lho des­cre­veu co­mo “um dos car­ros mais bo­ni­tos de to­dos os tem­pos”, no­tá­vel pe­los “cí­li­os” em tor­no dos fa­róis.

Per­to do Miu­ra, vi­mos o Coun­ta­ch (1974), com sua fren­te em for­ma­to de cu­nha, bem pró­xi­ma do so­lo, capô ma­ci­ço e en­tra­das de ar que o fa­zem pa­re­cer fu­tu­ris­ta ain­da ho­je. Nos anos 1970 e 1980, o mo­de­lo apa­re­ceu em fil­mes co­mo “Quem Não Cor­re, Voa” e “Rain Man”.

O pri­mei­ro pi­so tam­bém exi­be al­gu­mas ex­cen­tri­ci­da­des co­mo o LM002, uti­li­tá­rio pro­du­zi­do en­tre 1986 e 1992.

O se­gun­do pi­so mos­tra mo- de­los mais no­vos, co­mo um Mur­ci­e­la­go la­ran­ja bri­lhan­te —Bru­ce Way­ne di­ri­gia um em “Bat­man Be­gins”.

A lo­ja de pre­sen­tes do mu­seu tem um sho­wro­om, no qual vo­cê po­de ad­qui­rir um Lam­borghi­ni re­al co­mo su­ve­nir. Ou­tros pro­du­tos de pre­ço al­to in­clu­em um jo­go de ma­las fei­to de fi­bra de car­bo­no que cus­ta de­ze­nas de mi­lha­res de eu­ros. FER­RA­RI De vol­ta a Mo­de­na, o Mu­seu En­zo Fer­ra­ri ocu­pa um edi­fí­cio im­pres­si­o­nan­te, pro­je­ta­do pe­lo ar­qui­te­to tche­co Jan Ka­plicky, com uma fren­te cur­va de vi­dro e um te­to ama­re­lo, com in­ci­sões que se as­se­me­lham às en­tra­das de ar de um car­ro. Há ex­po­si­ções se­cun­dá­ri­as em um edi­fí­cio de ti­jo­los do sé­cu­lo 19 que um dia abri­gou a ofi­ci­na do pai de En­zo Fer­ra­ri.

O mu­seu ofe­re­ce pai­néis his­tó­ri­cos de­ta­lha­dos, ex­po­si­ções re­for­mu­la­das a ca­da ano e apre­sen­ta­ções em ví­deo —que, as­sim co­mo os car­ros ex­pos­tos, pas­sam por ro­ta­ção re­gu­lar.

Os pai­néis his­tó­ri­cos con­tam a tra­je­tó­ria de Fer­ra­ri, de seus di­as co­mo pi­lo­to aos anos em que tra­ba­lhou pa­ra a Al­fa Ro­meo, an­tes de cri­ar sua em­pre­sa, no fim da Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al.

O mo­de­lo 166, apre­sen­ta­do em 1948 no Sa­lão do Au­to­mó­vel de Tu­rim, se pa­re­ce mais com um com­por­ta­do se­dã ame­ri­ca­no Pac­kard do que com as Fer­ra­ris es­gui­as pe­las quais a em­pre­sa é fa­mo­sa.

Os mo­de­los se­guin­tes lo­go pro­va­ram ser mais vis­to­sos, co­mo a Tes­ta­ros­sa de 1984, com fen­das la­te­rais e ele­men­tos horizontais de de­sign que o fa­zem pa­re­cer im­pos­si­vel­men­te bai­xo e lar­go.

Meus fi­lhos ba­ba­ram ao ver es­se mo­de­lo, mas ti­ve­ram uma re­a­ção me­nos po­si­ti­va com o F100-R (2000), um car­ro con­cei­tu­al ex­pos­to ao la­do, com pa­ra-bri­sas cur­vo e superfície an­gu­lar que sus­ten­ta fa­róis em três ní­veis.

Tal­vez o mais im­pres­si­o­nan­te na­que­le mar de ver­me­lho te­nha si­do a co­le­ção dos “car­ros sa­gra­dos” da Fer­ra­ri, os mo­de­los ul­tra­es­gui­os de to­po de li­nha, do 512 Ber­li­net­ta Bo­xer (1973) e do 288 GTO (1984) ao mais re­cen­tes En­zo (2002) e o hí­bri­do LaFer­ra­ri, que es­tá em li­nha des­de 2013.

Pa­ra os fãs de cor­ri­das, a ver­da­dei­ra atra­ção é o Mu­seu Fer­ra­ri Ma­ra­nel­lo, a cer­ca de meia ho­ra a su­do­es­te, na ci­da­de homô­ni­ma pa­ra qual En­zo Fer­ra­ri trans­fe­riu sua fá­bri­ca qu­an­do Mo­de­na es­ta­va sen­do bom­bar­de­a­da, na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al.

O mu­seu tem um hall dos cam­peões de Fór­mu­la 1, com uma ex­po­si­ção per­ma­nen­te de car­ros de cor­ri­da e de­ta­lhes so­bre a evo­lu­ção da se­gu­ran­ça dos mo­no­pos­tos e ou­tras ba­ta­lhas in­dus­tri­ais, além de edi­ções especiais co­mo o SP12EC, ins­pi­ra­do pe­lo 512BBi e en­co­men­da­do pe­lo gui­tar­ris­ta Eric Clap­ton.

O mu­seu tem um ar mo­der­no e ofe­re­ce a opor­tu­ni­da­de de ti­rar uma fo­to den­tro de uma Fer­ra­ri, além de ex­pe­ri­ên­ci­as in­te­ra­ti­vas pa­ra gran­des gru­pos, co­mo um pit stop si­mu­la­do de Fór­mu­la 1 e a opor­tu­ni­da­de de pi­lo­tar em ou­tro si­mu­la­dor.

Os vi­si­tan­tes tam­bém podem fa­zer uma au­la de pi­lo­ta­gem de 15 mi­nu­tos no au­tó­dro­mo de Mo­de­na, pis­ta que já foi usa­da pa­ra pro­vas de Fór­mu­la 1 e ho­je é em­pre­ga­da por Fer­ra­ri, Lam­borghi­ni e Ma­se­ra­ti pa­ra tes­tes de car­ros. O tu­ris­ta po­de alu­gar uma Fer­ra­ri por uma pe­que­na for­tu­na ou en­trar na pis­ta com o seu car­ro —e le­var um pas­sa­gei­ro por vol­ta. PAU­LO MIGLIACCI

O Mu­seu Mer­ce­desBenz em Stutt­gart, na Ale­ma­nha

Maj­lend Bra­mo/“The New York Ti­mes”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.