E o dólar?

Folha De S.Paulo - - Mercado - ALE­XAN­DRE SCHWARTSMAN CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Mar­cia Des­sen; ter­ça: Ben­ja­min Stein­bru­ch; quar­ta: Ale­xan­dre Schwartsman; quin­ta: Lau­ra Carvalho; sex­ta: Pe­dro Luiz Pas­sos; sá­ba­do: Ro­nal­do Cai­a­do; do­min­go: Sa­mu­el Pes­sôa

A des­va­lo­ri­za­ção re­cen­te do re­al, ain­da mo­des­ta, re­fle­te a per­cep­ção de que o ím­pe­to re­for­mis­ta per­de mo­men­to

NOS ÚL­TI­MOS 12 me­ses, o país acu­mu­lou um sal­do co­mer­ci­al re­cor­de, US$ 68 bi­lhões. O au­men­to do re­sul­ta­do co­mer­ci­al tem si­do o prin­ci­pal fa­tor (em­bo­ra não o úni­co) pa­ra a re­du­ção do de­fi­cit nas tran­sa­ções com o res­to do mun­do —que in­clu­em, além da ba­lan­ça co­mer­ci­al, o re­sul­ta­do de ser­vi­ços, bem co­mo o pa­ga­men­to de ju­ros e di­vi­den­dos, en­tre ou­tros— de US$ 104 bi­lhões em 2014 pa­ra pou­co me­nos de US$ 13 bi­lhões nos 12 me­ses ter­mi­na­dos em se­tem­bro des­te ano.

É bem ver­da­de que tan­to em 2015 quan­to em 2016 es­se fenô­me­no re­sul­tou da for­te que­da das im­por­ta­ções efei­to co­la­te­ral da mai­or re­ces­são da his­tó­ria re­cen­te do país. No en­tan­to, o de­sem­pe­nho a par­tir de fim do ano pas­sa­do apre­sen­ta na­tu­re­za dis­tin­ta: as ex­por­ta­ções vol­ta­ram a cres­cer, de al­go co­mo US$ 186 bi­lhões nos 12 me­ses ter­mi­na­dos em ju­nho de 2016 pa­ra qua­se US$ 216 bi­lhões nos 12 me­ses até ou­tu­bro de 2017.

Da mesma for­ma, im­por­ta­ções tam­bém ga­nha­ram fô­le­go, em­bo­ra me­nor: saí­ram de um mí­ni­mo de US$ 136 bi­lhões em no­vem­bro do ano pas­sa­do pa­ra US$ 148 bi­lhões em ou­tu­bro, is­so, lem­bre­mos, em con­tex­to de me­lho­ra, ain­da que dis­cre­ta, da ati­vi­da­de do­més­ti­ca.

A com­bi­na­ção de um ba­lan­ço de pa­ga­men­tos em me­lhor for­ma (mes­mo com a ati­vi­da­de em al­ta) e in­fla­ção em que­da su­ge­re que a ta­xa de câm­bio es­tá bem ali­nha­da a seus fun­da­men­tos, ape­sar das re­cla­ma­ções per­sis­ten­tes da­que­les pa­ra qu­em o pre­ço do dólar es­tá sem­pre 30% abai­xo de seu “va­lor jus­to” (per­dão, a ex­pres­são ago­ra é “ta­xa de câm­bio de equi­lí­brio in­dus­tri­al”, em­bo­ra o sig­ni­fi­ca­do prá­ti­co se­ja exa­ta­men­te o mes­mo, is­to é, na­da).

Pos­to de ou­tra for­ma, con­si­de­ra­da a atu­al cons­te­la­ção de pre­ços de com­mo­di­ti­es, cres­ci­men­to do co­mér­cio glo­bal e con­di­ções de li­qui­dez in­ter­na­ci­o­nal, a sem­pre tão cri­ti­ca­da ta­xa de câm­bio não é um obs­tá­cu­lo à re­cu­pe­ra­ção, mui­to pe­lo con­trá­rio.

De fa­to, no ca­so da in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca, por exem­plo, o au­men­to das ex­por­ta­ções lí­qui­das tem si­do o prin­ci­pal fa­tor de im­pul­so à pro­du­ção do­més­ti­ca. Já no que se re­fe­re à in­dús­tria co­mo um to­do, há tam­bém in­di­ca­ções de que mai­o­res ex­por­ta­ções de ma­nu­fa­tu­ras têm de­sem­pe­nha­do pa­pel re­le­van­te na re­cu­pe­ra­ção do se­tor, 4% de al­ta des­de ou­tu­bro de 2016.

A des­va­lo­ri­za­ção re­cen­te da mo­e­da na­ci­o­nal, ain­da mo­des­ta, re­fle­te mais a per­cep­ção (cor­re­ta, a pro­pó­si­to) de que, de­pois de um bom iní­cio, o ím­pe­to re­for­mis­ta do go­ver­no Te­mer vem per­den­do mo­men­to. Tal­vez não por aca­so, o dólar co­me­ça a se apro­xi­mar do va­lor re­gis­tra­do no mo­men­to de eclo­são do es­cân­da­lo da JBS, quan­do, ao que pa­re­ce, hou­ve o en­ten­di­men­to de que re­for­mas do por­te da pre­vi­den­ciá­ria es­ta­vam fo­ra do al­can­ce da atu­al ad­mi­nis­tra­ção.

Aos pou­cos vai cain­do a fi­cha de Te­nho a hon­ra e o pra­zer de co­nhe­cer Wil­li­am Wa­ack e acre­di­to que a coluna de De­mé­trio Mag­no­li de sá­ba­do (11) é a me­lhor aná­li­se des­se epi­só­dio la­men­tá­vel. A fra­se é, de fa­to, abo­mi­ná­vel, mas te­nho cer­te­za de que Wil­li­am es­tá lon­ge de ser ra­cis­ta e cer­te­za ain­da mai­or da hi­po­cri­sia de vá­ri­os de seus crí­ti­cos, que, em fa­ce de ma­ni­fes­ta­ções se­me­lhan­tes, se ca­la­ram por ra­zões de con­ve­ni­ên­cia po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria. ALE­XAN­DRE SCHWARTSMAN,

www.schwartsman.com.br

@alexs­chwarts­man as­chwarts­man@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.