Ônus e bô­nus

Folha De S.Paulo - - Opinião -

A po­lí­ti­ca do go­ver­no Trump pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na es­tá em ple­no mo­vi­men­to. Da re­ne­go­ci­a­ção do Naf­ta ao en­du­re­ci­men­to com a Ve­ne­zu­e­la, a Ca­sa Bran­ca pi­sou no ace­le­ra­dor da di­plo­ma­cia re­gi­o­nal. Nos pró­xi­mos no­ve meses, es­sa má­qui­na ga­nha­rá ve­lo­ci­da­de e vi­da pró­pria.

O mo­ti­vo é fá­cil de en­ten­der: em no­vem­bro, o pre­si­den­te ame­ri­ca­no en­fren­ta­rá seu tes­te mais du­ro, pois o Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no dis­pu­ta­rá 435 va­gas pa­ra de­pu­ta­do, 34 as­sen­tos no Se­na­do, 39 go­ver­nos Es­ta­du­ais e uma por­ção de câ­ma­ras lo­cais. O re­sul­ta­do da dis­pu­ta de­fi­ni­rá quão ár­duo se­rá o res­to do man­da­to pre­si­den­ci­al e si­na­li­za­rá quais as chan­ces de Trump em uma even­tu­al cam­pa­nha pe­la re­e­lei­ção.

Na prá­ti­ca, is­so sig­ni­fi­ca que boa par­te da di­plo­ma­cia la­ti­no­a­me­ri­ca­na do go­ver­no Trump se­rá fei­ta em Es­ta­dos co­mo Fló­ri­da, Ari­zo­na e Te­xas, on­de a diás­po­ra la­ti­na tem pre­sen­ça elei­to­ral sig­ni­fi­ca­ti­va. En­tra aí boa par­te da agenda em te­mas tais co­mo se­gu­ran­ça, nar­co­trá­fi­co, Cu­ba e Ve­ne­zu­e­la.

Ou­tra par­te da agenda se­rá do­mi­na­da pe­la ne­ces­si­da­de que Trump tem de mo­bi­li­zar o elei­tor tra­di­ci­o­nal do Par­ti­do De­mo­cra­ta que, nas úl­ti­mas eleições, virou a ca­sa­ca pa­ra dar-lhe a vi­tó­ria so­bre Hil­lary Clin­ton. En­tra aí a agenda de imi­gra­ção, co­mér­cio, Chi­na e Naf­ta.

Pa­ra o Bra­sil, tais cir­cuns­tân­ci­as cri­am opor­tu­ni­da­des que an­tes não exis­ti­am. A mais ób­via diz res­pei­to à no­va dis­po­si­ção ame­ri­ca­na de de­nun­ci­ar o au­men­to da pre­sen­ça chi­ne­sa na Amé­ri­ca La­ti­na.

Os chi­ne­ses re­pre­sen­tam o no­vo ei­xo de nos­sa de­pen­dên­cia ex­ter­na. Além da po­si­ção que ocu­pam na pau­ta de ex­por­ta­ções e de in­ves­ti­men­tos, os chi­ne­ses aca­bam de com­prar um ter­ço do se­tor elé­tri­co bra­si­lei­ro e pro­me­tem abo­ca­nhar par­ce­las sig­ni­fi­ca­ti­vas da ge­ra­ção elé­tri­ca fu­tu­ra.

A re­tó­ri­ca e a re­a­li­da­de da com­pe­ti­ção en­tre Washing­ton e Pe­quim na Amé­ri­ca La­ti­na têm tu­do pa­ra be­ne­fi­ci­ar o Bra­sil.

Só que a na­tu­re­za do jogo tam­bém im­põe no­vos ris­cos aos in­te­res­ses bra­si­lei­ros. O mais gri­tan­te re­fe­re-se à Ve­ne­zu­e­la. Co­mo Washing­ton fa­rá di­plo­ma­cia de olho na ur­na, su­as chan­ces de me­ter os pés pe­las mãos são enor­mes, ao pas­so que nos­sa ca­pa­ci­da­de de con­ter de­sas­tres continua mí­ni­ma.

Além dis­so, a no­va di­plo­ma­cia de Trump pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na cria uma di­nâ­mi­ca com­pe­ti­ti­va en­tre os paí­ses da re­gião: Ju­an Ma­nu­el San­tos, da Colôm­bia, e Mau­ri­cio Ma­cri, da Ar­gen­ti­na, já se mo­vem pa­ra ti­rar van­ta­gem, aten­den­do de­man­das ame­ri­ca­nas em tro­ca de re­cur­sos po­lí­ti­cos.

Ocor­re que es­sa di­nâ­mi­ca che­ga em um momento no qual o Bra­sil não con­se­gue — de­vi­do às cir­cuns­tân­ci­as do go­ver­no Te­mer e ao ca­len­dá­rio elei­to­ral— par­tir pa­ra ci­ma.

O ônus e o bô­nus de um even­tu­al ajus­te di­plo­má­ti­co fi­ca­rão pa­ra o pró­xi­mo pre­si­den­te bra­si­lei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.