De­ci­são ge­ra in­se­gu­ran­ça pa­ra a in­ves­ti­ga­ção

Mi­nis­tro Lewan­dows­ki im­ple­men­ta pa­drão mais in­va­si­vo de con­tro­le ju­di­ci­al so­bre acor­dos de de­la­ção pre­mi­a­da

Folha De S.Paulo - - Poder - ELOÍ­SA MA­CHA­DO DE AL­MEI­DA

O mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki não ho­mo­lo­gou os ter­mos de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da de Re­na­to Pe­rei­ra e is­so traz dú­vi­das so­bre o al­can­ce do po­der do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co nas ne­go­ci­a­ções de acor­do e so­bre a va­li­da­de de ou­tras de­la­ções da La­va Ja­to.

Não é a pri­mei­ra vez que os mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral se de­bru­çam so­bre os po­de­res dos juí­zes na revisão dos acor­dos de de­la­ção pre­mi­a­da.

Não faz mui­to tem­po, em ju­nho des­te ano, no ca­so de Jo­es­ley Ba­tis­ta, o tri­bu­nal ana­li­sou o te­ma e de­ci­diu que um acor­do de co­la­bo­ra­ção tem du­as eta­pas de revisão ju­di­ci­al: uma ini­ci­al, pre­am­bu­lar, no mo­men­to da ho­mo­lo­ga­ção, e ou­tra ao fi­nal, na sen­ten­ça, de ave­ri­gua­ção do cumprimento, ou não, do pro­me­ti­do pe­lo co­la­bo­ra­dor.

Na fa­se de ho­mo­lo­ga­ção ca­be­ria ao re­la­tor, in­di­vi­du­al­men­te, ana­li­sar a vo­lun­ta­ri­e­da­de do acor­do, is­to é, se a co­la­bo­ra­ção foi fei­ta sem coação; a sua re­gu­la­ri­da­de e le­ga­li­da­de, cri­té­ri­os vol­ta­dos ao cumprimento das for­ma­li­da­des exi­gi­das e das dis­po­si­ções le­gais.

Na­que­le jul­ga­men­to, Lewan­dows­ki de­fen­deu um pa­pel mai­or do juiz na aná­li­se e revisão dos acor­dos de de­la­ção e fi­cou ven­ci­do, com Gil­mar Men­des e Mar­co Au­ré­lio.

Ao não ho­mo­lo­gar a de­la­ção de Re­na­to Pe­rei­ra, Lewan­dows­ki con­si­de­rou que a vo­lun­ta­ri­e­da­de es­ta­va pre­sen­te, mas que uma sé­rie de cláu­su­las do ter­mo de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da pro­pos­tas pe­la Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) não se­ri­am ad­mis­sí­veis por se­rem con­trá­ri­as às dis­po­si­ções le­gais.

O prin­ci­pal pro­ble­ma iden­ti­fi­ca­do, se­gun­do o mi­nis­tro, se­ria a pro­mes­sa de per­dão ju­di­ci­al pa­ra al­guns cri­mes.

Pa­ra Lewan­dows­ki, es­sa pro­mes­sa não po­de­ria ser fei­ta pe­la PGR, já que o per­dão ju­di­ci­al ape­nas po­de ser da­do, ob­vi­a­men­te, pe­lo juiz.

Po­rém, ain­da que se­ja in­co­mum nas de­la­ções cons­tar per­dão ju­di­ci­al, o acor­do não diz que a PGR da­rá o per­dão ju­di­ci­al, mas que o “pro­po­rá, nos fei­tos já ob­je­to de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal e na­que­les que se­rão ins­tau­ra­dos em de­cor­rên­cia dos fa­tos re­ve­la­dos por in­ter­mé­dio da pre- sen­te co­la­bo­ra­ção”.

Ou se­ja, o ór­gão acu­sa­dor se com­pro­me­te a pe­dir o per­dão ju­di­ci­al nos pro­ces­sos, cu­ja efe­ti­va­ção de­pen­de­rá da de­ci­são do juiz.

Is­so mos­tra uma di­ver­gên­cia de po­si­ções dos mi­nis­tros com o que es­ta­ria, ou não, sob o po­der da PGR no mo­men­to de re­a­li­za­ção de um acor­do de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da.

Mais um exem­plo dis­so é a re­jei­ção da pos­si­bi­li­da­de de fi­xa­ção, no acor­do, de mul­ta a ser pa­ga pe­lo co­la­bo­ra­dor, al­go que vem sen­do ad­mi­ti­do nas co­la­bo­ra­ções ho­mo­lo­ga­das por ou­tros mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, co­mo Ed­son Fa­chin, Te­o­ri Za­vasc­ki e Cár­men Lú­cia.

O mes­mo ocor­re com a fi­xa­ção da pe­na e seu re­gi­me de cumprimento: o acor­do traz o que a PGR pe­di­rá; Lewan­dows­ki con­si­de­ra ile­gal.

Lewan­dows­ki im­ple­men­ta, na prá­ti­ca, a po­si­ção em que fi­cou ven­ci­do em ple­ná­rio e cria um pa­drão mais in­va­si­vo de con­tro­le ju­di­ci­al dos acor­dos de co­la­bo­ra­ção no mo­men­to da ho­mo­lo­ga­ção.

Ao fa­zer is­so, con­tra­ria a po­si­ção de­ba­ti­da e ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te ven­ce­do­ra da cor­te, cri­an­do in­se­gu­ran­ça so­bre os cri­té­ri­os que o STF, en­quan­to ór­gão co­le­gi­a­do, con­si­de­ra ade­qua­dos, tra­tan­do di­fe­ren­te­men­te si­tu­a­ções que são iguais.

Ade­mais, a re­ti­ra­da de si­gi­lo aca­ba por tor­nar ine­fi­caz gran­de par­te dos ter­mos da de­la­ção, já que po­de per­mi­tir a re­a­ção dos en­vol­vi­dos.

Is­so faz pai­rar dú­vi­das não só so­bre os po­de­res de ne­go­ci­a­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co co­mo tam­bém de to­dos os ca­sos da La­va Ja­to cons­truí­dos so­bre as de­la­ções. ELOÍ­SA MA­CHA­DO DE AL­MEI­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.