Des­pau­té­rio

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Uma pre­o­cu­pa­ção per­ma­nen­te da ban­ca­da re­li­gi­o­sa do Con­gres­so Na­ci­o­nal, com­pre­en­si­vel­men­te, é a le­gis­la­ção re­fe­ren­te ao abor­to.

Em sua mais alen­ta­da ini­ci­a­ti­va con­tra a prá­ti­ca, apre­sen­tou-se em 2007 pro­je­to de lei que ins­ti­tui o Es­ta­tu­to do Nas­ci­tu­ro.

Até ho­je em eta­pa ini­ci­al de aná­li­se na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, o tex­to reú­ne dis­po­si­ti­vos ques­ti­o­ná­veis co­mo a pro­te­ção in­te­gral a em­briões, in­clu­si­ve aque­les con­ge­la­dos em clí­ni­cas de fer­ti­li­da­de.

Pro­pos­tas do gê­ne­ro —as­sim co­mo as des­ti­na­das a am­pli­ar as pos­si­bi­li­da­des de in­ter­rup­ção le­gal da gra­vi­dez— des­per­tam pre­vi­sí­vel e in­ten­sa po­lê­mi­ca. No ca­so mais re­cen­te, par­la­men­ta­res li­ga­dos a igre­jas evan­gé­li­cas fi­ze­ram avan­çar uma ten­ta­ti­va de res­tri­ção mais ra­di­cal, com mu­dan­ça das nor­mas ex­pres­sas na Cons­ti­tui­ção.

Em co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra, apro­vou-se, por 18 vo­tos a 1, um dis­po­si­ti­vo de­cre­tan­do que a vi­da co­me­ça na con­cep­ção.

Ou, di­to de ou­tra ma­nei­ra, que as três si­tu­a­ções em que o abor­to é ho­je au­to­ri­za­do no país —gra­vi­dez de fe­to anen­ce­fá­li­co, re­sul­tan­te de es­tu­pro ou que re­pre­sen­te pe­ri­go de vi­da pa­ra a mãe— fi­cam equi­pa­ra­das ao ho­mi­cí­dio.

Por le­gí­ti­mas que se­jam as ban­dei­ras pró-vi­da, a pro­po­si­tu­ra re­pre­sen­ta um des­pau­té­rio evi­den- te, de apli­ca­ção in­con­ce­bí­vel e em fla­gran­te de­sa­cor­do com as pre­fe­rên­ci­as ma­jo­ri­tá­ri­as da so­ci­e­da­de.

Se é ver­da­de que a mai­or par­te da po­pu­la­ção não apoia a am­pli­a­ção do di­rei­to ao abor­to, tam­pou­co se pre­ten­de res­trin­gi-lo. Pes­qui­sas do Da­ta­fo­lha apon­tam que cer­ca de dois ter­ços dos bra­si­lei­ros defendem a per­ma­nên­cia da le­gis­la­ção tal co­mo se en­con­tra ho­je.

Da­das as con­sequên­ci­as so­ci­ais das gra­vi­de­zes in­de­se­ja­das e dos ris­cos re­pre­sen­ta­dos por pro­ce­di­men­tos clan­des­ti­nos, en­tre ou­tros mo­ti­vos, es­ta Fo­lha con­cor­da que se­ja des­cri­mi­na­li­za­da a in­ter­rup­ção nos es­tá­gi­os ini­ci­ais. Em se tra­tan­do de ques­tão tão di­vi­si­va, um ple­bis­ci­to se­ria acon­se­lhá­vel.

Fe­liz­men­te, mos­tra-se re­mo­to o ris­co de que pros­pe­re a pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal que le­va­ria ao en­car­ce­ra­men­to de cen­te­nas de mi­lha­res de bra­si­lei­ras.

Pa­ra tan­to, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os os vo­tos de 308 dos 513 de­pu­ta­dos e 49 dos 81 se­na­do­res. A des­pei­to do pla­car elás­ti­co ob­ti­do na co­mis­são —do­mi­na­da por par­la­men­ta­res li­ga­dos a cau­sas re­li­gi­o­sas—, o tex­to não reú­ne con­di­ções de rom­per tais bar­rei­ras nu­mé­ri­cas.

Pro­va­vel­men­te nem seus au­to­res de­se­jem de fa­to a im­plan­ta­ção de norma tão dra­co­ni­a­na. O mo­men­to, afi­nal, é propício pa­ra agra­dar aos res­pec­ti­vos ni­chos elei­to­rais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.