A dis­pu­ta pe­la car­ni­ça do go­ver­no Te­mer

Folha De S.Paulo - - Mercado - VINICIUS TOR­RES FREIRE

A TRO­CA de uns mi­nis­té­ri­os por vo­tos pa­re­cia a ma­nei­ra res­tan­te de apro­var al­gu­ma reforma da Pre­vi­dên­cia. Até que, ago­ra se vê, a tro­ca de mi­nis­té­ri­os tam­bém se tor­nou um pro­ble­ma.

Quan­do não é ape­nas sin­to­ma de do­en­ça letal do go­ver­no, “am­pla reforma mi­nis­te­ri­al” é um mi­to da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra, tal co­mo uma “pro­fun­da” reforma po­lí­ti­ca ou a reforma tri­bu­tá­ria. Mais fá­cil ver o fo­go que a mu­la sem ca­be­ça sol­ta pe­las ven­tas que não tem.

A reforma mi­nis­te­ri­al en­ro­la pro­ble­mas tais co­mo re­dis­tri­bui­ção de feu­dos de ex­plo­ra­ção elei­to­rei­ra, a acomodação de gen­te de­ses­pe­ra­da por um fo­ro pri­vi­le­gi­a­do e a com­po­si­ção de ali­an­ças pa­ra a elei­ção de 2018. Me­lin­dres en­tre par­ti­dos mai­o­res e a tem­po­ra­da de apos­tas em ca­va­los com chan­ce de vi­tó­ria na elei­ção pre­si­den­ci­al di­fi­cul­tam ain­da mais os acor­dos no Con­gres­so.

Di­fí­cil ver que des­se ema­ra­nha­do de pro­ble­mas e con­fli­tos sai­am 308 vo­tos pa­ra mu­dar a Pre­vi­dên­cia.

Pro­ble­ma um, há dis­pu­ta pe­la car­ni­ça do go­ver­no Te­mer. A re­dis­tri­bui­ção de mi­nis­té­ri­os não de­ve ser bas­tan­te pa­ra comprar o apoio de par­ti­dos do cen­trão, que co­me­ça­ram a bri­gar en­tre si pe­lo bu­tim. Os vo­tos ga­nhos pe­la do­a­ção de tal pas­ta a tal par­ti­do cri­am de­sa­fe­tos na ou­tra tur­ma, dis­pu­tas de PR, PP, PRB e PSC. Além do mais, alas do PMDB e o DEM tam­bém que­rem le­var o seu. Co­me­çou mal a coi­sa.

Pro­ble­ma dois: mui­to mi­nis­tro quer fi­car na ca­dei­ra até o mi­nu­to fi­nal do pra­zo da de­sin­com­pa­ti­bi­li­za­ção pa­ra se can­di­da­tar em 2018, a fim de usar o mi­nis­té­rio co­mo pro­pa­gan­da elei­to­ral, “business as usu­al”.

Três: Mi­chel Te­mer pre­ci­sa ar­ru­mar re­fú­gi­os de fo­ro pri­vi­le­gi­a­do pa­ra ali­a­dos com ro­lo na po­lí­cia. Em su­ma, não vai ter ca­dei­ra pa­ra to­do o mun­do que que­ria ven­der vo­to por mi­nis­té­rio.

Qu­a­tro: PMDB e DEM fa­zem ame­a­ças ca­da vez mais crí­veis de que vão lar­gar o PSDB so­zi­nho com Geraldo Alck­min. Não quer di­zer que ali­an­ças e can­di­da­tu­ras prin­ci­pais se­jam lo­go de­fi­ni­das. Mas o jogo de ame­a­ças nes­se sis­te­ma de ali­an­ças le­va a guer­ra tam­bém ao Con­gres­so.

Quan­to mai­or a pos­si­bi­li­da­de de can­di­da­tu­ras va­ri­a­das nes­se bloco, me­nos pro­vá­vel que os par­la­men­ta­res das dis­si­dên­ci­as se em­pe­nhem mui­to em vo­tar com o go­ver­no, mes­mo com ju­ras de amo­res pe­las re­for­mas.

O PMDB já tem um ra­cha lu­lis­ta. O DEM se in­cli­na ca­da vez mais pe­la can­di­da­tu­ra do “out­si­der” de di­rei­ta que su­ba nas pes­qui­sas, qual­quer um. O que vi­er tra­çam, des­de que pa­re­ça um ca­va­lo ven­ce­dor (que po­de até ser Alck­min, se por mi­la­gre o go­ver­na­dor su­bir lo­go nas pes­qui­sas). Se o PSDB fin­gir que na­da te­ve a ver com o go­ver­no Te­mer, par­te do PMDB vai que­rer vin­gan­ça, co­mo vem di­zen­do Ro­me­ro Ju­cá, mi­nis­tro vir­tu­al, se­na­dor e pre­si­den­te do par­ti­do.

Ne­nhum des­ses ro­los vai se re­sol­ver tão ce­do ou tão fa­cil­men­te: reforma agrá­ria de feu­dos mi­nis­te­ri­ais, ali­an­ças lo­cais, can­di­da­tu­ras a pre­si­den­te. Ain­da que se­jam de­sem­ba­ra­ça­dos, não se sa­be o sal­do de in­sa­tis­fa­ções que res­ta­rá. Es­se tu­mul­to, en­fim, di­fi­cul­ta a “re­com­po­si­ção da ba­se”, a aqui­si­ção de vo­tos até pa­ra apro­var o re­men­do do Or­ça­men­to ou da reforma trabalhista. Que di­rá pa­ra a reforma da Pre­vi­dên­cia.

Ca­so Te­mer apro­ve apro­var al­gu­ma mu­dan­ça, te­rá ti­ra­do as mei­as sem ti­rar os sa­pa­tos. vinicius.tor­res@gru­po­fo­lha.com.br

Dis­pu­tas por res­tos de mi­nis­té­rio e can­di­da­tos de 2018 tor­nam im­pro­vá­vel reforma da Pre­vi­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.