Ve­ne­zu­e­la­nos aban­do­nam fi­lhos em or­fa­na­tos por não po­der ali­men­tá-los e sem fins lu­cra­ti­vos que ar­cam com o pro­ble­ma.

Folha De S.Paulo - - Mundo - ANTHONY FAIOLA

“Vo­cê quer ver os pe­que­nos?” per­gun­ta a as­sis­ten­te so­ci­al Mag­de­lis Sa­la­zar, me cha­man­do pa­ra se­gui-la num par­qui­nho cheio de cri­an­ças.

Es­tá­va­mos no mai­or or­fa­na­to da Ve­ne­zu­e­la. O pá­tio era uma pis­ta de obs­tá­cu­los de cri­an­ças aban­do­na­das. Um ga­ro­ti­nho ro­bus­to es­ta­va sen­ta­do num tri­ci­clo. Ele é ape­li­da­do de “El Gor­do”, mas quan­do foi dei­xa­do no or­fa­na­to, meses atrás, não pas­sa­va de pe­le e os­so.

“El Gor­do” pas­sou rá­pi­do por uma ga­ro­ti­nha usan­do uma blu­si­nha flo­ri­da cor-de­ro­sa. “Ela qua­se não fa­la”, dis­se uma das fun­ci­o­ná­ri­as. Ou não fa­la mais. Em se­tem­bro sua mãe a dei­xou nu­ma es­ta­ção de me­trô com uma bol­sa de rou­pas e um bi­lhe­te su­pli­can­do que al­guém a ali­men­tas­se.

A mi­sé­ria e a fo­me cres­cem sem pa­rar na Ve­ne­zu­e­la, on­de a cri­se dei­xou as pra­te­lei­ras das lo­jas sem ali­men­tos, re­mé­di­os, fral­das e pa­pi­nha. Al­guns pais es­tão se ven­do sem ou­tra saí­da se­não o im­pen­sá­vel: en­tre­gar os fi­lhos.

“As pes­so­as não con­se­guem en­con­trar co­mi­da”, dis­se Sa­la­zar. “Não têm co­mo ali­men­tar seus fi­lhos. Es­tão en­tre­gan­do seus fi­lhos não por­que não os amem, mas por­que os amam.”

Não há es­ta­tís­ti­cas ofi­ci­ais so­bre o nú­me­ro de cri­an­ças aban­do­na­das ou en­vi­a­das a or­fa­na­tos por seus pais por mo­ti­vos econô­mi­cos. Mas en­tre­vis­tas com res­pon­sá­veis pe­la Fun­da­na, a mai­or fun­da­ção pri­va­da de aco­lhi­men­to de cri­an­ças do país, e no­ve ou­tras or­ga­ni­za­ções pú­bli­cas e pri­va­das su­ge­rem que o nú­me­ro che­gue às cen­te­nas.

No ano pas­sa­do a Fun­da­na re­ce­beu 144 pe­di­dos de aco­lhi­men­to de cri­an­ças, sen­do a gran­de mai­o­ria li­ga­da às di­fi­cul­da­des econô­mi­cas. Em 2016, ti­nham si­do 24 ca­sos.

“Não sei o que mais fa­zer”, ad­mi­tiu An­gé­li­ca Pé­rez, 33.

Ela apa­re­ceu na se­de da Fun­da­na com seus três fi­lhos. Pé­rez era cos­tu­rei­ra, mas per­deu o em­pre­go meses atrás. Em de­zem­bro, quan­do seu fi­lho me­nor, de cin­co anos, te­ve uma do­en­ça de pe­le gra­ve e o hos­pi­tal pú­bli­co não ti­nha re­mé­di­os, ela gas­tou su­as úl­ti­mas eco­no­mi­as pa­ra com­prar po­ma­da nu­ma far­má­cia.

Seu pla­no era dei­xar as cri­an­ças no cen­tro, on­de sa­bia que elas se­ri­am ali­men­ta­das, e vi­a­jar pa­ra a Colôm­bia pa­ra pro­cu­rar tra­ba­lho, com a es­pe­ran­ça de po­der re­cu­pe­rá-los mais tar­de.

“Vo­cê não faz ideia. Eu me sin­to res­pon­sá­vel, sin­to que não cui­dei de­les. Mas já ten­tei de tu­do. Não há tra­ba­lho. E eles não pa­ram de ema­gre­cer. O que eu pos­so fa­zer, me di­ga?”

Um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la Cá­ri­tas em qua­tro dos 23 Es­ta­dos do país con­cluiu que a por­cen­ta­gem de cri­an­ças com me­nos de cin­co anos que não são ade­qua­da­men­te nu­tri­das su­biu pa­ra 71% em de­zem­bro, con­tra 54% em maio.

Du­ran­te anos o país con­tou com uma re­de pú­bli­ca de aten­di­men­to a me­no­res ca­ren­tes, mas fun­ci­o­ná­ri­os di­zem que elas es­tão em co­lap­so. Por is­so, ca­da vez mais, al­guns pais vêm aban­do­nan­do seus fi­lhos na rua.

Com o sis­te­ma pú­bli­co so­bre­car­re­ga­do, ca­da vez mais são lo­cais pri­va­dos ad­mi­nis­tra­dos por en­ti­da­des be­ne­fi­cen­tes BEBÊS Pa­ra dar con­ta do au­men­to da de­man­da na Fun­da­na, a or­ga­ni­za­ção abriu uma se­gun­da ca­sa-abri­go em Caracas. Mes­mo as­sim, foi obri­ga­da a re­cu­sar de­ze­nas de pe­di­dos de aco­lhi­men­to de cri­an­ças.

No Bam­bi Hou­se, o se­gun­do mai­or or­fa­na­to par­ti­cu­lar do país, as so­li­ci­ta­ções au­men­ta­ram 30% no ano pas­sa­do, se­gun­do sua fun­da­do­ra, Eri­ka Par­do. Os bebês, an­tes mui­to pro­cu­ra­dos, ago­ra vêm pas­san­do mais tem­po sob os cui­da­dos da en­ti­da­de.

“As fa­mí­li­as de aco­lhi­men­to vêm pe­din­do cri­an­ças mais ve­lhas de­vi­do à di­fi­cul­da­de de com­prar fral­das e pa­pi­nha; quan­do se en­con­tram es­ses pro­du­tos, eles es­tão mui­to ca­ros”, dis­se Par­do.

A fo­me obri­ga mui­tas fa­mí­li­as a fa­zer es­co­lhas do­lo­ro­sas. Co­nhe­ci Daya­na Sil­ga­do, 28, quan­do ela foi ao cen­tro ali­men­tar da Fun­da­na. Em no­vem­bro, após per­der seu em­pre­go de fa­xi­nei­ra, en­tre­gou seus dois fi­lhos me­no­res.

A en­ti­da­de não acei­ta cri­an­ças mais ve­lhas, en­tão Sil­ga­do ain­da es­ta­va ten­tan­do ali­men­tar seus dois mais ve­lhos, de 8 e 11 anos, em ca­sa.

O lei­te, ma­car­rão e sar­di­nhas ofe­re­ci­dos pelo cen­tro aju­da­ram, mas não fo­ram o bas­tan­te. Sil­ga­do con­tou que, de­pois de jan­tar, seus fi­lhos lhe di­zem: “Mãe, qu­e­ro mais”.“Mas não te­nho mais pa­ra dar a eles”, la­men­ta.

Ale­jan­dro Ce­gar­ra/The Washing­ton Post

Daya­na Sil­ga­do, 28, abra­ça uma de su­as fi­lhas no par­qui­nho da Fun­da­na, on­de a dei­xou por não po­der ali­men­tá-la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.