Saú­de e li­ber­da­de

Folha De S.Paulo - - Opinião -

A epi­de­mia mun­di­al de obe­si­da­de é fenô­me­no con­cre­to e cons­ti­tui um de­sa­fio pa­ra as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as. O ex­ces­so de pe­so, afi­nal, es­tá as­so­ci­a­do a uma sé­rie de mo­lés­ti­as gra­ves co­mo di­a­be­tes, do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res e até al­guns ti­pos de cân­cer.

Di­an­te de uma dis­pa­ra­da dos ín­di­ces de so­bre­pe­so infantil, o go­ver­no chi­le­no de­cla­rou guer­ra a ali­men­tos in­sa­lu­bres, im­pon­do mu­dan­ças nas em­ba­la­gens, cri­an­do res­tri­ções à pu­bli­ci­da­de e ele­van­do a carga tri­bu­tá­ria de pro­du­tos co­mo os re­fri­ge­ran­tes.

A me­ta se mos­tra, a prin­cí­pio, cor­re­ta. Res­ta sa­ber se os mei­os es­co­lhi­dos são os mais in­di­ca­dos.

Ob­je­ti­vos so­ci­ais re­le­van­tes não ra­ro se cho­cam com ga­ran­ti­as às li­ber­da­des in­di­vi­du­ais. Se­ria uma in­tro­mis­são des­ca­bi­da do Es­ta­do na vi­da pri­va­da, por exem­plo, proi­bir to­do o con­su­mo de ál­co­ol pa­ra re­du­zir as mor­tes no trân­si­to.

As re­gras ado­ta­das no Chi­le não che­gam, ob­vi­a­men­te, a ta­ma­nha ar­bi­tra­ri­e­da­de. Ain­da as­sim, en­se­jam dis­cus­são —o te­ma tam­bém es­tá em pau­ta no Bra­sil.

Lá, o go­ver­no de­ter­mi­nou que as em­ba­la­gens de ali­men­tos que con­te­nham al­tos te­o­res de sal, açú­car e gor­du­ra tra­gam aler­tas pa­ra o ris­co de con­su­mir o pro­du­to.

Tais nor­mas de ro­tu­la­gem pa­re- cem cor­re­tas, des­de que se evi­te o alar­mis­mo. Em­pre­sas não po­dem se fur­tar à obri­ga­ção de for­ne­cer a me­lhor in­for­ma­ção ci­en­tí­fi­ca dis­po­ní­vel so­bre o que co­mer­ci­a­li­zam.

Mais con­tro­ver­sas são as res­tri­ções ao mar­ke­ting, que já ba­ni­ram íco­nes co­mo o ti­gre Tony, dos ce­re­ais açu­ca­ra­dos Kel­logg’s. Nes­te ca­so se in­ter­fe­re na li­ber­da­de de ex­pres­são: se dis­ci­pli­nar a pu­bli­ci­da­de é ra­zoá­vel, o ve­to to­tal a de­ter­mi­na­dos con­teú­dos só se jus­ti­fi­ca em ca­sos ex­tre­mos.

Tam­bém ins­pi­ra cautela a ideia de ele­var a tri­bu­ta­ção de ar­ti­gos mui­to ca­ló­ri­cos, a exem­plo do que vá­ri­os paí­ses já fa­zem com o ci­gar­ro e o ál­co­ol. Em­bo­ra de­fen­sá­vel, o uso de tal ins­tru­men­to de­ve mi­rar ape­nas o con­su­mo abu­si­vo —não fa­ria sen­ti­do, por exem­plo, so­bre­ta­xar o pão e o ma­car­rão.

De­ve-se le­var em con­ta que, di­fe­ren­te­men­te do ci­gar­ro —uma dro­ga que vi­cia e pre­ju­di­ca não so­men­te seus usuá­ri­os co­mo aque­les que os cer­cam—, ali­men­tos são ne­ces­sá­ri­os à vi­da. Mes­mo os que en­gor­dam não são ina­de­qua­dos pa­ra to­dos a to­do momento.

Ca­be ao Es­ta­do, sem dú­vi­da, pro­mo­ver há­bi­tos sau­dá­veis. Mas há que pre­ser­var ao má­xi­mo a li­ber­da­de das em­pre­sas de atu­ar e, prin­ci­pal­men­te, a do ci­da­dão de es­co­lher o que vai ou não co­mer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.