Mer­ca­do li­vre de ener­gia

Hoteis - - Especial -

me­nor cus­to por se­rem pro­du­zi­das por fon­tes re­no­vá­veis”, com­ple­tou Be­za­mat.

Com a pre­vi­são de que­da acen­tu­a­da de cus­to das pla­cas fo­to­vol­tai­cas nas pró­xi­mas du­as dé­ca­das, con­su­mi­do­res co­mer­ci­ais, re­si­den­ci­ais e in­dus­tri­ais vão co­me­çar a olhar pa­ra a ener­gia fo­to­vol­tai­ca co­mo uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de pa­ra al­can­ça­rem in­de­pen­dên­cia ener­gé­ti­ca.

Re­pre­sen­tan­do 25% de to­do o con­su­mo no Bra­sil, o Mer­ca­do Li­vre de Ener­gia tem si­do a so­lu­ção pa­ra al­guns ho­téis no País. Os con­su­mi­do­res com de­man­da igual ou su­pe­ri­or 500 kW ne­go­ci­am li­vre­men­te as con­di­ções co­mer­ci­ais do seu con­tra­to, co­mo pre­ço, ín­di­ce de re­a­jus­te e pra­zo. No mer­ca­do li­vre, o con­su­mi­dor tem dois ti­pos de con­tra­to: o de ener­gia, no qual firma di­re­ta­men­te com co­mer­ci­a­li­za­do­ras e ge­ra­do­res ne­go­ci­an­do li­vre­men­te as con­di­ções co­mer­ci­ais, e o re­la­ti­vo ao uso da re­de elé­tri­ca, pa­go às dis­tri­bui­do­ras, cu­ja ta­ri­fa é re­gu­la­da pe­la Aneel - Agên­cia Na­ci­o­nal de Ener­gia Elé­tri­ca.

Uma das em­pre­sas que tem acordo fir­ma­do com o for­ne­ci­men­to elé­tri­co oriun­do de usi­nas elé­tri­cas, tér­mi­cas a bi­o­mas­sa, pe­que­nas cen­trais hi­dre­lé­tri­cas e usi­na so­lar é a re­de per­nam­bu­ca­na Pon­tes Ho­téis, ad­mi­nis­tra­do­ra do Mar Ho­tel Con­ven­ti­ons, Ho­tel Atlan­te Pla­za e Sum­mer­vil­le Be­a­ch Re­sort. De acordo com o Di­re­tor Exe­cu­ti­vo do gru­po, Luis Gui­lher­me Pon­tes, a eco­no­mia men­sal na re­de, re­pre­sen­ta uma re­du­ção mé­dia men­sal em tor­no de R$ 60.000. “Atra­vés de con­tra­to fir­ma­do com a CPFL Bra­sil, co­mer­ci­a­li­za­do­ra do Gru­po CPFL Ener­gia, nos tor­na­mos a pri­mei­ra re­de ho­te­lei­ra a usar ener­gia 100% lim­pa nos três em­pre­en­di­men­tos. Co­me­ça­mos a ope­rar com a ener­gia do mer­ca­do li­vre em abril de 2016”, con­tou o Di­re­tor.

O in­ves­ti­men­to realizado na su­bes­ta­ção da re­de foi em tor­no de R$ 50.000, obe­de­cen­do aos pro­je­tos téc­ni­cos so­li­ci­ta­dos pe­la con­ces­si­o­ná­ria. “O mo­ti­vo da ade­são ao mer­ca­do li­vre de ener­gia não foi ape­nas o as­pec­to financeiro, que sem dú­vi­da é im­por­tan­te, mas tam­bém o viés sus­ten­tá­vel. Vis­to que a ener­gia con­su­mi­da é pro­ve­ni­en­te de fon­tes al­ter­na­ti­vas co­mo usi­nas eó­li­cas, pe­que­nas cen­trais hi­dre­lé­tri­cas e usi­na so­lar. Te­mos or­gu­lho do fa­to de ser­mos a pri­mei­ra re­de do Nor­des­te, que te­mos co­nhe­ci­men­to, a ope­rar com ener­gia ‘100% lim­pa’”, co­me­mo­rou.

Os ho­téis tam­bém tra­ba­lham com vá­ri­as ver­ten­tes que aju­dam a re­du­ção do con­su­mo de ener­gia. Re­a­li­zam a tro­ca dos equi­pa­men­tos mo­to­res dos ele­va­do­res que fo­ram subs­ti­tuí­dos por mais efi­ci­en­tes, a subs­ti­tui­ção gra­da­ti­va da ilu­mi­na­ção por lu­mi­ná­ri­as de LED nas ins­ta­la­ções e a con­clu­são da subs­ti­tui­ção dos equi­pa­men­tos mo­to­res, em ge­ral, por mo­de­los novos e mais efi­ci­en­tes. “Tam­bém in­ves­ti­mos em ar condicionado em ver­sões eco­fri­en­dly. To­dos os nos­sos ho­téis es­tão ope­ran­do com 100% de ener­gia lim­pa: Mar Ho­tel Con­ven­ti­ons e o Ho­tel Atlan­te Pla­za, em Re­ci­fe, bem co­mo, o Sum­mer­vil­le Be­a­ch Re­sort, em Por­to de Ga­li­nhas. Jun­tos to­ta­li­zam 822 uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais. A tor­re mais re­cen­te do Mar Ho­tel, por ter si­do cons­truí­da em tem­pos mais tec­no­ló­gi­cos, pos­sui ain­da ou­tros me­ca­nis­mos sus­ten­tá­veis co­mo sis­te­ma de aque­ci­men­to de água via so­lar e uma tec­no­lo­gia que per­mi­te o reu­so da água do chu­vei­ro em des­car­gas”, des­ta­cou Luis Pon­tes.

O Gru­po Rio Quente, con­tro­la­do pe­las hol­dings Al­gar e FCL Par­ti­ci­pa­ções e In­ves­ti­men­tos S.A., atin­giu 47% de eco­no­mia ener­gé­ti­ca após mi­grar do mer­ca­do ca­ti­vo pa­ra o mer­ca­do li­vre de ener­gia. A migração, que te­ve iní­cio em ju­nho de 2016, já apre­sen­tou re­sul­ta­dos: após a mudança, foi ob­ser­va­da uma re­du­ção no cus­to pa­go de apro­xi­ma­da­men­te R$ 1.7 mi­lhão, em oi­to me­ses, além de uma re­du­ção ex­pres­si­va no con­su­mo de com­bus­tí­vel dos ge­ra­do­res de den­tro da área do com­ple­xo, que fun­ci­o­na­vam de se­gun­da a sex­ta-fei­ra, em ho­rá­rio de pon­ta (das 18h às 21h) por con­ta dos cus­tos do mer­ca­do ca­ti­vo, e que, ago­ra, fun­ci­o­nam ape­nas quan­do fal­ta ener­gia da dis­tri­bui­do­ra. Quan­do com­pa­ra­dos, o ano de 2016 te­ve um con­su­mo de di­e­sel 88% mais bai­xo que o an­te­ri­or (fo­ram cer­ca de 201.021,14 li­tros de di­e­sel a me­nos). O con­su­mo de ga­ses tam­bém foi me­nor e apre­sen­tou re­du­ção de 492 tCO2e de Ga­ses de Efei­to Es­tu­fa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.