His­tó­ria da ca­pa

“Já pe­guei o pai do meu na­mo­ra­do, mas ele não sa­be dis­so”

Guia Astral - - Índice -

João, te­nho 19 anos, co­nhe­ci um ca­ra de 52 anos e ti­ve­mos um ca­so du­ran­te um tem­po, mas ter­mi­na­mos por­que ele me co­bra­va fi­de­li­da­de, só que não era fi­el. De­pois que ter­mi­na­mos, co­nhe­ci o fi­lho de­le de 18 anos nu­ma ba­la­da. Es­ta­mos fi­can­do já tem um tem­po e ele quer me apre­sen­tar aos pais. No iní­cio, pen­sei em con­tar que ha­via ti­do um ca­so com o pai de­le, mas aca­bei de­sis­tin­do. Pre­ci­so de aju­da, pois ele sem­pre me cha­ma pa­ra ir na ca­sa de­le e no res­tau­ran­te da fa­mí­lia, mas sem­pre ar­ran­jo des­cul­pas. Qu­e­ro mui­to le­var es­se ro­man­ce adi­an­te, pois es­tou apai­xo­na­da por ele, mas te­nho me­do da re­a­ção do pai de­le, que po­de con­tar pra ele que já ti­ve­mos al­go. E o pro­ble­ma mai­or é que o pai de­le vi­ve me man­dan­do men­sa­gens e pre­sen­tes, ten­tan­do re­a­tar. Pre­ci­so de uma sim­pa­tia pa­ra que o pai saia do meu pé e não con­te pa­ra o fi­lho. Laya­ne “Tal­vez se­ja me­lhor con­tar to­da a ver­da­de e cru­zar os de­dos”

— Mas que aba­ca­xi, Laya­ne! Olha, sim­pa­tia pra se li­vrar de um ho­mem cha­to até tem e vo­cê po­de con­fe­rir lá no meu si­te, www.jo­a­o­bi­du.com.br. Ago­ra, pa­ra o ca­ra não con­tar pa­ra o fi­lho que vo­cês ti­ve­ram al­go, acre­di­to que nem vá pre­ci­sar de ma­gia. Afi­nal, se ele der com as lín­guas nos den­tes, aca­ba­rá sen­do um ti­ro no pé: a es­po­sa tam­bém des­co­bri­ria as trai­ções de­le, se­ria aque­le al­vo­ro­ço e a ca­sa iria cair. Mas vai ser di­fí­cil con­ti­nu­ar a re­la­ção com o fi­lho e man­ter o ca­so com o pai do ra­paz escondido por mui­to tem­po. Se não abrir o jo­go com o pai an­tes, ima­gi­na só qual se­rá a re­a­ção quan­do ver vo­cê e o fi­lho de­le jun­tos, na ca­sa de­le? O ca­ra po­de ter um pi­ri­pa­que e não con­se­guir dis­far­çar a sur­pre­sa. E mes­mo que vo­cê che­gue no pai, fa­le tu­do e di­ga que es­co­lheu o fi­lho, men­ti­ra tem per­na cur­ta e o ra­paz po­de aca­bar des­co­brin­do que tem al­go er­ra­do uma ho­ra ou ou­tra — e aí o ro­man­ce vai en­trar pe­lo ca­no. Co­mo vo­cê diz que es­tá apai­xo­na­da pe­lo fi­lho, tal­vez se­ja me­lhor con­tar to­da a ver­da­de e cru­zar os de­dos pra que ele aceite. Eu cor­to o meu pes­co­ço que ele vai te per­do­ar, mas co­mo as pes­so­as são im­pre­vi­sí­veis, vai que dá cer­to, né?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.