Atu­a­ção par­la­men­tar de Bol­so­na­ro mos­tra que seu viés li­be­ral é ilu­são

Vi­são econô­mi­ca do pré-can­di­da­to à Pre­si­dên­cia é cor­po­ra­ti­vis­ta, con­ser­va­do­ra e in­ter­ven­ci­o­nis­ta

Folha De S.Paulo - - Poder - BRU­NO CARAZZA

FO­LHA

Saiu na capa da edi­ção de do­min­go (12) da Fo­lha queo mer­ca­do já vê o de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSC-RJ) co­mo op­ção con­tra Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT). Úni­co dos pre­si­den­ciá­veis ca­paz de ame­a­çar o pe­tis­ta até o mo­men­to, Bol­so­na­ro ganha adep­tos no mer­ca­do e no elei­to­ra­do com um dis­cur­so li­be­ral.

No en­tan­to, um le­van­ta­men­to re­a­li­za­do so­bre seu comportamento par­la­men­tar em se­te man­da­tos re­ve­la que há pou­co de li­be­ral nas su­as pro­pos­tas e po­si­ções.

Do to­tal de 166 pro­po­si­ções apre­sen­ta­das por Bol­so­na­ro, mais de um ter­ço pro­cu­ra aten­der in­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos dos mi­li­ta­res. São ini­ci­a­ti­vas vol­ta­das a au­men­tar a re­mu­ne­ra­ção e dis­ci­pli­nar pen­sões, mo­ra­dia e aten­di­men­to mé­di­co, en­tre ou­tras.

Além de bus­car agra­dar a sua ba­se elei­to­ral, Bol­so­na­ro se ocu­pa prin­ci­pal­men­te com te­mas me­nos com­ple­xos (trân­si­to, di­rei­to do con­su­mi­dor, re­gras de con­do­mí­nio) e a de­fe­sa da fa­mí­lia e do pa­tri­o­tis­mo. Nes­se úl­ti­mo gru­po in­clu­em-se des­de pla­ne­ja­men­to fa­mi­li­ar até re­gras pa­ra a exe­cu­ção do hi­no na­ci­o­nal.

No cam­po da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, um dos pon­tos for­tes de seu dis­cur­so, os pro­je­tos su­ge­ri­dos pe­lo pre­si­den­ciá­vel tra­tam ba­si­ca­men­te de li­be­ra­ção do uso de ar­mas pa­ra di­ver­sas ca­te­go­ri­as (um cor­po­ra­ti­vis­mo as­so­ci­a­do a in­te­res­se da in­dús­tria) e o au­men­to das san­ções pe­nais pa­ra cri­mi­no­sos.

É im­por­tan­te des­ta­car, con­tu­do, que a pre­o­cu­pa­ção de Bol­so­na­ro com o au­men­to de pe­nas e a re­du­ção da mai­o­ri­da­de penal só apa­re­ce com mai­or ên­fa­se na sua pro­du­ção le­gis­la­ti­va de­pois de 2013 —o que não dei­xa de ser um da­do cu­ri­o­so pa­ra um ex­mi­li­tar que es­tá há 26 anos na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Na área econô­mi­ca, os 15 pro­je­tos apre­sen­ta­dos por Bol­so­na­ro pas­sam lon­ge de uma po­si­ção li­be­ral. Su­as pro­pos­tas, ao con­trá­rio, re­ve­lam um cla­ro viés in­ter­ven­ci­o­nis­ta, co­mo a de­fe­sa de mu­dan­ças nos con­tra­tos ha­bi­ta­ci­o­nais, a exi­gên­cia de va­gas gra- tui­tas pa­ra ido­sos no trans­por­te aé­reo e a con­ces­são de isen­ções tri­bu­tá­ri­as pa­ra ta­xis­tas, mon­ta­do­ras e di­a­bé­ti­cos. To­das as me­di­das, por­tan­to, bus­cam be­ne­fi­ci­ar al­guns gru­pos em de­tri­men­to de to­dos os de­mais con­tri­buin­tes.

Es­sa vi­são in­ter­ven­ci­o­nis­ta de Bol­so­na­ro tam­bém se ex­pres­sa nos seus vo­tos. Ao ana­li­sar 2.043 vo­ta­ções de PLs, PECs e me­di­das pro­vi­só­ri­as ve­ri­fi­ca-se que Bol­so­na­ro ali­nhou-se com o PT di­ver­sas vezes en­tre o se­gun­do man­da­to de FHC e os dois go­ver­nos de Lu­la. Es­sa iden­ti­fi- ca­ção en­tre po­los tão an­tagô­ni­cos da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal atu­al deu-se, jus­ta­men­te, em pro­je­tos que tra­ta­vam de con­ces­sões de be­ne­fí­ci­os pa­ra o se­tor pri­va­do —in­cen­ti­vos tri­bu­tá­ri­os, par­ce­la­men­tos de dé­bi­tos, cré­di­tos or­ça­men­tá­ri­os e sub­ven­ções.

Pauta mui­to mais pró­xi­ma da No­va Ma­triz Econô­mi­ca de Gui­do Man­te­ga do que de te­ses li­be­rais, por­tan­to.

Em­bo­ra a par­tir do go­ver­no Dil­ma o de­pu­ta­do Bol­so­na­ro te­nha se tor­na­do an­ti­pe­tis­ta em 100% das vo­ta­ções, sua vi­são econô­mi­ca não mu­dou.

Ve­ri­fi­can­do a par­ti­ci­pa­ção de Bol­so­na­ro nas fren­tes par­la­men­ta­res (as fa­mo­sas “ban­ca­das”) na le­gis­la­tu­ra atu­al, vê-se que sua pauta continua vin­cu­la­da ao pro­te­ci­o­nis­mo e ao cor­po­ra­ti­vis­mo.

Além de ati­vo mem­bro das cha­ma­das ban­ca­das da ba­la (se­gu­ran­ça pú­bli­ca) e da Bí­blia (ca­tó­li­cos e evan­gé­li­cos), Bol­so­na­ro tam­bém se vin­cu­la a gru­pos de de­fe­sa de se­to­res econô­mi­cos es­pe­cí­fi­cos (em­prei­tei­ras, agro­ne­gó­cio e de mi­ne­ra­ção). BRU­NO CARAZZA

Fo­lha.

Sem ci­tar Lu­ci­a­no Huck ou sua mu­lher, An­gé­li­ca, a Re­de Glo­bo in­for­mou à Fo­lha que vem re­a­li­zan­do “vá­ri­as con­ver­sas” nes­te fi­nal de ano com fun­ci­o­ná­ri­os seus, vi­san­do con­fir­mar even­tu­ais can­di­da­tos em 2018 e ti­rá-los do ar.

“A Glo­bo tem por há­bi­to, no pe­río­do que an­te­ce­de anos elei­to­rais, con­ver­sar com di­ver­sos pro­fis­si­o­nais de seu ‘cas­ting’ pa­ra lem­brar a po­lí­ti­ca in­ter­na de elei­ções”, afir­mou a emis­so­ra, ques­ti­o­na­da so­bre o apre­sen­ta­dor.

“Por es­sa di­re­triz in­ter­na, já em vi­gor há anos, qu­em tem a in­ten­ção de se can­di­da­tar ou de par­ti­ci­par de al­gu­ma cam­pa­nha elei­to­ral de­ve avi­sar com an­te­ce­dên­cia à emis­so­ra.”

A re­vis­ta “Veja” pu­bli­cou que a di­re­ção da Glo­bo te­ve uma “con­ver­sa franca” com Huck e de­ci­diu que, se ele qui­ser se lan­çar can­di­da­to, “te­rá de sair da emis­so­ra até de­zem­bro, sem vol­ta”.

A pres­são so­bre o apre­sen­ta­dor au­men­tou após su­as reu­niões pú­bli­cas com o Mo­vi­men­to Ago­ra, de Ar­mí­nio Fra­ga e Ilo­na Szá­bo, com o PPS e com o go­ver­na­dor do Es­pí­ri­to San­to, Pau­lo Har­tung (PMDB), son­da­do pa­ra vi­ce.

No ca­so da Glo­bo, a re­de de­fi­ne até de­zem­bro a sua no­va programação, in­clu­si­ve or­ça­men­tos, pa­ra a tem­po­ra­da que co­me­ça em abril.

Mas a pres­são não se res­trin­ge à te­le­vi­são. Tam­bém os pa­tro­ci­na­do­res, tan­to do pro­gra­ma quan­to aque­les di­re­ta­men­te li­ga­dos a Huck, vêm co­bran­do uma de­fi­ni­ção do apre­sen­ta­dor quan­to à sua can­di­da­tu­ra a pre­si­den­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.