Uma mis­são de to­dos

É um de­sa­fio ga­ran­tir o aces­so à saú­de a to­dos os bra­si­lei­ros; fi­ca ain­da mais di­fí­cil quan­do o tra­ba­lho é fei­to sem par­ce­ri­as

Folha De S.Paulo - - Opinião - EDU­AR­DO CALDERARI www.fo­lha.com.br/pai­nel­do­lei­tor saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Pau­lo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

Re­cen­te­men­te pe­di­ram-me pa­ra re­su­mir em uma fra­se o que pen­so so­bre o aces­so à saú­de no Bra­sil. Re­fle­ti so­bre a di­ver­si­da­de do país e o prin­cí­pio da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de que a “saú­de é di­rei­to de to­dos”, in­de­pen­den­te­men­te do mu­ni­cí­pio e do po­der aqui­si­ti­vo do ci­da­dão.

Is­so sig­ni­fi­ca que é ne­ces­sá­rio per­cor­rer 8.516.000 km², 47% do ter­ri­tó­rio sul-ame­ri­ca­no, e atin­gir mais de 200 mi­lhões de pes­so­as —des­de co­mu­ni­da­des iso­la­das até os que vi­vem em gran­des me­tró­po­les.

É um de­sa­fio con­tem­plar a to­dos; tor­na-se ain­da mais di­fí­cil quan­do o tra­ba­lho é fei­to sozinho.

De­fi­no aces­so co­mo uma ação co­la­bo­ra­ti­va, co­me­çan­do pe­la cons­ci­en­ti­za­ção de to­da a ca­deia de saú­de so­bre co­mo ca­da in­te­gran­te po­de con­tri­buir den­tro de sua es­pe­ci­a­li­da­de.

Va­le vi­si­tar ini­ci­a­ti­vas in­ter­na­ci­o­nais in­te­res­san­tes pa­ra sa­nar al­guns dos com­ple­xos pro­ble­mas da saú­de. Em co­mum, elas têm co­mo fo­co a ges­tão de re­cur­sos ade­qua­da às ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção.

Há, por exem­plo, o mo­de­lo pri­va­do, co­mo é o ca­so dos Es­ta­dos Uni­dos, ou o mo­de­lo europeu, cu­jos ser­vi­ços par­ti­cu­la­res são fi­nan­ci­a­dos pe­los go­ver­nos.

Nos­sas di­fe­ren­ças so­ci­o­e­conô­mi­cas em re­la­ção a es­ses paí­ses é gri­tan­te, é cer­to. Mas há bo­as no­tí­ci­as: nós, do se­tor pri­va­do, es­ta­mos “ar­re­ga­çan­do as man­gas”, nos co­lo­can­do à dis­po­si­ção pa­ra co­la­bo­rar com o po­der pú­bli­co.

Na pon­ta que ca­be à in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca, abri­mos por­tas pa­ra ne­go­ci­a­ções com prá­ti­cas de des­con­tos que re­sul­ta­ram em in­cor­po­ra­ções fun­da­men­tais.

De­sen­vol­ve­mos mo­de­los de re­em­bol­so per­so­na­li­za­do, de ris­co com­par­ti­lha­do, as­se­gu­ran­do que ope­ra­do­ras de saú­de pa­guem ape­nas por te­ra­pi­as com re­sul­ta­dos cla­ros —exe­cu­tan­do, de fa­to, uma par­ce­ria efe­ti­va.

Po­de­mos e de­ve­mos co­la­bo­rar pa­ra sa­nar gar­ga­los re­gi­o­nais, ma­pe­an­do obs­tá­cu­los —co­mo o bai­xo ní­vel de in­for­ma­ção so­bre do­en­ças, o di­ag­nós­ti­co tar­dio, as es­tru­tu­ras pre­cá­ri­as e in­su­fi­ci­en­tes e a cres­cen­te fal­ta de re­cur­sos.

Por ou­tro la­do, o Mi­nis­té­rio da Saú­de tam­bém tem fei­to um tra­ba­lho de mu­dan­ças es­sen­ci­ais, co­mo a apro­va­ção de pro­pos­tas de PDPs de me­di­ca­men­tos ino­va­do­res (par­ce­ri­as pa­ra co­o­pe­ra­ção, de ins­ti­tu- ições pú­bli­cas e en­ti­da­des pri­va­das, pa­ra de­sen­vol­vi­men­to, trans­fe­rên­cia e ab­sor­ção de tec­no­lo­gia em pro­du­tos im­por­tan­tes pa­ra aten­der às de­man­das do SUS). Pre­ci­sa­mos de mais par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das pa­ra ace­le­rar pro­ces­sos de­ci­só­ri­os.

Sa­be­mos que, em 20 anos, o nú­me­ro de ido­sos irá qua­se do­brar. A po­pu­la­ção aci­ma dos 80 anos au­men­ta­rá em mais de 150%.

Pro­je­ções da OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de) pa­ra 2030 in­di­cam que as prin­ci­pais cau­sas de mor­ta­li­da­de no mun­do não se­rão mais as do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res ou ce­re­bro­vas­cu­la­res e sim o cân­cer, já com­ba­ti­do com tec­no­lo­gi­as de pon­ta no se­tor pri­va­do, mas não no pú­bli­co.

Com es­te ce­ná­rio, ob­ser­vo a so­ci­e­da­de se apro­xi­man­do das es­fe­ras po­lí­ti­cas, usan­do do po­der so­ci­al, en­tre ou­tras im­por­tan­tes ini­ci­a­ti­vas.

Si­nal de ama­du­re­ci­men­to de uma po­pu­la­ção dis­pos­ta a co­la­bo­rar no que lhe ca­be. Fa­ço aqui um con­vi­te: va­mos exer­cer a co­la­bo­ra­ção pa­ra fa­zer a diferença no sis­te­ma pú­bli­co de saú­de, bus­can­do ca­mi­nhos pa­ra mais qua­li­da­de, se­gu­ran­ça e aces­si­bi­li­da­de a to­dos, in­de­pen­den­te­men­te de on­de es­ti­ve­rem. EDU­AR­DO CALDERARI

Equi­vo­ca-se Mar­ce­lo Ar­bix Nas­cim­bem ao com­pa­rar o blo­queio de ru­as du­ran­te o Car­na­val com o AI-5 (“Pai­nel do Lei­tor”, 14/2). Já es­ti­ve em No­va York du­ran­te o Ré­veil­lon e, ao vol­tar pa­ra o apar­ta­men­to que fi­ca­va den­tro da área in­ter­di­ta­da, a po­lí­cia pe­diu um com­pro­van­te e me acom­pa­nhou até a por­ta do pré­dio. Is­so é pra­xe por lá. Os EUA são o mai­or exem­plo de de­mo­cra­cia e li­ber­da­de. É pre­ci­so não exa­ge­rar, há mui­ta his­te­ria no ar.

NU­NO M. M. MAR­TINS

Mães en­car­ce­ra­das Ilo­na Sza­bó de Car­va­lho começa seu ar­ti­go com um ape­lo: “Por fa­vor, pen­sem nas cri­an­ças” (“Infância atrás das gra­des”, “Co­ti­di­a­no”, 14/2). A au­to­ra não es­con­de sua an­gús­tia ao abor­dar o te­ma. En­tre­tan­to, se pe­la lei to­dos nós so­mos iguais, co­mo con­du­zir de ma­nei­ra jus­ta es­sa de­si­gual­da­de que ela pro­põe na apli­ca­ção des­sa mes­ma lei? Que pe­na foi nin­guém ter di­to a es­sas mães, hoje en­car­ce­ra­das, que pen­sas­sem nas su­as cri­an­ças an­tes de co­me­ter os de­li­tos que as le­va­ram ao cár­ce­re.

JOÃO MA­NU­EL CAR­VA­LHO MAIO

Pu­bli­ci­da­de Ini­ma­gi­ná­vel um es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia in­frin­gir a Lei Ci­da­de Lim­pa —e ain­da usan­do a ban­dei­ra co­mo pro­du­to (“Exal­ta­da por Do­ria, ban­dei­ra com mar­ca in­frin­ge Lei Ci­da­de Lim­pa”, “Co­ti­di­a­no”, 13/2). Nas fai­xas, a fra­se “Eu amo o Bra­sil”, com o pro­no­me na pri­mei­ra pes­soa do sin­gu­lar, é bem re­ve­la­do­ra do ti­po de pa­tri­o­tis­mo que os ad­vo­ga­dos ale­gam ter. A pre­fei­tu­ra sem­pre atu­an­do com a má­xi­ma: “Pa­ra meus amigos, tu­do”.

MARCY JUNQUEIRA

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FO­LHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO ASSINANTE: OM­BUDS­MAN:

Es­que­ce­ram-se de per­gun­tar ao go­ver­na­dor Rui Cos­ta (PT), que de­fen­de com ve­e­mên­cia a can­di­da­tu­ra de Lu­la à Pre­si­dên­cia, quem se­ria o no­me mais in­di­ca­do pa­ra com­por a cha­pa co­mo can­di­da­to a vi­ce. Cer­ta­men­te ele ma­ni­fes­ta­ria a op­ção pe­los no­mes de Sér­gio Ca­bral ou de Fer­nan­di­nho Bei­ra-Mar.

JO­A­QUIM ARTHUR PE­DREI­RA FRANCO DE CAS­TRO

Ve­ne­zu­e­la É tris­te cons­ta­tar que em ple­no sé­cu­lo 21 ain­da exis­tam fo­me e des­nu­tri­ção (“Mai­o­ria dos ve­ne­zu­e­la­nos até 5 anos es­tá des­nu­tri­da, diz co­mis­são”, “Mun­do”, 13/2).

JOÃO ANTONIO MICHELETTI,

Au­xí­lio-mo­ra­dia Se­ria me­lhor que a Fo­lha, na sua cam­pa­nha con­tra o au­xí­li­o­mo­ra­dia, não en­xo­va­lhas­se pes­so­al­men­te ca­da um dos juí­zes que têm se des­ta­ca­do na mí­dia, prin­ci­pal­men­te com­ba­ten­do a cor­rup­ção. Se já sa­be que qua­se to­da a ma­gis­tra­tu­ra re­ce­be o be­ne­fí­cio, pa­ra não ser se­le­ti­vo, re­dun­dan­te e não can­sar o lei­tor, de­ve­ria o jor­nal fa­zer re­por­ta­gens so­bre juí­zes que de­cli­na­ram do be­ne­fí­cio, em vez de de­ne­grir aque­les que pas­sa­ram a re­ce­bê-lo, com ba­se em lei com­ple­men­tar à Cons­ti­tui­ção.

JORGE AL­BER­TO QUA­DROS DE CAR­VA­LHO SIL­VA,

Ni­zan Gu­a­na­es Len­do a co­lu­na de Ni­zan Gu­a­na­es (“Ju­lio Ri­bei­ro”, “Mercado”, 13/2), pen­sei o mes­mo que o lei­tor Rodrigo Le­vi­no (“Pai­nel do Lei­tor”, 14/2): qual foi a im­por­tân­cia do tra­ba­lho de Ju­lio Ri­bei­ro? Con­fes­so que que­ria sa­ber mais so­bre ele. Mas o que li foi um re­su­mo da tra­je­tó­ria do au­tor da co­lu­na. Es­tra­nha ho­me­na­gem.

MÁR­CIA GONÇALVES,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.