Ri­tu­ais da vi­ra­da

Sim­pa­ti­as pra vo­cê co­me­çar o no­vo ano com o pé di­rei­to

Guia Astral - - Indice -

Ma­gi­as pra vo­cê co­me­çar o no­vo ano com o pé di­rei­to!

AMOR

Ar­ru­mar al­guém: se for mu­lher, use uma cal­ci­nha cor-de-ro­sa no­va do aves­so na vi­ra­da do ano. No ca­so do ho­mem, de­ve usar uma cu­e­ca bran­ca no­va do aves­so. Lo­go após a meia-noi­te, vo­cê de­ve­rá des­vi­rá-la. Use as rou­pas nor­mal­men­te de­pois de la­va­das.

Ser pe­di­da em ca­sa­men­to: na vi­ra­da do dia 31 de de­zem­bro pa­ra 1º de ja­nei­ro, pre­sen­teie o seu amor com um por­ta-re­tra­tos que te­nha uma lin­da fo­to sua e pe­ça a ele que co­lo­que em um lu­gar de des­ta­que na ca­sa on­de mo­ra. No fi­nal do pri­mei­ro dia do ano, lo­go ao se dei­tar, re­ze um Pai-Nos­so e uma Ave-Ma­ria ao seu san­to pre­fe­ri­do em agra­de­ci­men­to ao seu pe­di­do.

Amor nun­ca aca­bar: com­pre uma agen­da pa­ra seu ama­do e es­cre­va uma de­di­ca­tó­ria, se­gui­da das se­guin­tes pa­la­vras: “En­tão o rei se afei­ço­a­rá da tua for­mo­su­ra, pois ele é teu se­nhor; ado­ra-o”. Na vi­ra­da do ano, dê a agen­da de pre­sen­te a ele.

SU­CES­SO

Ter bom tra­ba­lho no no­vo ano: no dia 31 de de­zem­bro, per­to da meia-noi­te, acen­da um in­cen­so de mir­ra e, quan­do aca­bar de quei­mar, so­pre su­as cin­zas pa­ra o la­do em que nas­ce o sol, di­zen­do em pen­sa­men­to: “Eu pe­ço su­ces­so, su­ces­so te­rei, e é com ele que fe­liz se­rei!”.

Di­nhei­ro no bol­so: na vés­pe­ra do AnoNo­vo, gu­ar­de se­te mo­e­das de qual­quer va­lor com vo­cê até a vi­ra­da. Abra­ce seus ami­gos e fa­mi­li­a­res. De­pois, dis­tri­bua es­sas mo­e­das a quem qui­ser e gu­ar­de uma com vo­cê, na bol­sa ou car­tei­ra, pre­fe­ren­ci­al­men­te até o pró­xi­mo ano, quan­do de­ve­rá doá-la a al­guém ne­ces­si­ta­do.

Far­tu­ra no no­vo ano: co­lo­que uma va­si­lha com fru­tas na me­sa da ceia de Ano-No­vo, em ofe­re­ci­men­to a Ma­ria, mãe de Je­sus, di­zen­do: “Po­de­ro­sa virgem, que es­te no­vo ano se­ja de far­tu­ra e que eu pos­sa su­prir as mi­nhas ne­ces­si­da­des e a dos meus ir­mãos. Obri­ga­da!”. Fa­ça o si­nal da cruz e dê as fru­tas de so­bre­me­sa aos con­vi­da­dos.

SAÚ­DE

Pro­te­ção à saú­de: com­pre um va­so de ale­crim e, no dia 31 de de­zem­bro, co­lo­que-o na en­tra­da prin­ci­pal da sua ca­sa ou sa­la. Sem­pre que sen­tir ne­ces­si­da­de, apro­xi­me­se da plan­ta e di­ga: “au­men­te saú­de, saú­de au­men­te, que nes­ta ca­sa, nin­guém nun­ca fi­que do­en­te”. De­pois, re­ze um Pai-Nos­so.

Me­lho­ra na saú­de: com­pre uma fi­ta lar­ga, de cor azul, com a me­tra­gem de sua al­tu­ra. Na vés­pe­ra do Ano-No­vo, es­cre­va ne­la o seu no­me com­ple­to e seu pro­ble­ma de saú­de. Dê se­te nós na fi­ta, en­ro­lan­do-a em três ve­las bran­cas. No dia se­guin­te, en­ter­re em um va­so ou jar­dim de sua ca­sa, en­quan­to re­za uma Gló­ria ao Pai.

SOR­TE

In­ve­ja nun­ca pre­ju­di­car vo­cê: com­pre se­men­tes de pi­men­ta-ma­la­gue­ta e, no dia 31 de de­zem­bro, fer­va-as em meio co­po de água. Es­pe­re amor­nar e jo­gue no por­tão de sua ca­sa ou por­ta de en­tra­da de seu apar­ta­men­to. En­quan­to faz is­so, pe­ça pro­te­ção con­tra a in­ve­ja ao seu anjo da guar­da. Quan­do ter­mi­nar, re­ze uma Gló­ria ao Pai. La­ve e use o co­po nor­mal­men­te.

Afas­tar a in­ve­ja no no­vo ano: no dia 31 de de­zem­bro, ao meio-dia, pe­gue du­as es­pa­das-de-são-jor­ge* e fa­ça uma cruz com elas, amar­ran­do-as com bar­ban­te. Dei­xe on­de nin­guém as ve­ja até o ou­tro dia. De­pois, jo­gue no li­xo, man­dan­do em­bo­ra a in­ve­ja e pe­din­do paz pa­ra o ano que se ini­cia.

Sor­te nas apos­tas: com fi­ta ade­si­va, fi­xe uma no­ta de di­nhei­ro no sa­pa­to que vo­cê vai pas­sar o Ré­veil­lon. As­sim que vi­rar o ano, ti­re o di­nhei­ro e, na pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de, use-o pa­ra fa­zer sua pri­mei­ra apos­ta. Fa­ça o si­nal da cruz após re­a­li­zar o jo­go.

FA­MÍ­LIA

Fa­mí­lia sem bri­gas: na ho­ra da ceia, reú­na sua fa­mí­lia em vol­ta da me­sa pa­ra que fa­çam uma pre­ce. Fei­to is­so, di­ga: “União es­pe­ra­da, união de­se­ja­da, que a fa­mí­lia in­tei­ra, com o man­to sa­gra­do, se­ja aben­ço­a­da”. De­pois, to­dos de­vem fa­zer o si­nal da cruz e ce­ar nor­mal­men­te.

Fa­mí­lia fe­liz: na pas­sa­gem do ano, co­lo­que um ro­sá­rio aber­to na me­sa da ceia. Pe­ça pa­ra que to­dos de­em as mãos e fa­çam uma pre­ce pa­ra aben­ço­ar a fa­mí­lia no ano que se ini­cia, pe­din­do pa­ra que ha­ja sem­pre paz e har­mo­nia e que nun­ca fal­te amor e união. De­pois, gu­ar­de o ro­sá­rio. Re­ze um ter­ço uma vez por se­ma­na, so­zi­nha ou em fa­mí­lia.

RI­TU­AIS TRA­DI­CI­O­NAIS PRA VI­RA­DA

• Pra atrair di­nhei­ro: chu­pe se­te se­men­tes de ro­mã na ceia do Ano-No­vo. Em­bru­lhe-as em um pa­pel e car­re­gue o em­bru­lho com vo­cê, na car­tei­ra, du­ran­te o ano se­guin­te in­tei­ro.

• Pa­ra ter sor­te e fe­li­ci­da­de no amor: à meia-noi­te, a pri­mei­ra pes­soa que vo­cê de­ve abra­çar e de­se­jar fe­liz Ano-No­vo de­ve ser um ho­mem.

• Pa­ra afas­tar ener­gi­as ruins: as­sim que o ano vi­rar, pu­le se­te on­das, fa­zen­do um de­se­jo em ca­da uma de­las, de fren­te pa­ra o mar. No fim, saia do mar de cos­tas pa­ra a areia e só se vi­re quan­do sair com­ple­ta­men­te da água.

• Pa­ra não ter azar no no­vo ano: não co­ma aves, co­mo ga­li­nha ou pe­ru, nos di­as 31 de de­zem­bro e 1º de ja­nei­ro. Co­mo es­ses ani­mais cis­cam pa­ra trás, acre­di­ta-se que a vi­da da pes­soa que os co­me tam­bém po­de an­dar pra trás no no­vo ano.

• Pa­ra atrair far­tu­ra e pros­pe­ri­da­de: co­ma len­ti­lha de­pois da meia-noi­te. Acre­di­ta-se que as­sim co­mo o grão que cres­ce, a pes­soa evo­lui na vi­da.

• Pa­ra re­a­li­zar um so­nho: na ho­ra do Ré­veil­lon, chu­pe se­te uvas e, a ca­da uma de­las, fa­ça um pe­di­do. De­pois, em­bru­lhe as se­men­tes em um pa­pel-alu­mí­nio e gu­ar­de na sua car­tei­ra pe­lo tem­po que qui­ser.

CO­RES DA SOR­TE

Ama­re­lo: use es­se tom pa­ra ter di­nhei­ro no bol­so o ano to­do.

Azul: se quer ter um 2019 bem cal­mo em tu­do, use es­sa cor que traz tran­qui­li­da­de.

Bran­co: clás­si­ca no Ré­veil­lon, apos­te ne­la pa­ra ter paz de ja­nei­ro a de­zem­bro.

Dou­ra­do: é a cor do lu­xo, pros­pe­ri­da­de e ale­gria, além de tra­zer su­ces­so.

La­ran­ja: te­nha ener­gia e pi­que no no­vo ano com es­sa cor da vi­ta­li­da­de.

Pra­te­a­do: co­mo sig­ni­fi­ca equi­lí­brio e pro­te­ção, use-a pra co­me­çar o ano com as ener­gi­as re­no­va­das.

Ro­sa: é a cor do amor. Ela aju­da vo­cê a atrair sua al­ma gê­mea e a vi­ver um ro­man­ce in­crí­vel.

Ver­de: re­pre­sen­ta es­pe­ran­ça. In­vis­ta ne­la se de­se­ja al­can­çar um ob­je­ti­vo no no­vo ano.

Ver­me­lho: é a cor da con­quis­ta e do de­se­jo. Apos­te ne­la pa­ra ar­ru­mar uma pai­xão quen­te em 2019.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.