CVM re­gu­la­men­ta crowd­fun­ding de in­ves­ti­men­to

Hoteis - - Mercado -

No­va re­gra per­mi­te a cap­ta­ção pú­bli­ca de até R$ 5 mi­lhões por em­pre­en­de­do­res

A CVM — Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os — edi­tou no mês pas­sa­do a Ins­tru­ção CVM 588, que dis­põe so­bre a ofer­ta pú­bli­ca de dis­tri­bui­ção de va­lo­res mo­bi­liá­ri­os de emis­são de so­ci­e­da­des em­pre­sá­ri­as de pe­que­no por­te, re­a­li­za­da com dis­pen­sa de re­gis­tro por meio de pla­ta­for­ma ele­trô­ni­ca de in­ves­ti­men­to par­ti­ci­pa­ti­vo. “O crowd­fun­ding de in­ves­ti­men­to é uma al­ter­na­ti­va ino­va­do­ra pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de em­pre­en­de­do­res. A CVM con­si­de­ra que a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca tra­zi­da pe­la no­va nor­ma po­de ala­van­car a cri­a­ção de no­vos ne­gó­ci­os de su­ces­so no país, per­mi­tin­do a cap­ta­ção de re­cur­sos de mo­do ágil, sim­pli­fi­ca­do e com am­plo al­can­ce a in­ves­ti­do­res por meio do uso da in­ter­net”, co­men­tou Le­o­nar­do Pe­rei­ra, Pre­si­den­te da CVM.

A no­va re­gu­la­men­ta­ção per­mi­te que em­pre­sas com re­cei­ta anu­al de até R$ 10 mi­lhões re­a­li­zem ofer­tas por meio de fi­nan­ci­a­men­to co­le­ti­vo na in­ter­net com dis­pen­sa au­to­má­ti­ca de re­gis­tro de ofer­ta e de emis­sor na CVM. Pa­ra pro­te­ger os in­ves­ti­do­res, uma das con­di­ções é que es­te ti­po de ofer­ta so­men­te ocor­ra por meio de pla­ta­for­mas que pas­sa­rão pe­lo pro­ces­so de au­to­ri­za­ção jun­to à Au­tar­quia.

Um mer­ca­do bem re­gu­la­do de crowd­fun­ding de in­ves­ti­men­to é con­si­de­ra­do es­tra­té­gi­co pa­ra a am­pli­a­ção e a me­lho­ria da qua­li­da­de dos ins­tru­men­tos de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra em­pre­sas em fa­se ini­ci­al e com di­fi­cul­da­des de aces­so ao cré­di­to e à ca­pi­ta­li­za­ção, mas que são vi­tais pa­ra a ge­ra­ção de em­pre­go e ren­da na eco­no­mia. A re­le­vân­cia do te­ma se re­fle­tiu no gran­de nú­me­ro de par­ti­ci­pan­tes da au­di­ên­cia pú­bli­ca que an­te­ce­deu e em­ba­sou a edi­ção da nor­ma, e na ex­ten­são e pro­fun­di­da­de de aná­li­se que ca­rac­te­ri­zou o con­jun­to de ma­ni­fes­ta­ções re­ce­bi­das pe­la Co­mis­são.

A CVM aca­tou di­ver­sas ma­ni­fes­ta­ções apre­sen­ta­das na au­di­ên­cia pú­bli­ca e acre­di­ta que a nor­ma é um re­sul­ta­do de um am­plo de­ba­te que a Au­tar­quia tra­vou du­ran­te os úl­ti­mos anos com as pla­ta­for­mas e de­mais par­ti­ci­pan­tes do mer­ca­do. “Acre­di­ta­mos que a re­gra fi­cou me­nos pres­cri­ti­va e mais adap­tá­vel ao di­na­mis­mo des­se mer­ca­do nas­cen­te e que ain­da es­tá se de­sen­vol­ven­do.” – dis­se An­to­nio Berwan­ger, Su­pe­rin­ten­den­te de De­sen­vol­vi­men­to de Mer­ca­do.

En­tre os prin­ci­pais pon­tos al­te­ra­dos em re­la­ção à au­di­ên­cia pú­bli­ca, des­ta­cam-se a:

— Pos­si­bi­li­da­de da pla­ta­for­ma re­a­li­zar ofer­tas res­tri­tas a de­ter­mi­na­dos gru­pos de in­ves­ti­do­res ca­das­tra­dos, de ma­nei­ra a pre­ser­var os da­dos es­tra­té­gi­cos dos em­pre­en­de­do­res.

— Pos­si­bi­li­da­de de re­a­li­za­ção de ofer­tas par­ci­ais, ca­so o va­lor al­vo mí­ni­mo de cap­ta­ção se­ja atin­gi­do.

— Re­vi­são dos pro­ce­di­men­tos da ofer­ta, com a fle­xi­bi­li­za­ção das re­gras e de­fi­ni­ção da mai­or par­te dos trâ­mi­tes ope­ra­ci­o­nais pe­las pró­pri­as pla­ta­for­mas.

— Fle­xi­bi­li­za­ção do mo­de­lo dos sin­di­ca­tos de in­ves­ti­men­to par­ti­ci­pa­ti­vo, fa­cul­tan­do aos par­ti­ci­pan­tes a pos­si­bi­li­da­de de es­tru­tu­ra­ção de veí­cu­los de in­ves­ti­men­to.

— Au­to­ri­za­ção pa­ra as pla­ta­for­mas co­bra­rem ta­xas de de­sem­pe­nho (per­for­man­ce) dos in­ves­ti­do­res, em ca­so de su­ces­so dos em­pre­en­di­men­tos.

O crowd­fun­ding de in­ves­ti­men­to é uma al­ter­na­ti­va ino­va­do­ra pa­ra ala­van­car re­cur­sos na ho­te­la­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.