Ale­jan­dro Mo­re­no

Hoteis - - News -

Pa­ra al­can­çar gran­des re­sul­ta­dos, uma em­pre­sa de­ve ser di­re­ci­o­na­da por pes­so­as com ex­pe­ri­ên­cia e lon­gas jor­na­das no seg­men­to que se pro­põe a atu­ar. Pen­san­do nis­so, o Wyndham Hotel Group no­me­ou o me­xi­ca­no Ale­jan­dro Mo­re­no co­mo Pre­si­den­te pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be. Mo­re­no ini­ci­ou sua car­rei­ra no Hotel Crow­ne Pla­za no Mé­xi­co, atu­ou na As­so­ci­a­ção de Ho­téis de Can­cun nos Es­ta­dos Uni­dos e ocu­pou di­ver­sas po­si­ções em ven­das e mar­ke­ting em em­pre­sas co­mo Six Con­ti­nents, no Bra­sil; Hotel In­ter­con­ti­nen­tal, na Tur­quia; e Hyatt Ho­tels & Re­sorts, no Mé­xi­co.

En­trou na Wyndham Worldwi­de em 2003, on­de seu úl­ti­mo car­go foi Vi­ce Pre­si­den­te e Ge­ren­te Ge­ral da Wyndham Va­ca­ti­on Ow­nership e à épo­ca, foi di­re­tor da RCI no Bra­sil. Hoje, à fren­te do gru­po ho­te­lei­ro na Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be, Mo­re­no já tem pla­nos pa­ra o Bra­sil e den­tre eles es­tá a aber­tu­ra do hotel Bay­mont Bra­sí­lia e a che­ga­da das mar­cas Es­plen­dor e Dazz­ler, que já são mui­to co­nhe­ci­das no mer­ca­do Ar­gen­ti­no. Con­fi­ra a tra­je­tó­ria de Ale­jan­dro Mo­re­no e su­as ex­pec­ta­ti­vas co­mo Pre­si­den­te da em­pre­sa pa­ra o con­ti­nen­te la­ti­no ame­ri­ca­no.

Re­vis­ta Ho­téis - Co­mo e quan­do vo­cê co­me­çou sua car­rei­ra pro­fis­si­o­nal? Foi por vo­ca­ção ou uma opor­tu­ni­da­de que sur­giu?

Ale­jan­dro Mo­re­no - Ini­ci­ei no Mé­xi­co, meu país na­tal. As opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho eram mui­to li­mi­ta­das na épo­ca em que eu es­ta­va na uni­ver­si­da­de, is­so co­lo­ca­va mui­ta pres­são na ca­be­ça das pes­so­as. Ao es­tu­dar na Uni­ver­si­da­de Na­ci­o­nal Autô­no­ma do Mé­xi­co, vo­cê ti­nha al­gu­mas áre­as pa­ra es­co­lher den­tro da car­rei­ra, eu ha­via co­me­ça­do em Ci­ê­ci­as da Co­mu­ni­ca­ção e Jor­na­lis­mo. Em cer­to mo­men­to ti­ve que op­tar, se fo­ca­ria nos mei­os eletrônicos; te­le­vi­são ou rá­dio (is­so era a úni­ca op­ção na épo­ca) ou se iria pa­ra jor­na­lis­mo es­cri­to, tra­ba­lhar pa­ra al­gum jor­nal ou re­vis­ta, o que eram pou­cas op­ções tam­bém.

En­tão, mi­nha ideia foi fo­car na área do Mar­ke­ting, que na épo­ca co­me­ça­va a ser ex­plo­ra­da e di­vul­ga­da, não ten­do tam­bém mui­tas al­ter­na­ti­vas, pois eram pou­cas agên­ci­as de publicidade no Mé­xi­co. Lem­bro que fo­mos le­va­dos a co­nhe­cê-las e nos­sa sur­pre­sa foi que o pes­so­al foi mui­to aten­ci­o­so, mas mui­to rá­pi­do ao nos fa­lar que as al­ter­na­ti­vas de em­pre­go eram tam­bém li­mi­ta­das.

Eu ti­nha ur­gên­cia em tra­ba­lhar e is­so só au­men­ta­va mi­nha an­si­e­da­de. En­tão, um ami­go meu me fa­lou que um Hotel da Zo­na Ro­sa do Mé­xi­co (co­nhe­ci­do co­mo a área dos tu­ris­tas) es­ta­va pre­ci­san­do de uma pes­soa que fa­las­se ita­li­a­no, já que os tu­ris­tas na sua mai­o­ria eram da Itá­lia. Até aí não ti­nha ideia do que se­ria tra­ba­lhar em ho­te­la­ria, mas a ideia de ar­ru­mar um em­pre­go era mui­to atra­ti­va.

Co­me­cei a tra­ba­lhar no hotel on­de fi­quei só al­guns me­ses, já que o ge­ren­te/pro­pri­e­tá­rio ti­nha uma for­ma de tra­ba­lhar que não era par­ti­cu­lar­men­te mui­to agra­dá­vel. Es­sa foi a opor­tu­ni­da­de pa­ra co­me­çar a tra­ba­lhar no Crow­ne Pla­za, hotel que per­ten­cia ao gru­po Pou­sa­das do Mé­xi­co on­de re­al­men­te co­me­cei mi­nha car­rei­ra na Ho­te­la­ria e a que me le­va­ria até os di­as de hoje.

RH - Por quais em­pre­en­di­men­tos pas­sou e co­mo se deu sua che­ga­da a Wyndham? AM - Pos­te­ri­or­men­te ao meu tra­ba­lho no Ho-

tel Crow­ne Pla­za no Mé­xi­co (hoje Fi­es­ta Ame­ri­ca­na Re­for­ma) on­de pas­sei qua­tro anos, fui con­vi­da­do a re­a­li­zar um tra­ba­lho de mar­ke­ting pa­ra a As­so­ci­a­ção de Ho­téis de Can­cun nos Es­ta­dos Uni­dos, pas­sei dois anos vi­a­jan­do e pro­mo­ven­do Can­cun com Agên­ci­as e Ope­ra­do­ras Tu­rís­ti­cas.

Quan­do vol­tei à Can­cun, co­mo Ge­ren­te de Mar­ke­ting da As­so­ci­a­ção de Ho­téis de Can­cun, na épo­ca com 80 Ho­téis As­so­ci­a­dos e par­ti­ci­pan­do de um Fun­do de Pro­mo­ção. Na épo­ca con­ta­va com uma par­ti­ci­pa­ção mui­to for­te do Fo­na­tur (Fun­do Na­ci­o­nal do Tu­ris­mo) e com o Go­ver­no do Es­ta­do, as três or­ga­ni­za­ções ti­nham um or­ça­men­to bas­tan­te al­to pa­ra di­vul­gar Can­cun, e is­so foi fei­to de for­ma exaus­ti­va.

O Hyatt Can­cun veio de­pois na área de Ven­das e Mar­ke­ting e de­pois dis­so, fui con­vi­da­do a par­ti­ci­par do Gru­po In­ter­con­ti­nen­tal co­mo Di­re­tor Re­gi­o­nal de Ven­das e Mar­ke­ting pa­ra o que de­pois se con­ver­te­ria em Gru­po Bass, Six Con­ti­nent e fi­nal­men­te fi­ca­ria co­mo IHG, tu­do is­so na Tur­quia, on­de fi­quei por al­guns anos. O In­ter­con­ti­nen­tal me trou­xe ao Bra­sil co­mo Di­re­tor Re­gi­o­nal de Ven­das e Mar­ke­ting, on­de fi­quei al­guns anos tam­bém.

Com a Wyndham, mi­nha par­ti­ci­pa­ção

“O Bra­sil tem um gran­de po­ten­ci­al de cres­ci­men­to com o tem­po com­par­ti­lha­do”

co­me­ça na RCI. Na épo­ca éra­mos par­te do Gru­po Cen­dant, que che­gou a ser uma das mai­o­res em­pre­sas de ca­pi­tal aber­to com in­ves­ti­men­to na Bol­sa, com o su­ces­si­vo “Spin off” que se­pa­rou as em­pre­sas, pas­sa­mos a for­mar par­te do Wyndham Worldwi­de.

A RCI, foi re­al­men­te uma sur­pre­sa co­mo em­pre­sa, ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de de­sen­vol­ver o Tem­po Com­par­ti­lha­do, que até en­tão ti­nha um pro­ces­so di­fí­cil de de­sen­vol­vi­men­to, foi aqui on­de gra­ças a uma das me­lho­res equi­pes for­ma­da por: Ma­ria Ca­ro­li­na Pi­nhei­ro, Lu­ci­a­na Ku­zuha­ra, Fa­bi­a­na Lei­te, Ar­man­do Ra­mi­rez en­tre ou­tros, con­se­gui­mos re­al­men­te im­ple­men­tar o Ti­me Sha­re e co­lo­car o Bra­sil no ma­pa de de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria.

Pos­te­ri­or­men­te, nos­so tra­ba­lho se con­cen­trou tam­bém na Pro­pri­e­da­de fra­ci­o­na­da, quo­tas, etc. Aqui foi on­de o Bra­sil de­co­lou em uma das áre­as que tem uma gran­de opor­tu­ni­da­de de apoi­ar o de­sen­vol­vi­men­to da ho­te­la­ria no País.

Já nes­tas con­di­ções, a Wyndham Va­ca­ti­on Ow­nership en­xer­gou que era o mo­men­to pa­ra ex­plo­rar a pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver um pro­je­to de ti­me sha­re na Amé­ri­ca do Sul, e o Bra­sil foi o País es­co­lhi­do. Com is­so co­me­ça­mos o tra­ba­lho de de­sen­vol­vi­me­to do Wyndham Club Bra­sil; atu­al­men­te com qua­tro ho­téis; Pra­tagy Be­a­ch All In­clu­si­ve Re­sort Wyndham; Wyndham Foz do Igua­çu; Laghet­to Al­le­gro Pe­dras Al­tas Wyndham Club Bra­sil e eSui­tes Vi­la do Mar Wy­nh­dam Club Bra­sil. E as­sim che­guei ao Wyndham Hotel Group, on­de es­tou co­mo Pre­si­den­te pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be.

RH - Co­mo vo­cê ana­li­sa a in­dús­tria de tem­po com­par­ti­lha­do no Bra­sil? Quais as di­fe­ren­ças que o Va­ca­ti­on da Wyndham pos­sui em re­la­ção aos de­mais exis­ten­tes no mer­ca­do?

AM - A in­dús­tria de tem­po com­par­ti­lha­do é pro­va­vel­men­te uma das mais no­bres den­tro da ho­te­la­ria, às ve­zes mal uti­li­za­da por in­di­ví­du­os ou em­pre­sas. En­tre­tan­to, é mui­to re­si­li­en­te, que mes­mo ago­ra na pi­or cri­se do País te­mos con­se­gui­do che­gar a um pon­to mui­to re­le­van­te no que mui­tas em­pre­sas con­ti­nu­am con­tra­tan­do fun­ci­o­ná­ri­os, abrin­do sa­las de ven­das e re­a­li­zan­do gran­des in­ves­ti­men­tos tan­to em es­tru­tu­ras co­mer­ci­ais co­mo em em­pre­en­di­men­tos ao lon­go de to­do o País.

O Bra­sil tem uma das mai­o­res ati­vi­da­des de co­mer­ci­a­li­za­ção de­pois dos Es­ta­dos Uni­dos, Mé­xi­co e Ca­ri­be. Na Amé­ri­ca La­ti­na, é sem dúvida o lí­der em ven­das nes­te mo­men­to. O WCB — Wyndham Club Bra­sil, ao fa­zer par­te do Wyndham Va­ca­ti­on Ow­nership ofe­re­ce um pro­du­to úni­co, pois dá aces­so ime­di­a­to aos mais de 200 ho­téis no mun­do, en­tre eles lo­cais mui­to atra­ti­vos pa­ra os con­su­mi­do­res bra­si­le­ri­os co­mo: Or­lan­do, Las Ve­gas, New York, des­ti­nos no Me­xi­co e Ca­ri­be en­tre ou­tros. Re­al­men­te o úni­co em sua clas­se no País.

Ao ad­qui­rir pon­tos do WCB vo­cê tem aces­so di­re­to sem ter que con­cor­rer com ou­tros as­so-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.