Mi­li­ta­res ame­a­çam lí­der do Zim­bá­bue e ocu­pam ca­pi­tal

Gru­po ne­ga que quei­ra der­ru­bar Mu­ga­be e diz ata­car en­tor­no do di­ta­dor; na se­gun­da, ge­ne­ral do Exér­ci­to exi­giu fim de ex­pur­go

Folha De S.Paulo - - Mundo -

Um gru­po de mi­li­ta­res ocu­pa­ram Ha­ra­re, no Zim­bá­bue, nes­ta quar­ta (15) após o co­man­dan­te do Exér­ci­to ame­a­çar in­ter­vir pa­ra acal­mar a ten­são em tor­no da su­ces­são do di­ta­dor Ro­bert Mu­ga­be, 93, há 37 anos no po­der.

As mo­vi­men­ta­ções nos quar­téis co­me­ça­ram no fi­nal da noi­te. Com­boi­os de veí­cu­los blin­da­dos co­me­ça­ram a se ins­ta­lar nas en­tra­das da ci­da­de. Pe­lo me­nos três ex­plo­sões ocor­re­ram na ci­da­de e ti­ros fo­ram ou­vi­dos pró­xi­mo à re­si­dên­cia do di­ta­dor.

Na sequên­cia, ocu­pa­ram a se­de da TV pú­bli­ca, usan­do seus es­tú­di­os pa­ra fa­zer um co­mu­ni­ca­do. Dois mi­li­ta­res não iden­ti­fi­ca­dos afir­ma­vam não se tra­tar de um gol­pe con­tra Mu­ga­be, a qu­em cha­ma­ram de “Sua Ex­ce­lên­cia”, e dis­se­ram que a fa­mí­lia do di­ta­dor “es­tá sã e sal­va”.

“Nós só te­mos co­mo al­vo os cri­mi­no­sos de seu en­tor­no que es­tão co­me­ten­do cri­mes que cau­sam sofrimento so­ci­al e econô­mi­co ao país pa­ra que se fa­ça jus­ti­ça. As­sim que nós cum­prir­mos com nos­sa mis­são, a si­tu­a­ção vol­ta­rá ao nor­mal.”, dis­se o por­ta-voz, sem di­zer a qu­em se re­fe­ria.

Es­ta é a pri­mei­ra vez que há um con­fli­to en­tre Ro­bert Mu­ga­be, um dos lí­de­res mais ve­lhos e lon­ge­vos do mun­do, e as For­ças Ar­ma­das, seu pi­lar de sus­ten­ta­ção.

Na se­ma­na pas­sa­da, o di­ta­dor depôs seu vi­ce, Em­mer­son Mnan­gagwa, 75, e o acu­sou de pla­ne­jar sua der­ru­ba­da, in­clu­si­ve com bru­xa­ria. O po­lí­ti­co, apoi­a­do pe­los mi­li­ta­res e vis­to co­mo um po­ten­ci­al man­da­tá­rio, saiu do país e dis­se ter si­do ame­a­ça­do.

Mais de cem fun­ci­o­ná­ri­os de al­to es­ca­lão acu­sa­dos de dar apoio a Mnan­gagwa, 75, fo­ram pu­ni­dos pe­la ala do re­gi­me li­ga­da à mu­lher de Mu­ga­be, Gra­ce, 52, a mais co­ta­da pa­ra subs­ti­tuir o ri­val do di­ta­dor a par­tir de de­zem­bro.

Na se­gun­da, o co­man­dan­te do Exér­ci­to, Cons­tan­ti­no Chiwen­ga, 61, dis­se que os ex­pur­gos de­ve­ri­am pa­rar ime­di­a­ta­men­te. “Nós de­ve­mos lem­brar àque­les li­ga­dos aos atu­ais trai­do­res que, quan­do ti­ver­mos que pro­te­ger nos­sa re­vo­lu­ção, não va­mos he­si­tar em in­ter­vir.”

O par­ti­do do re­gi­me dis­se que a no­ta foi “cla­ra­men­te cal­cu­la­da pa­ra pre­ju­di­car a paz na­ci­o­nal e in­ci­tar à in­sur­rei­ção”. A pres­são so­ci­al cres­ceu com a cri­se econô­mi­ca. Em 2016, o Zim­bá­bue pas­sou pe­la mai­or on­da de pro­tes­tos con­tra Mu­ga­be em dez anos.

Philimon Bulawayo/Reuters

Sol­da­dos fi­cam em po­si­ção de pa­tru­lha ao la­do de blin­da­do em Ha­ra­re, no Zim­bá­bue

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.