ANÁ­LI­SE Con­ven­ção que pre­si­den­te ce­le­bra he­si­tou so­bre es­cra­vi­dão

Folha De S.Paulo - - Poder - RO­DRI­GO VIZEU

Pi­o­nei­ra e en­fá­ti­ca na de­fe­sa da trans­for­ma­ção do Bra­sil em uma re­pú­bli­ca, a Con­ven­ção de Itu, ago­ra ho­me­na­ge­a­da por Mi­chel Te­mer, pi­sou em ovos so­bre ou­tro te­ma quen­te da­que­le 1873: a li­ber­ta­ção dos es­cra­vos.

Reu­ni­dos na ca­sa de um fa­zen­dei­ro da ci­da­de, 133 re­pu­bli­ca­nos, en­tre os quais o fu­tu­ro pre­si­den­te Cam­pos Sales, lan­ça­ram ma­ni­fes­to em que ata­ca­vam a hipótese de um Ter­cei­ro Rei­na­do e co­bra­vam um sis­te­ma fe­de­ra­ti­vo de go­ver­no. Foi a ba­se inau­gu­ral do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no Pau­lis­ta (PRP).

O ter­cei­ro tó­pi­co tra­ta­do pe­lo gru­po, a abo­li­ção da es­cra­va­tu­ra, me­re­ceu tom me­nos ca­te­gó­ri­co.“[Aques­tão­da­a­bo­li­ção] não nos per­ten­ce ex­clu­si­va­men­te por­que é so­ci­al e po­lí­ti­co; es­tá no do­mí­nio da opi­nião na­ci­o­nal e é de to­dos os par­ti­dos, e dos mo­nar­quis­tas mais, do que nos­sa, por­que com­pe­te aos que es­tão no po­der ou aos que­pre­ten­de­ma­pa­nhá-lo­a­ma­nhães­ta­be­le­ce­ros­mei­os­de­seu des­fe­cho po­si­ti­vo.”

Em se­gui­da, o do­cu­men­to acres­cen­ta que os re­pu­bli­ca­nos defendem “di­rei­tos ad­qui­ri­dos” e in­de­ni­za­ção aos do­nos de es­cra­vos. E afir­ma: “Em res­pei­to ao prin­cí­pio da união fe­de­ra­ti­va, ca­da pro­vín­cia re­a­li­za­rá a reforma de acor­do com seus in­te­res­ses pe­cu­li­a­res, mais ou me­nos len­ta­men­te, con­for­me a mai­or ou me­nor fa­ci­li­da­de na subs­ti­tui­ção do tra­ba­lho es­cra­vo pe­lo li­vre”.

O con­ser­va­do­ris­mo na abor­da­gem do te­ma se ex­pli­ca pe­la com­po­si­ção do gru­po reu­ni­do em Itu: 78 dos 133 con­ven­ci­o­nais eram pro­du­to­res ru­rais, mui­tos dos quais be­ne­fi­ciá­ri­os da mão de obra ca­ti­va. Qu­a­tro em dez ha­bi­tan­tes de Itu eram es­cra­vos.

A con­ven­ção não foi o pri­mei­ro ato re­pu­bli­ca­no bra­si­lei­ro —um clu­be em de­fe­sa da cau­sa foi fun­da­do em 1870 no Rio. Mas a re­per­cus­são foi tí­mi­da e o ma­ni­fes­to ca­ri­o­ca me­re­ceu pou­co ca­so até de dom Pe­dro 2º. “Ora, se os bra­si­lei­ros não me qui­se­rem pa­ra seu im­pe­ra­dor, irei ser professor”, te­ria re­a­gi­do o mo­nar­ca.

Em­bo­ra não iné­di­ta, a ini­ci­a­ti­va no in­te­ri­or de São Pau­lo, des­ta vez re­fe­ren­da­da pe­los emer­gen­tes ca­fei­cul­to­res do Es­ta­do, deu pe­so po­lí­ti­co e econô­mi­co ao mo­vi­men­to re­pu­bli­ca­no. A cau­sa mul­ti­pli­cou seus apoi­os pú­bli­cos pe­lo país, mas se­guiu ruim de vo­tos, em par­te de­vi­do ao sis­te­ma elei­to­ral frau­du­len­to do Im­pé­rio. A vi­tó­ria so­bre a mo­nar­quia, com o gol­pe de 15 de no­vem­bro de 1889, só viria com o apoio do Exér­ci­to.

Com a Re­pú­bli­ca, o PRP en­fim vi­rou pro­ta­go­nis­ta, do­mi­nan­do a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal até a Re­vo­lu­ção de 1930.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.