Es­co­las pú­bli­cas de qualidade in­ter­na­ci­o­nal

Re­gião de Ta­qua­ri­tin­ga (SP) reú­ne co­lé­gi­os es­ta­du­ais com ín­di­ces aci­ma da mé­dia, ao mo­ti­var pro­fes­so­res e le­var a sé­rio pro­ces­sos de ava­li­a­ção

Folha De S.Paulo - - Opinião - RE­NA­TO FEDER www.fo­lha.com.br/pai­nel­do­lei­tor saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Pau­lo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

Em Ta­qua­ri­tin­ga e de­mais ci­da­des no en­tor­no des­sa re­gião do in­te­ri­or de São Pau­lo, co­mo Itá­po­lis, Bor­bo­re­ma e Do­bra­da, as es­co­las pú­bli­cas es­ta­du­ais es­tão en­tre as me­lho­res de to­do o Bra­sil. A mai­o­ria pos­sui no­tas do Ideb (Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção Bá­si­ca) aci­ma de 6 —o que, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, equi­va­le a uma no­ta do Pi­sa (tes­te in­ter­na­ci­o­nal de edu­ca­ção) aci­ma da mé­dia dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos.

Is­so tu­do nu­ma re­gião pau­lis­ta que não é ri­ca e nem se des­ta­ca co­mo po­lo in­dus­tri­al ou tu­rís­ti­co —pe­lo con­trá­rio, boa par­te dos pais dos alu­nos tra­ba­lha na la­vou­ra, co­mo cor­ta­do­res de ca­na-de-açú­car. O Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH) da re­gião en­con­tra-se abai­xo da mé­dia bra­si­lei­ra, se­gun­do os da­dos ofi­ci­ais do IBGE.

Pa­ra en­ten­der es­sa ques­tão, vi­si­tei oi­to es­co­las es­ta­du­ais e con­ver­sei com alu­nos, pro­fes­so­res e de­ze­nas de lí­de­res es­co­la­res. A res­pos­ta es­tá na mo­ti­va­ção dos pro­fis­si­o­nais e nas práticas pe­da­gó­gi­cas do de­di­ca­do ti­me edu­ca­ci­o­nal.

Em pri­mei­ro lu­gar, o fo­co de to­dos es­tá no apren­di­za­do do alu­no. As pro­vas são le­va­das mui­to a sé­rio, prin­ci­pal­men­te as ava­li­a­ções ofi­ci­ais do Es­ta­do, que ocor­rem bi­mes­tral­men­te. Co­mo elas me­dem o pro­ces­so de apren­di­za­gem, após sua re­a­li­za­ção, os re­sul­ta­dos são cui­da­do­sa­men­te ana­li­sa­dos pe­lo pro­fes­so­res, que ve­ri­fi­cam o que a tur­ma apren­deu e o que não con­se­guiu en­ten­der.

Os pro­fes­so­res ado­tam a es­tra­té­gia de re­to­mar as ha­bi­li­da­des que não fo­ram con­so­li­da­das, ten­tan­do en­si­nar a ma­té­ria de ou­tras for­mas e ve­ri­fi­car se con­se­guem ser mais efe­ti­vos. As bo­as es­co­las têm ver­da­dei­ros ma­pas com as ha­bi­li­da­des e co­nhe­ci­men­tos do que ca­da tur­ma e ca­da alu­no apren­deu. As­sim, nin­guém fi­ca pa­ra trás.

A se­gun­da es­tra­té­gia é acom­pa­nhar com lupa a frequên­cia dos alu­nos na es­co­la. Se as fal­tas pas­sam de um ou dois dias, a fa­mí­lia é ra­pi­da­men­te aci­o­na­da. Em vá­ri­os ca­sos, é ne­ces­sá­rio que a equi­pe es­co­lar re­for­ce com a fa­mí­lia a im­por­tân­cia da cri­an­ça na es­co­la. Se as fal­tas con­ti­nu­am, o alu­no re­ce­be ta­re­fas adi­ci­o­nais pa­ra re­cu­pe­rar o con­teú­do per­di­do. Is­so aju­da no apren­di­za­do e ser­ve de es­tí­mu­lo pa­ra a ausência não se re­pe­tir.

A ter­cei­ra prá­ti­ca, co­mum a to­das as es­co­las com bom re­sul­ta­do, é o co­or­de­na­dor da es­co­la as­sis­tir aulas. To­dos os dias fi­cam em al­gu­ma clas­se e con­se­guem ofe­re­cer bo­as de­vo­lu­ti­vas aos pro­fes­so­res. É es­sen­ci­al es­ta­be­le­cer uma par­ce­ria for­te e de res­pei­to mú­tuo en­tre professor e co­or­de­na­dor.

Após es­sa ali­an­ça, o fe­ed­back co­la­bo­ra mui­to pa­ra uma au­la interessante e en­ga­ja­da. Além dis­so, a pro­xi­mi­da­de com o co­or­de­na­dor au­men­ta a valorização da boa au­la do professor e sua mo­ti­va­ção. Co­mo be­ne­fí­cio adi­ci­o­nal, tam­bém caem seu estresse e o ab­sen­teís­mo.

A quar­ta prá­ti­ca são os si­mu­la­dos pa­ra cri­an­ças mais ve­lhas. As es­co­las com as me­lho­res no­tas apli­cam pro­vas com ques­tões do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio e de ves­ti­bu­la­res o tem­po to­do aos alu­nos. Is­so é um exer­cí­cio po­si­ti­vo, pois aju­da o ado­les­cen­te a com­pre­en­der e exer­ci­tar a ma­té­ria, o faz pensar e se sen­tir mais con­fi­an­te nas pro­vas fu­tu­ras, e com mais chan­ces de en­trar na fa­cul­da­de.

Es­sas práticas dei­xam a es­co­la agra­dá­vel e têm im­pac­to po­si­ti­vo es­pe­ci­al­men­te na con­fi­an­ça e mo­ti­va­ção das cri­an­ças.

Quan­do per­gun­tei o que sen­ti­am so­bre a tão te­mi­da ma­te­má­ti­ca, os alu­nos le­van­ta­ram as mãos, qua­se pu­lan­do da ca­dei­ra, e gri­ta­ram: “Eu ado­ro ma­te­má­ti­ca.”

Es­ta­va aí es­tam­pa­do o se­gre­do de Ta­qua­ri­tin­ga: práticas sim­ples e bem exe­cu­ta­das que au­men­tam o de­sem­pe­nho aca­dê­mi­co e le­vam o alu­no a ter ale­gria em ir à es­co­la. RE­NA­TO FEDER

Co­mo ma­ni­fes­tan­te que foi a to­dos aos even­tos na ave­ni­da Pau­lis­ta con­tra o pés­si­mo go­ver­no de Dil­ma Rous­seff e que ba­teu pa­ne­las a fa­vor de seu im­pe­a­ch­ment, dis­pen­so ve­e­men­te­men­te seu per­dão. Sua ad­mi­nis­tra­ção le­va­va ra­pi­da­men­te o país a se tor­nar uma no­va Ve­ne­zu­e­la, afun­dan­do o Bra­sil nu­ma ca­tas­tró­fi­ca re­ces­são, com de­sem­pre­go, in­fla­ção e o au­men­to bru­tal das des­pe­sas pú­bli­cas. Is­so, cla­ro, sem ne­nhu­ma con­tra­par­ti­da (“Dil­ma de­fen­de per­dão a qu­em ‘ba­teu pa­ne­la’”, “Po­der”, 14/11).

OS­VAL­DO CE­SAR TA­VA­RES

Po­lí­cia Fe­de­ral Ve­jam co­mo são as coi­sas atu­al­men­te no Bra­sil. Um car­go des­sa im­por­tân­cia é tra­ta­do à re­ve­lia de qual­quer con­sul­ta po­pu­lar (mes­mo por­que a in­di­ca­ção é fei­ta por en­te al­ta­men­te im­po­pu­lar). Mes­mo o “in­te­res­sa­do” age co­mo se fos­se um “must” per­so­na­lís­si­mo que lus­tra­ria sua pes­soa. Não se vê re­ceio do que a so­ci­e­da­de pos­sa pensar a res­pei­to (“No­vo di­re­tor-ge­ral diz que po­lí­cia am­pli­a­rá ope­ra­ções”, “Po­der”, 11/11).

UBALDO SOU­ZA JR.

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FO­LHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO AS­SI­NAN­TE: OM­BUDS­MAN:

So­bre as vi­a­gens do pre­si­den­te do TRE-SP, os ad­vo­ga­dos ano­tam que ele tem con­tri­buí­do com dis­cus­sões a res­pei­to da reforma elei­to­ral, per­mi­tin­do a in­te­ra­ção de di­ver­sas ins­ti­tui­ções na cons­tru­ção e apri­mo­ra­men­to do sis­te­ma elei­to­ral bra­si­lei­ro. As vi­a­gens es­tão de acor­do com o in­te­res­se pú­bli­co e com sua atu­a­ção no TRE-SP. Os ad­vo­ga­dos são os pri­mei­ros a tes­te­mu­nha­rem es­se fa­to. Sem in­di­car ne­nhu­ma ir­re­gu­la­ri­da­de, a re­por­ta­gem em apre­ço fez in­jus­ta in­si­nu­a­ção que me­re­ce to­tal re­pul­sa (“Pre­si­den­te do TRE-SP vi­a­ja em 1/3 dos dias de tra­ba­lho”, “Po­der”, 13/11).

HÉ­LIO SIL­VEI­RA RI­CAR­DO PENTEADO,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.