Bra­sil em mis­sões de paz: a co­bra fu­man­do

Pas­sa­da a ope­ra­ção no Hai­ti, mais do que nun­ca, a ONU pre­ci­sa das ha­bi­li­da­des, do ca­pi­tal hu­ma­no e da co­ra­gem dos pa­ci­fi­ca­do­res bra­si­lei­ros

Folha De S.Paulo - - Opinião - VIJAY RANGARAJAN E MI­CHEL MIRAILLET

Ha­via um di­ta­do, po­pu­lar no Bra­sil du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, que di­zia: “mais fá­cil uma co­bra fu­mar um ca­chim­bo do que a FEB em­bar­car pa­ra o com­ba­te”. De fa­to, an­tes de a For­ça Ex­pe­di­ci­o­ná­ria Bra­si­lei­ra en­trar em com­ba­te na Itá­lia, a ex­pres­são “a co­bra vai fu­mar” era cons­tan­te­men­te usa­da pa­ra des­cre­ver al­go im­pro­vá­vel.

A FEB, con­tu­do, con­se­guiu re­ba­ter as crí­ti­cas e in­ver­ter a si­tu­a­ção, tor­nan­do-se uma for­ça mi­li­tar for­te e pro­fis­si­o­nal. Pas­sa­ram a se cha­mar de Co­bras Fu­man­tes e a ves­tir um sím­bo­lo que mos­tra­va uma co­bra fu­man­do um ca­chim­bo. Ho­je, quan­do con­si­de­ra­mos a li­de­ran­ça mi­li­tar bra­si­lei­ra em mis­sões de paz, es­sa ex­pres­são ain­da tem uma co­no­ta­ção po­si­ti­va.

O ano de 2017 tes­te­mu­nhou o fim e o su­ces­so da Mi­nus­tah (Mis­são das Na­ções Uni­das pa­ra a Es­ta­bi­li­za­ção do Hai­ti), a mai­or mis­são de paz bra­si­lei­ra: fo­ram 13 anos, 13 par­cei­ros re­gi­o­nais e 37.000 ofi­ci­ais bra­si­lei­ros. Nes­te 15 de no­vem­bro, o mi­nis­tro da De­fe­sa do Bra­sil, Raul Jung­mann, se en­con­tra­rá em Van­cou­ver com co­le­gas de mais de 80 paí­ses e or­ga­ni­za­ções pa­ra for­ta­le­cer fu­tu­ras mis­sões de paz da ONU.

O Rei­no Uni­do e a Fran­ça es­ta­rão lá pa­ra re­for­çar a im­por­tân­cia da par­ti­ci­pa­ção do Bra­sil, já que es­te ano mar­ca os 70 anos de par­ti­ci­pa­ção bra­si­lei­ra em ope­ra­ções de mis­sões de paz. Is­so re­pre­sen­ta um gran­de fei­to e uma enor­me con­tri­bui­ção pa­ra a paz mun­di­al.

A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal per­cor­reu um lon­go ca­mi­nho des­de as pri­mei­ras mis­sões de paz, e o ob­je­ti­vo continua atem­po­ral: ti­rar paí­ses de con­fli­tos. No en­tan­to, mis­sões co­mo a Mi­nus­tah de­mons­tram o quão mais avan­ça­das e efi­ca­zes as mis­sões de paz se tor­na­ram.

Sem des­car­tar a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer uso da for­ça quan­do ne­ces­sá­rio, os pa­ci­fi­ca­do­res bra­si­lei­ros, com sua fa­mo­sa “di­plo­ma­cia do fu­te­bol”, tra­ba­lha­ram com co­mu­ni­da­des lo­cais pa­ra re­cu­pe­rar o po­der de Ci­té So­leil das gan­gues ar­ma­das e re­cons­truir a for­ça da po­lí­cia hai­ti­a­na. Eles fo­ca­ram nas raí­zes do con­fli­to e abri­ram as por­tas pa­ra a co­o­pe­ra­ção em agri­cul­tu­ra, in­fra­es­tru­tu­ra e saú­de.

A for­ça em nú­me­ros aju­dou, mas a li­ção que o Bra­sil de­mons­trou a to­dos os paí­ses con­tri­buin­tes de tro­pas foi que treinamento im­por­ta. Sem is­so, te­ria si­do im­pos­sí­vel pa­ra os pa­ci­fi­ca­do­res bra­si­lei­ros su­pe­rar os de­sa­fi­os de múl­ti­plos de­sas­tres hu­ma­ni­tá­ri­os.

É por meio do ex­ce­len­te cen­tro de treinamento pa­ra mis­sões de paz no Rio, o CCOPAB (Cen­tro Con­jun­to de Ope­ra­ções de Paz do Bra­sil), que o Bra­sil continua a com­par­ti­lhar li­ções com o mun­do e ga­ran­tir que no­vas ques­tões, co­mo gê­ne­ro, se­jam in­cor­po­ra­das ao treinamento pa­ra mis­sões de paz. Te­mos or­gu­lho do tra­ba­lho que a Fran­ça e o Rei­no Uni­do vêm re­a­li­zan­do com o CCOPAB nes­se sen­ti­do.

Con­quan­to tu­do is­so de­va, cer­ta­men­te, ser ce­le­bra­do, não es­ta­mos fa­lan­do, ain­da, em “mis­são cum­pri­da”. Há, e con­ti­nu­a­rá a ha­ver, paí­ses com ne­ces­si­da­de ur­gen­te de mis­sões de paz. A Áfri­ca continua sen­do um dos prin­ci­pais ce­ná­ri­os pa­ra ope­ra­ções de paz, de Ma­li ao Su­dão, da Re­pú­bli­ca Cen­tro-Afri­ca­na à So­má­lia. E, no cen­tro de tu­do is­so, es­tão os ci­vis, que são afe­ta­dos por con­fli­tos, guer­ra e de­sas­tres. To­dos com­par­ti­lha­mos a am­bi­ção de mi­ni­mi­zar seu sofrimento.

É por es­sa ra­zão que ago­ra, mais do nun­ca, as Na­ções Uni­das pre­ci­sam das ha­bi­li­da­des, do ca­pi­tal hu­ma­no e da co­ra­gem dos pa­ci­fi­ca­do­res bra­si­lei­ros —pa­ra “os co­bras” con­ti­nu­a­rem fu­man­do. VIJAY RANGARAJAN MI­CHEL MIRAILLET,

En­quan­to is­so, o Rio vi­ve seu pi­or mo­men­to na saú­de, na edu­ca­ção e na se­gu­ran­ça, fo­ra os sa­lá­ri­os atra­sa­dos dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. Se­rá que is­so vai ter fim um dia?

HE­LIO MARCENGO

A Re­pú­bli­ca do Bra­sil é um gol­pe con­su­ma­do des­de 1889. O po­vo pre­ci­sa re­ver a men­ti­ra­da que apren­deu na es­co­la. As fa­mí­li­as cons­pi­ra­do­ras con­ti­nu­am por aí, avan­ça­das nos pa­lá­ci­os gra­ças à ig­no­rân­cia po­pu­lar.

MARCOS A. T. GAR­CIA

Dil­ma Rous­seff

Re­li o tex­to “A au­ro­ra de uma no­va jus­ti­ça” (“Po­der”, 14/11) achan­do tra­tar-se de al­gu­ma brin­ca­dei­ra ou iro­nia. O mais es­tar­re­ce­dor não é o colunista Jo­el Pi­nhei­ro da Fon­se­ca la­men­tar não exis­tir uma tec­no­lo­gia que de­vas­se “os recôn­di­tos se­cre­tos da men­te”, e sim a sua imi­nên­cia. Há mons­tros en­tre nós, ca­ro Jo­el? O mais cor­re­to não se­ria “há mons­tros em to­dos nós”?

MAR­CE­LO CARVALHO SI­QUEI­RA

So­bre a coluna de Marcus An­dré Me­lo (“Pro­cu­ran­do Mar­con”, “Opi­nião”, 13/11), creio que Ma­cron foi elei­to não pe­las su­as pro­pos­tas, mas por fal­ta de al­ter­na­ti­vas. Tan­to é que a opo­si­ção às su­as pro­pos­tas só faz au­men­tar. A ques­tão é do sis­te­ma. Nas de­mo­cra­ci­as de vo­to, o no­vo go­ver­no não se sen­te obri­ga­do a dar con­ti­nui­da­de aos pro­je­tos do an­te­ri­or. Pe­lo con­trá­rio, faz ques­tão de des­con­ti­nuá-los, co­mo ten­ta fa­zer Trump com o le­ga­do de Oba­ma. Ain­da que hou­ves­se pro­je­tos na­ci­o­nais, es­sa ir­ra­ci­o­na­li­da­de ten­de­ria a per­sis­tir.

CLOVES OLI­VEI­RA

Vi­a­gens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.