A can­di­da­tu­ra de Jo­a­quim Bar­bo­sa

Folha De S.Paulo - - Poder - ELIO GASPARI

PA­RA QU­EM foi pa­ra a rua ou ba­teu pa­ne­la, o que a oli­gar­quia po­lí­ti­ca lhe es­tá ofe­re­cen­do pa­ra a elei­ção de 2018 é mais do mes­mo, ou pi­or. A boa no­tí­cia vem do re­pór­ter Ray­mun­do Cos­ta: o ex-mi­nis­tro Jo­a­quim Bar­bo­sa dis­se aos dirigentes do PSB que, até janeiro, de­ci­di­rá se acei­ta o con­vi­te pa­ra dis­pu­tar a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Pe­lo chei­ro da bri­lhan­ti­na, ele quer ser can­di­da­to.

A can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal rom­pe a ló­gi­ca mal­di­ta que os oli­gar­cas es­tão mon­tan­do. Ele não tem ex­pe­ri­ên­cia par­ti­dá­ria, o que é uma vir­tu­de.

Nun­ca par­ti­ci­pou de go­ver­nos, o que não che­ga a ser de­fei­to. Fal­ta­lhe a ex­pe­ri­ên­cia de Mi­chel Te­mer, Eli­seu Pa­di­lha e Mo­rei­ra Fran­co.

Bar­bo­sa fi­cou 11 anos no Su­pre­mo Tri­bu­nal e no­ta­bi­li­zou-se por ter de­se­nha­do o có­di­go ge­né­ti­co do men­sa­lão, o es­cân­da­lo que le­vou po­de­ro­sos po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os pa­ra a ca­deia. Foi gra­ças ao jul­ga­men­to do men­sa­lão que fi­gu­ras in­to­cá­veis fo­ram pa­ra a pe­ni­ten­ciá­ria. Des­se DNA saiu a La­va Ja­to.

O mi­nis­tro me­teu-se em me­mo­rá­veis ba­te-bo­cas com Gil­mar Men­des e Ri­car­do Lewan­dows­ki. Mos­trou­se um ar­bi­trá­rio pe­din­do a trans­fe­rên­cia de uma ser­vi­do­ra do tri­bu­nal com 12 anos de ser­vi­ço pe­lo cri­me de ser ca­sa­da com um jor­na­lis­ta a qu­em in­sul­ta­ra. Es­se ti­po de pa­vio po­de­rá le­vá-lo a uma au­to­com­bus­tão di­an­te das pres­sões de uma cam­pa­nha pre­si­den­ci­al.

De­ci­din­do es­pe­rar até janeiro, Bar­bo­sa in­di­ca que po­de­rá con­fir­mar sua can­di­da­tu­ra an­tes de uma even­tu­al con­de­na­ção de Lu­la na se­gun­da ins­tân­cia. Acei­tan­do o con­vi­te do PSB, o ex-mi­nis­tro ani­nha­se no par­ti­do em que es­ta­va o can­di­da­to Eduardo Cam­pos até a ma­nhã de sua mor­te, na que­da do seu ja­ti­nho de cam­pa­nha, em 2014.

Ou­tro dia Aé­cio Ne­ves dis­se que uma can­di­da­tu­ra co­mo a de Lu­ci­a­no Huck sig­ni­fi­ca­rá a “fa­lên­cia da po­lí­ti­ca”. Po­de ter ra­zão, mas se­rá a fa­lên­cia pro­du­zi­da por ele, Aé­cio, e não por Huck.

Ad­mi­tin­do-se que Bar­bo­sa re­sol­va fi­car fo­ra da dis­pu­ta, é pos­sí­vel que o mi­nis­tro Luís Roberto Bar­ro­so en­tre na raia. Ele não tem a mar­ca do ex-pre­si­den­te do STF, mas pre­en­che o re­qui­si­to da fi­cha lim­pa de qu­em nun­ca se me­teu em po­lí­ti­ca elei­to­ral nem com go­ver­nos.

Além des­ses dois ma­gis­tra­dos, há ou­tro no­me, o do juiz Ser­gio Mo­ro. Ele já ne­gou que pre­ten­da con­cor­rer a se­ja lá o que for e sem­pre apre­sen­tou ar­gu­men­tos só­li­dos. Es­pe­cu­lar em tor­no de uma can­di­da­tu­ra de Mo­ro é al­go co­mo vi­a­jar num lan­ce de fic­ção po­lí­ti­ca.

Ima­gi­ne-se Mo­ro em fe­ve­rei­ro do ano que vem, em sua pol­tro­na de ca­sa, em Cu­ri­ti­ba. Ele li­ga a te­le­vi­são e vê os can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia. Mo­ro sa­be co­mo a oli­gar­quia va­leu-se da má­qui­na do go­ver­no de Mi­chel Te­mer pa­ra jo­gar água no cho­pe da La­va Ja­to. Po­de­rá pre­ver o que acon­te­ce­rá com a pos­se de um no­vo pre­si­den­te da­que­le nai­pe. O juiz que mu­dou a ca­ra da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal ve­rá que, con­ti­nu­an­do na pol­tro­na, seu le­ga­do se­rá equi­va­len­te ao da Olim­pía­da do dou­tor Eduardo Pa­es.

Mo­ro cor­re ris­co de en­trar na His­tó­ria pe­lo que fez e de sair pe­lo que não quis fa­zer. Dan­te Alighi­e­ri co­lo­cou no ves­tí­bu­lo do inferno o ere­mi­ta que, uma vez elei­to Pa­pa, de­ci­diu re­nun­ci­ar. (Pe­lo me­nos foi es­sa a his­tó­ria que con­ta­ram ao po­e­ta.)

Se ele não dis­pu­tar, po­de-se es­pe­rar que ou­tro juiz re­sol­va que­brar o jogo vi­ci­a­do que es­tá na me­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.