Aten­ção na re­fri­ge­ra­ção

Hoteis - - Especial -

su­por­te pa­ra o pe­ga­dor de ali­men­to, que se­gue o pa­drão da An­vi­sa com o ma­te­ri­al de Inox 304, to­tal­men­te li­vre de cor­ro­são. Tes­ta­do e apro­va­do em gran­des res­tau­ran­tes, os su­por­tes ser­vem de apoio pa­ra os pe­ga­do­res, fi­can­do ao la­do dos pra­tos de ali­men­tos, sen­do fá­ceis e prá­ti­cos de uti­li­zar. “Bus­can­do res­pon­der ca­da vez mais às ne­ces­si­da­des dos res­tau­ran­tes nes­ta área, de­sen­vol­vi ain­da mais três ti­pos de su­por­tes. É a so­lu­ção pa­ra os res­tau­ran­tes con­tra a con­ta­mi­na­ção de ali­men­tos, dei­xan­do o con­su­mi­dor ca­da vez mais pro­te­gi­do”, con­tou Franz Eh­lert, cri­a­dor do su­por­te que po­de ser en­con­tra­do nas lo­jas da Di Pra­tos – Mul­ti­nox.

A con­ta­mi­na­ção cru­za­da faz par­te dos ris­cos re­la­ci­o­na­dos com a se­gu­ran­ça ali­men­tar. No pon­to de vis­ta das câ­ma­ras fri­go­rí­fi­cas, su­ge­rem-se cui­da­dos nas con­di­ções de re­ce­bi­men­to e de se­pa­ra­ção dos ali­men­tos. Por exem­plo: Uma câ­ma­ra de re­ce­bi­men­to de hor­ti­fru­ti, cu­jos pro­du­tos são ar­ma­ze­na­dos nas em­ba­la­gens em que são trans­por­ta­dos e que por­tan­to po­dem es­tar con­ta­mi­na­das, não po­de es­to­car ou­tro ti­po de ali­men­to que se­gui­rá di­re­to pa­ra o pre­pa­ro ou pa­ra o con­su­mo, in­de­pen­den­te­men­te das tem­pe­ra­tu­ras se­rem com­pa­tí­veis. Ou­tro exem­plo são as câ­ma­ras pa­ra bar­ris de chopp que pe­las mes­mas ra­zões de­vem ser ex­clu­si­vas pa­ra es­se fim, con­for­me ex­pli­cou João Al­ber­to Ro­dri­gues, Di­re­tor de Ven­das e Apli­ca­ção da São Rafael Câ­ma­ras Fri­go­rí­fi­cas.

Ele afir­ma que as câ­ma­ras de con­cei­to mo­du­lar ofe­re­cem fa­ci­li­da­des nes­se sentido, uma vez que têm boa fle­xi­bi­li­da­de na con­cep­ção dos layouts. Na con­cep­ção do pro­je­to, cui­da­dos adi­ci­o­nais de­vem ser to­ma­dos, co­mo por exem­plo, em re­la­ção às câ­ma­ras pa­ra li­xo or­gâ­ni­co, cu­jo po­si­ci­o­na­men­to não po­de per­mi­tir em ne­nhu­ma hi­pó­te­se a con­ta­mi­na­ção dos ali­men­tos, se­ja por ques­tões de mo­vi­men­ta­ção ou de even­tu­ais va­za­men­tos. “Pa­ra fa­bri­ca­ção e de­sen­vol­vi­men­to de pro­je­tos/im­plan­ta­ção de câ­ma­ras fri­go­ri­fi­cas, de­vem ser ob­ser­va­das di­ver­sas nor­mas bra­si­lei­ras. As nor­mas da An­vi­sa de­fi­nem pro­ces­sos e pa­drões de equi­pa­men­tos no in­tui­to de ga­ran­tir a se­gu­ran­ça ali­men­tar em to­das as eta­pas, co­mo por exem­plo no trans­por­te, con­ser­va­ção, pro­ces­sos pro­du­ti­vos e ma­nu­ten­ção de ali­men­tos. En­ten­de­mos que as nor­mas mais se­ve­ras/com­ple­tas da An­vi­sa são as do es­ta­do e mu­ni­cí­pio de São Pau­lo”, men­ci­o­na João Al­ber­to.

Den­tre ou­tros as­pec­tos, a por­ta­ria da An­vi­sa 2619/11 que dis­põe de Bo­as Prá­ti­cas de Ma­ni­pu­la­ção ci­ta no item 6.16: “Pro­du­tos que exa­lem odor ou que ex­su­dem, fru­tas, ver­du­ras, le­gu­mes, car­nes, pes­ca­dos e ou­tros pro­du­tos crus de­vem ser ar­ma­ze­na­dos em equi­pa­men­tos di­fe­ren­tes dos ter­mi­ca­men­te pro­ces­sa­dos. Quan­do da exis­tên­cia de ape­nas um equi­pa­men­to, o ar­ma­ze­na­men­to de­ve ser re­a­li­za­do de for­ma a evi­tar con­ta­mi­na­ção cru­za­da e a mi­gra­ção de odo­res de um ali­men­to pa­ra o ou­tro.” O item 7.22 acres­cen­ta ain­da: “O res­fri­a­men­to do ali­men­to pre­pa­ra­do de­ve ser re­a­li-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.