Ins­tru­ção mai­or ele­va fos­so sa­la­ri­al en­tre bran­co e ne­gro

Dis­cri­mi­na­ção é bar­rei­ra mes­mo com di­plo­ma, diz pes­qui­sa da Se­a­de e do Di­e­e­se

Folha De S.Paulo - - Mercado - FLA­VIA LI­MA

Ne­gro­com­ní­vel su­pe­ri­or ga­nhou 65% do re­ce­bi­do por bran­co em 2016, di­fe­ren­ça mais al­ta de le­van­ta­men­to

A di­fe­ren­ça sa­la­ri­al en­tre ne­gros e bran­cos cres­ce con­for­me au­men­ta a es­co­la­ri­da­de dos dois gru­pos, in­di­ca pes­qui­sa da Fun­da­ção Se­a­de em con­jun­to com o Di­e­e­se.

Na re­gião me­tro­po­li­ta­na de São Pau­lo, o ren­di­men­to en­tre ne­gros e bran­cos com en­si­no mé­dio in­com­ple­to foi si­mi­lar no ano pas­sa­do.

No mé­dio com­ple­to, ne­gros ga­nha­ram 85% do au­fe­ri­do por bran­cos, mas, no ní­vel su­pe­ri­or, a dis­pa­ri­da­de foi mai­or: ne­gros re­ce­be­ram ape­nas 65% do ob­ti­do por bran­cos em igual con­di­ção.

Os da­dos con­tra­ri­am o sen­so co­mum de que, quan­to mai­or a es­co­la­ri­da­de, me­no­res as di­fe­ren­ças en­tre os gru­pos. Eles mos­tram ain­da que, pa­ra os ne­gros, con­cluir o en­si­no su­pe­ri­or é ape­nas um dos obs­tá­cu­los pa­ra ob­ter um em­pre­go de me­lhor qualidade e su­ge­rem que as bar­rei­ras que im­pe­dem o gru­po de pro­gre­dir na car­rei­ra pro­fis­si­o­nal se­guem fir­mes.

Os ne­gros tam­bém têm que li­dar com de­sem­pre­go mais al­to do que o da po­pu­la­ção bran­ca (res­pec­ti­va­men­te 19,4% e 15,2% em 2016), além de, no ge­ral, ter um ren­di- Di­fe­ren­ça sa­la­ri­al en­tre ne­gros e não ne­gros cres­ce con­for­me o au­men­to da es­co­la­ri­da­de Fon­te: Se­a­de e Di­e­e­se men­to mé­dio equi­va­len­te a 68% do sa­lá­rio dos bran­cos.

Mas, se es­sas du­as va­riá­veis po­dem ser ex­pli­ca­das pe­lo con­tin­gen­te mai­or de tra­ba­lha­do­res ne­gros em se­to­res que so­fre­ram mais com a cri­se —co­mo a cons­tru­ção ci­vil e os ser­vi­ços— ou em ocu­pa­ções me­nos qua­li­fi­ca­das —co­mo o tra­ba­lho do­més­ti­co—, o que di­zer da di­fe­ren­ça sa­la­ri­al mais pro­fun­da à medida que au­men­ta a es­co­la­ri­da­de en­tre os dois gru­pos?

“Quan­do se olha o con­jun­to da obra, é im­pos­sí­vel ne­gar que pre­va­le­ce uma do­se de dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al”, afir­ma Ale­xan­dre Lo­loi­an, eco­no­mis­ta da Fun­da­ção Se­a­de res­pon­sá­vel pe­lo es­tu­do.

Um in­dí­cio dis­so é que há di­fe­ren­ças re­le­van­tes na pre­sen­ça de ne­gros e bran­cos no to­po do mer­ca­do de tra­ba­lho.

Em 2016, 37% dos ocu­pa­dos ne­gros com en­si­no su­pe­ri­or es­ta­vam no gru­po de di­re­ção, ge­rên­cia e pla­ne­ja­men­to; os não ne­gros nes­se gru­po eram 51%. Já en­tre os que de­sen­vol­vi­am ta­re­fas de exe­cu­ção e apoio, os ne­gros eram qua­se 60%, em com­pa­ra­ção a 46% dos não ne­gros.

“O ne­gro jar­di­nei­ro ou do­més­ti­co es­tá no lu­gar so­ci­al­men­te es­pe­ra­do”, diz Mar­ce­lo Pai­xão, professor da Uni­ver­si­da­de do Te­xas em Aus­tin (EUA). O que não ocor­re­ria em pos­tos de co­man­do ou de con­ta­to com o pú­bli­co.

Nu­ma so­ci­e­da­de que clas­si­fi­ca con­for­me a apa­rên­cia, aos ne­gros são re­ser­va­dos car­gos de me­nor pres­tí­gio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.