HRS apre­sen­ta da­dos de pes­qui­sa so­bre au­di­to­ria de ta­ri­fas ho­te­lei­ras

Uma em ca­da seis ve­ri­fi­ca­ções re­ve­la dis­cre­pân­cia en­tre o que foi ne­go­ci­a­do e o que apa­re­ce no sis­te­ma. So­bre­pre­ço na Amé­ri­ca La­ti­na che­ga a 18%, o mai­or do mun­do

Hoteis - - Mercado -

A HRS e a GBTA Foun­da­ti­on, bra­ço edu­ca­ci­o­nal e de pes­qui­sa da Glo­bal Bu­si­ness Tra­vel As­so­ci­a­ti­on, aca­bam de con­so­li­dar os da­dos de uma pes­qui­sa iné­di­ta e glo­bal pa­ra ava­li­ar co­mo os res­pon­sá­veis por vi­a­gens cor­po­ra­ti­vas au­di­tam su­as ta­ri­fas ho­te­lei­ras e quais os mo­ti­vos pe­los quais al­guns pro­gra­mas de vi­a­gem op­tam por não fa­zê-lo. O per­cen­tu­al de di­fe­ren­ça na Amé­ri­ca La­ti­na é o mai­or do mun­do, che­gan­do a 18%. Nos Es­ta­dos Uni­dos e na re­gião Ásia-Pa­cí­fi­co, as em­pre­sas têm pa­go 14% a mais do que o va­lor ne­go­ci­a­do. A por­cen­ta­gem cai pa­ra 11% na re­gião que com­pre­en­de Eu­ro­pa, Ori­en­te Mé­dio e Áfri­ca.

A pes­qui­sa mos­tra que, em to­do o mun­do, ape­nas uma pe­que­na par­te dos ges­to­res de vi­a­gens ve­ri­fi­ca su­as ta­ri­fas com frequên­cia, 6% au­di­ta men­sal­men­te e 4% se­ma­nal­men­te. 86% até au­di­tam os itens ne­go­ci­a­dos com os ho­téis, in­cluin­do ta­ri­fas e ame­ni­ti­es, mas ape­nas no mo­men­to em que são in­se­ri­das em seus sis­te­mas.

Des­tas em­pre­sas que re­a­li­zam au­di­to­ria, 52% usam re­cur­sos in­ter­nos e ve­ri­fi­cam as ta­ri­fas ma­nu­al­men­te; 38% ter­cei­ri­zam pa­ra su­as agên­ci­as de vi­a­gens cor­po­ra­ti­vas (TMCs); 15% ter­cei­ri­zam pa­ra seu pro­ve­dor de so­lu­ções ho­te­lei­ras e 11% ter­cei­ri­zam pa­ra al­gum ou­tro con­sul­tor ex­ter­no. Além dis­so, 16% con­fia nos re­la­tó­ri­os dos seus ho­téis e 36% acre­di­ta que os vi­a­jan­tes in­for­ma­rão quan­do a ta­ri­fa não es­ti­ver den­tro do que foi acor­da­do.

Os da­dos mos­tram tam­bém que uma em ca­da seis au­di­to­ri­as (17%) tem dis­cre­pân­cia en­tre o que foi ne­go­ci­a­do em con­tra­to e o que apa­re­ce no sis­te­ma. Is­so po­de sig­ni­fi­car uma per­da de eco­no­mia pa­ra os pro­gra­mas de vi­a­gem que não re­a­li­zam a au­di­to­ria de ta­ri­fas.

Os que não têm or­ça­men­to pa­ra ter­cei­ri­zar o tra­ba­lho pro­va­vel­men­te es­tão em mai­or ris­co por pa­ga­rem ta­ri­fas de­sa­tu­a­li­za­das e mui­to al­tas. Nos ca­sos de di­ver­gên­ci­as nas ta­ri­fas, os da­dos do le­van­ta­men­to mos­tram que as em­pre­sas es­tão pa­gan­do uma mé­dia de 14% aci­ma do va­lor ne­go­ci­a­do. “Os re­sul­ta­dos da pes­qui­sa mos­tram que é ne­ces­sá­rio um olhar mais aten­to so­bre as ta­ri­fas. Os ges­to­res de vi­a­gens tra­ba­lham mui­to pa­ra con­se­guir uma ne­go­ci­a­ção de ta­ri­fa com­pe­ti­ti­va e ou­tros ame­ni­ti­es im­por­tan­tes pa­ra seus vi­a­jan­tes co­mo um com­po­nen­te fun­da­men­tal pa­ra um pro­gra­ma de vi­a­gens cor­po­ra­ti­vo bem-su­ce­di­do. Tu­do is­so se tor­na inú­til quan­do uma par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va apre­sen­ta er­ro e seus vi­a­jan­tes não têm aces­so ao que foi ne­go­ci­a­do”, ex­pli­ca o CEO da HRS, To­bi­as Rag­ge.

O Ge­ren­te de pes­qui­sas da GBTA Foun­da­ti­on, Ka­te Va­si­loff, acres­cen­ta: “Ao não re­a­li­zar au­di­to­ri­as re­gu­la­res e de­pen­der de fon­tes de da­dos não con­fiá­veis, as em­pre­sas es­tão pa­gan­do mui­to mais do que de­ve­ri­am. Re­a­li­zar au­di­to­ri­as pa­ra ga­ran­tir a pre­ci­são po­de aju­dar a for­ta­le­cer o pro­gra­ma de vi­a­gens cor­po­ra­ti­vas”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.