Te­mer de­cre­ta­rá emer­gên­cia em Ro­rai­ma

Re­fu­gi­a­dos ve­ne­zu­e­la­nos, mui­tos em si­tu­a­ção de rua, sa­tu­ram re­de de saú­de pú­bli­ca e ser­vi­ços em Boa Vis­ta

Folha De S.Paulo - - Mundo - GUS­TA­VO URIBE TALITA FERNANDES

Pre­si­den­te se en­vol­veu pes­so­al­men­te na cri­se, na ten­ta­ti­va de cri­ar mar­ca do go­ver­no na área da se­gu­ran­ça

Na ten­ta­ti­va de cri­ar uma mar­ca na área da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer en­vol­veu-se pes­so­al­men­te na cri­se dos re­fu­gi­a­dos ve­ne­zu­e­la­nos e de­cre­ta­rá si­tu­a­ção de emer­gên­cia so­ci­al em Ro­rai­ma.

Na sex­ta-fei­ra (16), se­rá pu­bli­ca­da uma me­di­da pro­vi­só­ria per­mi­tin­do o re­pas­se ime­di­a­to de re­cur­sos fe­de­rais e a atu­a­ção das For­ças Ar­ma­das na co­or­de­na­ção das ações hu­ma­ni­tá­ri­as.

O Pa­lá­cio do Pla­nal­to ain­da não de­fi­niu o mon­tan­te que se­rá des­ti­na­do à cri­se, mas de­ve aten­der à de­man­da do go­ver­no es­ta­du­al, que so­li­ci­tou R$ 15 mi­lhões.

Na se­ma­na pas­sa­da, o pre­si­den­te en­vi­ou uma co­mi­ti­va de mi­nis­tros a Boa Vis­ta pa­ra ava­li­ar a si­tu­a­ção dos cer­ca de 40 mil ve­ne­zu­e­la­nos que cru­za­ram a fron­tei­ra.

Na se­gun­da-fei­ra (12), Te­mer foi a Ro­rai­ma, mas não vi­si­tou abri­gos e a pra­ça on­de acam­pam os re­fu­gi­a­dos.

Com uma re­jei­ção de 70%, o eme­de­bis­ta tem apos­ta­do na se­gu­ran­ça pú­bli­ca co­mo uma ma­nei­ra de me­lho­rar a ima­gem do go­ver­no.

Ele pre­ten­de cri­ar em mar­ço o Mi­nis­té­rio da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e apro­var nes­te ano me­di­das no Con­gres­so Na­ci­o­nal co­mo o au­men­to de pe­nas de cri­mes de al­ta pe­ri­cu­lo­si­da­de e o mo­ni­to­ra­men­to de con­ver­sas de che­fes de fac­ção em pre­sí­di­os fe­de­rais.

Nes­ta quar­ta-fei­ra (14), o pre­si­den­te se reu­niu com a mi­nis­tros pa­ra de­fi­nir de­ta­lhes da ope­ra­ção na fron­tei­ra. O go­ver­no du­pli­ca­rá de 100 pa­ra 200 o efe­ti­vo mi­li­tar e en­vi­a­rá à re­gião um hos­pi­tal de cam­pa­nha pa­ra fa­zer ci­rur­gi­as e con­sul­tas.

“Se­rá ins­ti­tuí­da a emer­gên­cia so­ci­al e as For­ças Ar­ma­das pas­sa­rão a co­or­de­nar to­da a ação e o efe­ti­vo mi­li­tar e que o Bra­sil não po­de se fe­char pa­ra “um po­vo ir­mão”. Ele pon­de­rou, con­tu­do, que Ro­rai­ma vi­ve uma si­tu­a­ção de sa­tu­ra­ção em ser­vi­ços.

“O pre­si­den­te Te­mer en­ten­deu que ca­be­ria na­ci­o­na­li­zar es­sa ques­tão”, dis­se. “O Bra­sil é um país de imi­gran­tes e não po­de fe­char os olhos. Se te­mos di­fe­ren­ças hoje com o go­ver­no o dis­sen­so pas­sa e as re­la­ções en­tre os po­vos con­ti­nu­am”.

O mi­nis­tro dis­se ain­da que as trans­fe­rên­ci­as de ve­ne­zu­e­la­nos pa­ra ou­tros Es­ta­dos de­ve ter iní­cio até mar­ço, mas que a co­or­de­na­ção dis­so es­tá com a Ca­sa Ci­vil.

A en­tra­da de re­fu­gi­a­dos sa­tu­rou a re­de de saú­de pú­bli­ca, au­men­tou o de­sem­pre­go e ele­vou ín­di­ces de vi­o­lên­cia em Boa Vis­ta. Imi­gran­tes têm pe­di­do es­mo­la, ven­di­do do­ces ou la­va­do pa­ra-bri­sas nos se­má­fo­ros. Mo­ra­do­res da ci­da­de têm ofe­re­ci­do su­as ca­sas pa­ra re­fu­gi­a­dos. “Eu mo­rei oi­to anos na Ve­ne­zu­e­la. É uma ca­tás­tro­fe o que es­tão fa­zen­do lá”, dis­se o ta­xis­ta Per­ci­nal­do Gar­cia, que abri­gou uma fa­mí­lia em sua ca­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.