Trai­ção

Des­cu­bra se seu par es­tá co­men­do fo­ra e con­fi­ra ri­tu­ais pra ele não pu­lar a cer­ca!

Guia Astral - - News -

Trai­ção é um as­sun­to de­li­ca­do. Nin­guém gos­ta de ser en­ga­na­do, mas mui­tas pes­so­as tra­em por di­fe­ren­tes mo­ti­vos. Ao mes­mo tem­po em que vo­cê acre­di­ta que tu­do es­tá bem em seu re­la­ci­o­na­men­to, ele po­de es­tar pu­lan­do a cer­ca e vo­cê mal ima­gi­na. Às ve­zes, os pro­ble­mas na re­la­ção já apon­tam que é pro­vá­vel que ele es­te­ja en­fei­tan­do sua ca­be­ça com um chi­fre. Con­fi­ra aqui os si­nais de que ele po­de es­tar co­men­do fo­ra, o ran­king dos sig­nos mais fiéis e ma­gi­as que po­dem aju­dar vo­cê a evi­tar a in­fi­de­li­da­de!

Sai­ba iden­ti­fi­car!

Ca­so sin­ta que a re­la­ção es­fri­ou, ava­lie se es­se é um sen­ti­men­to co­mum en­tre vo­cês dois ou se ape­nas ele de­mons­tra de­sin­te­res­se.

Por al­gu­ma ra­zão vo­cê não con­fia ne­le? Ve­ja se é ape­nas ciú­me de sua par­te ou se sua in­tui­ção tem al­go a di­zer.

Em al­guns di­as, ele es­tá vol­tan­do do tra­ba­lho mais tar­de que o nor­mal? Es­sas pe­que­nas mu­dan­ças na vi­da de al­guém po­dem ser na­da mais do que no­vas ocu­pa­ções, mas é im­por­tan­te pres­tar aten­ção e con­fe­rir bem de per­to se é is­so mes­mo.

O se­xo ago­ra não é mais pri­o­ri­da­de? Es­se é um mau si­nal! Ou a quí­mi­ca en­tre vo­cês não exis­te mais, ou ele po­de es­tar cis­can­do em ou­tro ter­re­no.

As sai­di­nhas pa­ra beber com os ami­gos ou o fu­te­bol no meio da se­ma­na es­tão mais fre­quen­tes? Que tal con­fe­rir mais de per­to, mas de for­ma dis­cre­ta, se ele re­al­men­te es­tá in­do aon­de diz?

Ele sai de per­to de vo­cê pa­ra aten­der li­ga­ções ou res­pon­der men­sa­gens no ce­lu­lar e tam­bém des­con­ver­sa quan­do vo­cê o ques­ti­o­na? É be­e­em pro­vá­vel que te­nha al­go er­ra­do aí.

Seu amor es­tá mais ciu­men­to que de cos­tu­me? Ge­ral­men­te, quan­do al­guém es­tá men­tin­do, cos­tu­ma pro­cu­rar si­nais de men­ti­ras no par tam­bém, com me­do de ser en­ga­na­do. Lo­go, ele po­de in­ten­si­fi­car o ciú­me pa­ra ci­ma de vo­cê, agin­do de for­ma con­tro­la­do­ra.

O par não faz mais de­mons­tra­ções de ca­ri­nho e se man­tém qui­e­to quan­do vo­cê o ques­ti­o­na? Mos­tre que o de­sin­te­res­se de­le a cha­teia e ve­ja se ele faz al­go pa­ra mu­dar is­so.

Sua com­pa­nhia não é mais pri­o­ri­da­de e qual­quer com­pro­mis­so é mais im­por­tan­te que vo­cê? Fi­que de olho!

Des­co­briu?

Pe­gou o par em fla­gran­te? Que tal agir com su­pe­ri­o­ri­da­de e, ao in­vés de ar­mar um bar­ra­co, ape­nas mos­trar que o pe­gou no ato e sair? Aja com dig­ni­da­de!

Se o ca­ra as­su­miu a trai­ção an­tes que vo­cê des­co­bris­se so­zi­nha, po­de sig­ni­fi­car que ele es­te­ja ar­re­pen­di­do. Mes­mo ten­do men­ti­do an­tes, es­se pri­mei­ro ges­to de honestidade in­di­ca que ele se ar­re­pen­deu. Con­si­de­re is­so.

Ou­ça o que o ama­do tem a di­zer. Ele po­de im­plo­rar por per­dão, ne­gar a trai­ção ou agir com in­di­fe­ren­ça. Di­an­te de qual­quer uma des­sas ati­tu­des, pen­se: co­mo vo­cê se sen­te com o fa­to de ter si­do traí­da? Aja de acor­do com seus sen­ti­men­tos! Não bri­gue ou gri­te, ape­nas con­ver­se. Se­ja for­te pa­ra fa­lar a res­pei­to do as­sun­to. As trai­ções de­le são re­cor­ren­tes? Saia des­sa! De­pen­den­do do ca­so, é cla­ro que exis­te per­dão, mas se ele per­sis­te nos er­ros, se­rá mes­mo que o ca­ra me­re­ce que vo­cê con­ti­nue ao la­do de­le? Re­fli­ta bas­tan­te so­bre is­so.

E ago­ra?

Re­ve­ja seu re­la­ci­o­na­men­to e os mo­ti­vos de vo­cês es­ta­rem jun­tos. Ain­da exis­te amor? Se sim, se­rá que não va­le a pena ten­tar al­guns ajus­tes pa­ra fa­zer dar cer­to?

Vo­cê po­de per­do­ar ou não. Mas sai­ba que não per­do­ar cos­tu­ma ali­men­tar res­sen­ti­men­tos den­tro de vo­cê, o que po­de fa­zer mal pa­ra si mes­ma.

Si­ga com o ro­man­ce ape­nas se sen­tir que con­se­gue con­fi­ar no par mais uma vez. Con­ver­se com ele e re­cons­tru­am a re­la­ção na ba­se da con­fi­an­ça.

Se a sua de­ci­são for ter­mi­nar o re­la­ci­o­na­men­to, si­ga sua vi­da da for­ma que achar cor­re­to. Saia com su­as ami­gas, vá pa­ra ba­la­das e co­nhe­ça no­vas pes­so­as. Re­co­me­ce!

Se de­ci­dir con­ti­nu­ar com o ama­do, ago­ra é a ho­ra de re­cons­truir a re­la­ção! Apos­te em mui­tas con­ver­sas pa­ra for­ta­le­cer a con­fi­an­ça e em vá­ri­as ma­ni­fes­ta­ções de ca­ri­nho. E lem­bre-se de ser fir­me e mos­trar que es­tá de olho ne­le!

Lem­bre-se!

Não é cor­re­to en­ga­nar ou­tra pes­soa ou ma­go­ar al­guém que de­po­si­ta con­fi­an­ça em vo­cê. Ca­so exis­ta o de­se­jo de trair, o me­lhor é con­ver­sar com seu par e ter­mi­nar o re­la­ci­o­na­men­to. Nin­guém de­ve fi­car com al­guém por obri­ga­ção, cer­to?

Não é por­que foi traí­da uma vez que ou­tros ho­mens trai­rão vo­cê no­va­men­te. A in­fi­de­li­da­de é um pro­ble­ma ex­clu­si­va­men­te de quem traiu, não de quem foi traí­do. Vo­cê me­re­ce al­guém que a ame e res­pei­te, en­tão bus­que es­sa pes­soa pa­ra po­der ser fe­liz!

Na­da de de­vol­ver na mes­ma mo­e­da! Di­zem que chum­bo tro­ca­do não dói, mas trair al­guém sim­ples­men­te por­que es­tá ma­go­a­da com a pu­la­da de cer­ca do ca­ra re­sol­ve­ria al­gu­ma coi­sa ou só tra­ria mais pro­ble­mas?

Afas­te-se de mai­or so­fri­men­to e pro­cu­re não se apro­xi­mar da aman­te. É cla­ro que, além de­le, ela tam­bém me­re­ce ou­vir uns de­sa­fo­ros, mas é bem pro­vá­vel que vo­cê vá ape­nas se des­gas­tar e não irá adi­an­tar em na­da. Par­ta pa­ra ou­tra!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.