Ex­tra pa­ra ser­vi­dor cus­ta 1/4 do Bol­sa Fa­mí­lia

Folha De S.Paulo - - Poder - BRUNO CARAZZA

ES­PE­CI­AL PA­RA A FO­LHA

A re­cen­te po­lê­mi­ca en­vol­ven­do o au­xí­lio-mo­ra­dia no Ju­di­ciá­rio de­man­da um olhar mais abran­gen­te so­bre o pro­ces­so, que ge­ra dis­tor­ções sa­la­ri­ais no ser­vi­ço pú­bli­co.

Quan­do o Con­gres­so es­ta­be­le­ceu que o ven­ci­men­to má­xi­mo no se­tor pú­bli­co se­ria o sub­sí­dio dos mi­nis­tros do STF, a in­ten­ção era coi­bir abu­sos. No en­tan­to, o que era pa­ra ser te­to pas­sou a ser en­ca­ra­do por di­ver­sas cor­po­ra­ções co­mo uma me­ta.

Em Bra­sí­lia, os sa­lá­ri­os e be­ne­fí­ci­os são tan­to mai­o­res quan­to o po­der de pres­são das ca­te­go­ri­as.

Foi as­sim que juí­zes es­ta­du­ais (e, por si­me­tria, mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e de Tri­bu­nais de Con­tas) con­se­gui­ram ga­ran­tir na Cons­ti­tui­ção um vín­cu­lo au­to­má­ti­co (90,25%) de seus sa­lá­ri­os com os dos mi­nis­tros do Su­pre­mo. E ser­vi­do­res de car­rei­ras da eli­te dos Po­de­res Exe­cu­ti­vo e Le­gis­la­ti­vo con­se­gui­ram re­a­jus­tes tão su­pe­ri­o­res à in­fla­ção que le­va­ram seus ga­nhos a tan­gen­ci­ar o te­to.

Com o agra­va­men­to da cri­se fis­cal, o go­ver­no tem se­gu­ra­do re­a­jus­tes pa­ra os mi­nis­tros do STF bus­can­do con­ter o efei­to cas­ca­ta so­bre to­do o fun­ci­o­na­lis­mo. Nes­se con­tex­to, o au­xí­lio-mo­ra­dia sur­giu co­mo uma for­ma de au­to­con­ces­são de um au­men­to sa­la­ri­al dis­far­ça­do, bur­lan­do o te­to.

O pro­ble­ma do au­xí­lio-mo­ra­dia, con­tu­do, não é ex­clu­si­vi­da­de do Ju­di­ciá­rio. O Exe­cu­ti­vo tam­bém gas­ta uma par­ce­la ex­pres­si­va com es­se be­ne­fí­cio pa­ra mi­nis­tros, al­tos di­ri­gen­tes, mi­li­ta­res e di­plo­ma­tas. E pa­ra agra­var a si­tu­a­ção, a es­tra­té­gia de cri­ar pen­du­ri­ca­lhos sa­la­ri­ais tem se es­pa­lha­do por ou­tras car­rei­ras po­de­ro­sas em Bra­sí­lia.

Em 2016, os mem­bros da Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União con­se­gui­ram em lei o di­rei­to a re­ce­ber ho­no­rá­ri­os de su­cum­bên­cia pe­las cau­sas ga­nhas pe­la União (pa­gos pe­la par­te per­de­do­ra).

De acor­do com da­dos do Por­tal da Trans­pa­rên­cia, de fe­ve­rei­ro a no­vem­bro de 2017 es­sa ru­bri­ca en­gor­dou os con­tra­che­ques em R$ 3.800 men­sais, em mé­dia.

Já em 2017 foi a vez de os au­di­to­res e ana­lis­tas da Re­cei­ta Fe­de­ral ga­ran­ti­rem, tam­bém em lei, um bô­nus de efi­ci­ên­cia e pro­du­ti­vi­da­de. En­quan­to o go­ver­no não re­gu­la­men­ta a for­ma de cál­cu­lo des­se ex­tra sa­la­ri­al, os ser­vi­do­res do ór­gão vêm re­ce­ben­do en­tre R$ 1.800 e R$ 3.000 por mês.

Em fa­ce da gra­ve cri­se fis­cal, o go­ver­no ten­tou sus­pen­der o re­a­jus­te li­ne­ar de 5% so­bre as prin­ci­pais car­rei­ras do Exe­cu­ti­vo con­ce­di­dos por Mi­chel Te­mer em 2016. Uma li­mi­nar do mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki, con­tu­do, ga­ran­tiu um au­men­to su­pe­ri­or à in­fla­ção pa­ra es­ses ser­vi­do­res, que já ga­nham en­tre R$ 20 mil e R$ 30 mil men­sais.

Uma rá­pi­da con­ta de guar­da­na­po de bar ofe­re­ce uma me­di­da do grau des­sas dis­tor­ções. O Bra­sil tem atu­al­men­te 18.011 juí­zes e 13.087 mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Con­si­de­ran­do o va­lor de R$ 4.377,73 men­sais do au­xí­lio-mo­ra­dia, te­mos R$ 1,63 bi­lhão por ano. So­man­do-se os R$ 380 mi­lhões que o Po­der Exe­cu­ti­vo gas­tou em 2017, a fa­tu­ra pas­sa de R$ 2 bi­lhões.

So­mam-se a eles mais R$ 580 mi­lhões anu­ais pe­los ho­no­rá­ri­os de su­cum­bên­cia da AGU e ou­tros R$ 2 bi­lhões pre­vis­tos pa­ra o bô­nus dos fis­cais da Re­cei­ta. Já o re­a­jus­te sa­la­ri­al pa­ra as car­rei­ras da eli­te do Exe­cu­ti­vo, por sua vez, fi­ca­rá em tor­no de R$ 2,6 bi­lhões em 2018.

No con­jun­to, es­ses pen­du­ri­ca­lhos e re­a­jus­tes pa­ra car­rei­ras pri­vi­le­gi­a­das do se­tor pú­bli­co passam de R$ 7,2 bi­lhões por ano.

Pa­ra fins de com­pa­ra­ção, o or­ça­men­to do Bol­sa Fa­mí­lia em 2018 é de R$ 28,7 bi­lhões. Ou se­ja, ape­nas com es­ses agra­dos a pou­cos mi­lha­res de ser­vi­do­res que já se en­con­tram no to­po dos 2% ou 3% mais ri­cos da pi­râ­mi­de de ren­da bra­si­lei­ra, a União e os Es­ta­dos des­pen­dem em tor­no de 25% do mai­or programa so­ci­al do país, que aten­de qua­se 14 mi­lhões de fa­mí­li­as mi­se­rá­veis.

A culpa da cri­se fis­cal não é nem de lon­ge ex­clu­si­va dos ser­vi­do­res pú­bli­cos —as cen­te­nas de bi­lhões dos in­cen­ti­vos fis­cais con­ce­di­dos na úl­ti­ma dé­ca­da pa­ra gran­des em­pre­sas têm uma res­pon­sa­bi­li­da­de mui­to mai­or.

Mas é ine­gá­vel que tam­bém pre­ci­sa­mos de uma com­ple­ta re­vi­são da po­lí­ti­ca re­mu­ne­ra­tó­ria no ser­vi­ço pú­bli­co, vi­san­do er­ra­di­car to­da for­ma de pen­du­ri­ca­lhos e pa­ga­men­tos in­de­vi­dos num país tão de­si­gual. BRUNO CARAZZA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.