Ma­té­ria de Ca­pa

Aqui e ago­ra: a ne­ces­si­da­de por so­lu­ções ins­tan­tâ­ne­as por par­te dos cli­en­tes tem le­va­do os ho­téis a mi­gra­rem seu aten­di­men­to pa­ra a pon­ta dos de­dos

Hoteis - - Sumario -

Apli­ca­ti­vos re­vo­lu­ci­o­nam ser­vi­ços ho­te­lei­ros

Na ho­te­la­ria, o tem­po de es­pe­rar pe­lo aten­di­men­to ou por res­pos­tas das em­pre­sas em `ho­rá­rio co­mer­ci­al’ aca­bou. Em um pas­sa­do não tão dis­tan­te, os cli­en­tes eram for­ça­dos a es­pe­rar por de­ter­mi­na­do dia ou pe­río­do pa­ra re­ce­ber o su­por­te ne­ces­sá­rio do pres­ta­dor de ser­vi­ço que so­li­ci­tou. Livros re­gis­tra­do­res li­mi­ta­vam o pró­prio em­pre­en­di­men­to de con­fir­mar uma re­ser­va a qual­quer mo­men­to, tor­nan­do a ex­pe­ri­ên­cia mui­to mais len­ta e exaus­ti­va. Ho­je, quem man­da é o cli­en­te: na ho­ra que de­se­ja, se­ja pe­la ma­nhã, ou quan­do che­ga do tra­ba­lho; ou ain­da de ma­dru­ga­da, su­as dú­vi­das pre­ci­sam ser sa­na­das. E a tec­no­lo­gia tem aju­da­do ho­téis ou mes­mo as em­pre­sas de tu­ris­mo com es­sa de­man­da.

Os apli­ca­ti­vos pa­ra ce­lu­la­res e ta­blets es­tão sen­do ca­da vez mais usa­dos pe­los bra­si­lei­ros na ho­ra de vi­a­jar — e is­so não é de ho­je. De acor­do com le­van­ta­men­to fei­to pe­lo por­tal Ho­teis.com, hou­ve um cres­ci­men­to de mais de 100% nas bus­cas por hos­pe­da­gens re­a­li­za­das pe­lo app da em­pre­sa no Bra­sil no pri­mei­ro se­mes­tre de 2015, quan­do com­pa­ra­do ao mes­mo pe­río­do de 2014.

Atu­al­men­te, 25% das re­ser­vas re­a­li­za­das glo­bal­men­te são fei­tas via apli­ca­ti­vo. Além de con­su­mi­dor es­tar mais aber­to e se­gu­ro pa­ra re­a­li­zar com­pras via dis­po­si­ti­vos mó­veis, es­se com­por­ta­men­to no Bra­sil é im­pul­si­o­na­do pe­la pe­ne­tra­ção de smartpho­nes, que se­gun­do a consultoria IDC, mes­mo com a re­tra­ção na eco­no­mia, pre­viu que 50 mi­lhões de apa­re­lhos se­ri­am ven­di­dos até o fi­nal de 2015. “Ou­tro fa­tor que po­de ter con­tri­buí­do é a me­lho­ria no aces­so a in­ter­net mó­vel. Um re­la­tó­rio re­cen­te da ONU apon­tou que 78% dos usuá­ri­os tem aces­so”, ex­pli­cou Ju­an Pas­quel, Di­re­tor de Mar­ke­ting da Ho­teis.com pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na.

O le­van­ta­men­to mos­trou ain­da que os des­ti­nos do­més­ti­cos ga­nha­ram a pre­fe­rên­cia dos vi­a­jan­tes nes­te pri­mei­ro se­mes­tre de 2015, com uma al­ta de 140% nas bus­cas fei­ta via mo­bi­le, qua­se o do­bro do cres­ci­men­to re­gis­tra­do por des­ti­nos in­ter­na­ci­o­nais. En­tre as ci­da­des mais pro­cu­ra­das, Na­tal se des­ta­cou, su­pe­ran­do a mar­ca dos 200%. Ou­tros lo­cais co­mo Be­lo Ho­ri­zon­te, Cu­ri­ti­ba, For­ta­le­za, Porto Ale­gre, Sal­va­dor e Santiago, no Chi­le, re­gis­tram au­men­tos que equi­va­lem a mais que o do­bro.

De­sen­vol­vi­men­to do app

O uso de in­ter­net atra­vés de apa­re­lhos mó­veis já ul­tra­pas­sou o uso de in­ter­net por desk­top. Mui­tas em­pre­sas ain­da se pre­o­cu­pam com o con­teú­do de seus web­si­tes sem se pre­o­cu­par co­mo eles es­tão aparecendo em smartpho­nes. Uma so­lu­ção mó­vel ho­je em dia é tão es­sen­ci­al pa­ra uma em­pre­sa quan­to ter um web­si­te, por is­so, va­le a pe­na an­tes de im­plan­tar ana­li­sar qual a me­lhor fer­ra­men­ta pa­ra aten­der as ne­ces­si­da­des de seus cli­en­tes.

De acor­do com Ser­gio Cury, de­sen­vol­ve­dor de apli­ca­ti­vos e es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to, o prin­ci­pal er­ro co­me­ti­do em app de em­pre­sas é tra­tá­lo co­mo se fos­se uma ver­são mó­vel do web­si­te, mui­tas ve­zes exi­bin­do to­do o con­teú­do da pá­gi­na no soft­ware e não to­mar cui­da­do com o ta­ma­nho de ima­gens e ví­de­os. Além dis­so, ele res­sal­ta que é im­por­tan­te le­var em con­ta o con­teú­do, já que quem es­tá abrin­do o apli­ca­ti­vo usa uma te­la me­nor com in­ter­net mais len­ta.

Cury ex­pli­ca que pa­ra pu­bli­car um apli­ca­ti­vo nas App Sto­res da Ap­ple e An­droid é ne­ces­sá­ria a apro­va­ção das pla­ta­for­mas. “O pro­ces­so pa­ra a Play Sto­re do Go­o­gle pre­sen­te nos smartpho­nes com sis­te­ma An­droid é mais sim­ples. É ne­ces­sá­rio pa­gar uma ta­xa úni­ca pa­ra o Go­o­gle no va­lor de US$ 25 e en­vi­ar o apli­ca­ti­vo de­sen­vol­vi­do pa­ra apro­va­ção. Nor­mal­men­te, de­mo­ra um pe­río­do de 1 a 2 di­as e o apli­ca­ti­vo já apa­re­ce dis­po­ní­vel pa­ra down­lo­ad na Play Sto­re. Já a Ap­ple é mais exi­gen­te. Des­de se­tem­bro de 2017, ela im­plan­tou uma re­gra no­va pa­ra apro­va­ção do apli­ca­ti­vo que tem ti­ra­do mui­to o so­no dos de­sen­vol­ve­do­res. Se­gun­do es­ta re­gra, o apli­ca­ti­vo não po­de ser de­sen­vol­vi­do em ci­ma de tem­pla­tes pron­tos no mer­ca­do, sen­do ne­ces­sá­rio de­sen­vol­ver um apli­ca­ti­vo com de­sign ex­clu­si­vo e com fun­ci­o­na­li­da­des úteis pa­ra quem vai aces­sar a fer­ra­men­ta de um smartpho­ne”, con­tou o de­sen­vol­ve­dor.

A Ap­ple co­bra uma anui­da­de de US$ 99 pa­ra aber­tu­ra de uma con­ta de­sen­vol­ve­dor pa­ra a pu­bli­ca­ção do apli­ca­ti­vo. A pes­soa ou em­pre­sa res­pon­sá­vel por es­ta con­ta de­ve ser a mes­ma res­pon­sá­vel pe­lo con­teú­do do app. Pa­ra pu­bli­car um apli­ca­ti­vo no­vo nas lo­jas da em­pre­sa nor­te-ame­ri­ca­na é um pro­ces­so que le­va cer­ca de 30 di­as, e pa­gar a anui­da­de da con­ta não ga­ran­te a pu­bli­ca­ção do apli­ca­ti­vo. “A Ap­ple po­de re­pro­var e até mes­mo re­ti­rar do ar após apro­va­do se ela con­si­de­rar que não res­pei­ta su­as re­gras. No ano pas­sa­do ela re­mo­veu mais de 150.000 apli­ca­ti­vos da Ap­ple Sto­re por con­si­de­rar que não cum­pri­am su­as re­gras”, de­cla­rou Ser­gio. Se­gun­do ele, o An­droid co­me­çou a se­guir o mes­mo ca­mi­nho e ago­ra es­ta com vá­ri­as exi­gên­ci­as pa­ra

man­ter o apli­ca­ti­vo na lo­ja, co­mo obri­ga­to­ri­e­da­de de uma po­lí­ti­ca de pri­va­ci­da­de, con­teú­do de acor­do com a fai­xa etá­ria do usuá­rio en­tre ou­tros.

Atu­a­li­za­ções

Exis­tem dois ti­pos de atu­a­li­za­ção de um apli­ca­ti­vo. A atu­a­li­za­ção de con­teú­do, que de­pen­den­do da ma­nei­ra co­mo foi de­sen­vol­vi­do não ne­ces­si­ta acom­pa­nha­men­to de téc­ni­co ou no­va apro­va­ção na App Sto­re e a atu­a­li­za­ção téc­ni­ca, ne­ces­sá­ria sem­pre que a Ap­ple ou Go­o­gle lançam no­vas ver­sões de seus sis­te­mas ou quan­do ocor­re al­te­ra­ção na es­tru­tu­ra do apli­ca­ti­vo. “Sem­pre que hou­ver al­gu­ma atu­a­li­za­ção na fon­te do apli­ca­ti­vo ha­ve­rá a ne­ces­si­da­de de um no­vo en­vio pa­ra pu­bli­ca­ção e uma no­va apro­va­ção. Sem­pre que en­vi­a­mos pa­ra as App Sto­res uma atu­a­li­za­ção é co­mo se fos­se a pri­mei­ra vez. Tem que pas­sar por to­do pro­ces­so de apro­va­ção no­va­men­te”, ex­pli­cou o de­sen­vol­ve­dor Ser­gio Cury.

Co­mo exem­plo, o apli­ca­ti­vo da Re­vis­ta Ho­téis foi de­sen­vol­vi­do de ma­nei­ra que per­mi­ta que os pró­pri­os co­la­bo­ra­do­res da re­vis­ta atu­a­li­zem seu con­teú­do atra­vés de um pai­nel ge­ren­ci­a­dor de con­teú­do. Nes­te pai­nel, além de atu­a­li­zar o con­teú­do é pos­sí­vel en­vi­ar aler­tas pa­ra os usuá­ri­os do app e acom­pa­nhar es­ta­tís­ti­cas de uso e down­lo­ads. Es­ta téc­ni­ca é a mais uti­li­za­da por apli­ca­ti­vos de em­pre­sas on­de o con­teú­do pre­ci­sa ser atu­a­li­za­do com frequên­cia. “As App Sto­res es­tão ca­da vez mais exi­gen­tes pa­ra apro­var um apli­ca­ti­vo e, por es­te mo­ti­vo, tem sur­gi­do ou­tras fer­ra­men­tas pa­ra pos­si­bi­li­tar as mes­mas van­ta­gens sem pre­ci­sar da pu­bli­ca­ção e apro­va­ção da App Sto­re. Uma des­tas fer­ra­men­tas é o PWA (Pro­gres­si­ve Web App) de­sen­vol­vi­do e lan­ça­do pe­lo Go­o­gle em 2015 que per­mi­te que o web­si­te se­ja ins­ta­la­do no smartpho­ne di­re­ta­men­te do brow­ser, fi­que re­si­den­te, per­mi­te lei­tu­ra do con­teú­do mes­mo sem in­ter­net, re­ce­be aler­tas en­tre ou­tros”, con­cluiu o es­pe­ci­a­lis­ta.

Re­le­vân­cia de um APP

Quan­tos apli­ca­ti­vos uma pes­soa bai­xa em seu ce­lu­lar que re­al­men­te são úteis? Es­sa é a pri­mei­ra per­gun­ta que Ra­fa­el Albuquerque, CEO da Zo­ox, um dos mais tra­di­ci­o­nais de­sen­vol­ve­do­res de APP da ho­te­la­ria, per­gun­ta ao seu cli­en­te na ho­ra de con­tra­tar os ser­vi­ços. “Nor­mal­men­te os cli­en­tes usam os apps do WhatsApp, banco, e-mail, re­des so­ci­ais, mú­si­ca e mais uns três. Atu­al­men­te, ape­nas 2% dos apli­ca­ti­vos de­sen­vol­vi­dos no mun­do re­al­men­te são uti­li­za­dos. Por is­so, eu acon­se­lho o de­sen­vol­vi­men­to de um apli­ca­ti­vo des­de que ele re­al­men­te re­sol­va uma gran­de “dor” do cli­en­te ou ofe­re­ça um be­ne­fí­cio ex­tre­ma­men­te re­le­van­te”, jus­ti­fi­ca Albuquerque.

E no mun­do da ho­te­la­ria a si­tu­a­ção não é di­fe­ren­te, o hós­pe­de só bai­xa e uti­li­za um apli­ca­ti­vo se ele agre­gar va­lor e co­mo­di­da­de. “Por is­so, após mui­tas pes­qui­sas, de­ci­di­mos de­sen­vol­ver o apli­ca­ti­vo MyHo­tel. Uma vez ins­ta­la­do no ce­lu­lar, o hós­pe­de já se­rá iden­ti­fi­ca­do quan­do en­trar den­tro de um ho­tel cre­den­ci­a­do. O App irá au­to­ma­ti­ca­men­te ha­bi­li­tar, des­de que es­te­ja checkIn, fun­ções co­mo: Es­pe­lha­men­to de con­teú­do na TV (Netf­lix, Spo­tify e etc.), te­le­fo­ne do ho­tel no pró­prio App (o hós­pe­de irá re­ce­ber cha­ma­dos via App, sem a ne­ces­si­da­de de ser pe­lo te­le­fo­ne do qu­ar­to), Check Out Ele­trô­ni­co com pa­ga­men­to via Car­tão, Check In

com re­co­nhe­ci­men­to fa­ci­al, aber­tu­ra de por­ta via Ce­lu­lar, Ro­om Ser­vi­ce e ou­tros ser­vi­ços. Ou se­ja, um úni­co apli­ca­ti­vo, pa­ra to­dos os ho­téis cli­en­tes da Zo­ox que per­mi­tam o hós­pe­de ter con­tro­le de tu­do da sua hos­pe­da­gem com o seu pró­prio ce­lu­lar”, con­cluiu Albuquerque.

Op­ções à mão

Mai­or bus­ca­dor on­li­ne do mun­do, o Go­o­gle de­no­mi­nou a ur­gên­cia de res­pos­ta co­mo “mi­cro­mo­men­to”. O ter­mo de­fi­ne-se por mi­nús­cu­los mo­men­tos de in­ten­ção de to­ma­da de de­ci­são e for­ma­ção de pre­fe­rên­ci­as que ocor­rem du­ran­te a jor­na­da do con­su­mi­dor. De acor­do com Ro­dri­go Tei­xei­ra, CEO da In­fo­tic­kets Ho­tel Mar­ke­ting e tam­bém da Ask­sui­te Ho­tel Chat­bot, es­sa ex­pres­são re­pre­sen­ta a era da Eco­no­mia do Ins­tan­te. Se­gun­do ele, bus­cas no Go­o­gle re­la­ci­o­na­das à ho­te­la­ria e vi­a­gens que in­clu­em os ter­mos “ho­je à noi­te” ou “ho­je” au­men­ta­ram 150% no úl­ti­mo ano. Além dis­so, a ten­dên­cia é de que a an­te­ce­dên­cia das re­ser­vas caia ca­da vez mais. Is­so mos­tra que cli­en­te va­lo­ri­za o ho­tel que es­ti­ver dis­po­ní­vel a qual­quer mo­men­to pa­ra pas­sar as in­for­ma­ções que bus­ca – o que mu­da com­ple­ta­men­te o pla­ne­ja­men­to co­mer­ci­al do em­pre­en­di­men­to.

Tei­xei­ra des­ta­cou ain­da que na ho­te­la­ria, o vi­a­jan­te de la­zer ti­ra su­as úl­ti­mas dú­vi­das, es­co­lhe o ho­tel e faz sua re­ser­va no pe­río­do no­tur­no, quan­do a fa­mí­lia es­tá reu­ni­da em ca­sa de­pois do tra­ba­lho e da es­co­la dos fi­lhos. Es­te pú­bli­co, por exem­plo, já não es­co­lhe­ria a mar­ca que o fa­ria es­pe­rar até o dia se­guin­te pa­ra ser res­pon­di­do. Jun­to às fa­ci­li­da­des, o ce­lu­lar tam­bém dei­xou o con­su­mi­dor an­si­o­so e im­pa­ci­en­te. Se o seu ho­tel não tem um si­te res­pon­si­vo que per­mi­ta a vi­su­a­li­za­ção de in­for­ma­ções e fotos de for­ma fá­cil e bem dis­tri­buí­da, na mes­ma ho­ra o pos­sí­vel cli­en­te pas­sa­rá pa­ra o seu con­cor­ren­te. Com as de­ci­sões de com­pra to­ma­das de for­ma ime­di­a­ta, a le­al­da­de às mar­cas di­mi­nui. As­sim, os ho­téis vêm apos­tan­do em apli­ca­ti­vos pró­pri­os pa­ra per­so­na­li­zar ain­da mais o aten­di­men­to, apro­xi­man­do o ho­tel do hós­pe­de e cri­an­do uma iden­ti­fi­ca­ção com a mar­ca.

In­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al mul­ti­ca­nal

O vo­lu­me de re­ser­vas por meio de apli­ca­ti­vos e chats de men­sa­gens não pa­ra de cres­cer. De acor­do com a consultoria Ni­el­sen, o nú­me­ro de con­su­mi­do­res que uti­li­zam chats an­tes da com­pra au­men­tou de 38 pa­ra 58%. Ou­tro da­do do Go­o­gle mos­tra que ca­da se­gun­do a mais de de­mo­ra no aten­di­men­to ou no car­re­ga­men­to do si­te mó­vel, as con­ver­sões ca­em 12%. Com is­so, a au­to­ma­ção da as­sis­tên­cia ao cli­en­te on­li­ne já é uma re­a­li­da­de no se­tor ho­te­lei­ro. Den­tro des­te con­cei­to, a consultoria ame­ri­ca­na Gart­ner pre­vê que até 2020, 85% das in­te­ra­ções en­tre em­pre­sas e cli­en­tes te­rá in­ter­mé­dio de al­gum sis­te­ma de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al.

Fo­ram es­ses nú­me­ros que ins­pi­ra­ram Ro­dri­go Tei­xei­ra a lan­çar o pri­mei­ro robô de aten­di­men­to on­li­ne da ho­te­la­ria. Ele tam­bém res­sal­ta que, ho­je, 52% dos aten­di­men­tos do robô ocor­rem fo­ra do ho­rá­rio co­mer­ci­al, co­mo ocor­re no si­te do re­sort Pra­tas Ther­mas de São Car­los em San­ta Ca­ta­ri­na. A fer­ra­men­ta aten­de instantaneamente as dú­vi­das dos cli­en­tes tan­to no si­te, quan­to no Fa­ce­bo­ok, apli­ca­ti­vo do ho­tel ou da re­de ho­te­lei­ra. A tec­no­lo­gia, além de ser in­te­gra­da com os prin­ci­pais motores de re­ser­va on­li­ne, já é mul­ti­lín­gue e aten­de o vi­si­tan­te di­re­to no idi­o­ma do usuá­rio, in­ter­pre­tan­do tam­bém lin­gua­gem na­tu­ral.

Se­gun­do Tei­xei­ra, “Ca­da vez mais as pes­so­as es­tão no ce­lu­lar e in­te­ra­gin­do uns com os ou­tros por men­sa­gens. O te­le­fo­ne fi­xo es­tá com os di­as con­ta­dos, ra­ra­men­te uti­li­za­mos. Ho­je, 76% dos Mil­len­ni­als já pre­fe­rem con­ta­tar em­pre­sas por men­sa­gens de tex­to, pois es­tão o tem­po in­tei­ro

no ce­lu­lar. E li­gar pa­ra um ho­tel nor­mal­men­te en­vol­ve uma li­ga­ção in­te­rur­ba­na. Par­ti­cu­lar­men­te, acho um ab­sur­do pa­gar só pa­ra con­ta­tar uma em­pre­sa na qual te­nho in­te­res­se de ti­rar dú­vi­das, ou fa­zer uma sim­ples co­ta­ção. Nos­so con­cei­to é quan­to mais vo­cê es­tá dis­po­ní­vel pa­ra aten­der o cli­en­te, mais ven­das vo­cê te­rá, e is­so se apli­ca tan­to a ca­nais de dis­tri­bui­ção quan­to a ca­nais de aten­di­men­to”, apon­tou o em­pre­sá­rio.

A van­ta­gem de um chat­bot em re­la­ção a um chat hu­ma­no é sua dis­po­ni­bi­li­da­de 24h nos 365 di­as do ano. Os bots da Ask­sui­te aten­dem 52% do tem­po fo­ra do ho­rá­rio co­mer­ci­al nos ho­téis que a em­pre­sa atua. “Ou­tro be­ne­fí­cio da fer­ra­men­ta é ser mul­ti-idi­o­ma. O robô já sa­be se aque­le vi­si­tan­te fa­la in­glês ou es­pa­nhol e já faz to­do o aten­di­men­to fa­lan­do na lín­gua do vi­a­jan­te. A ter­cei­ra uti­li­da­de é o tem­po de aten­di­men­to: um chat hu­ma­no tem um tem­po mé­dio de res­pos­ta pa­ra ca­da per­gun­ta de 2 mi­nu­tos. Pa­ra sa­ber a co­ta­ção em re­des ho­te­lei­ras, o aten­di­men­to mais rá­pi­do tes­ta­do via chat foi de 7 mi­nu­tos. E is­so no ce­lu­lar é uma eter­ni­da­de. Com um chat­bot, tu­do é ins­tan­tâ­neo”, ex­pli­cou Ro­dri­go.

A so­lu­ção tam­bém é mul­ti­ca­nal, pois já aten­de no si­te, mo­bi­le e no Fa­ce­bo­ok, e po­de aten­der in­fi­ni­tos cli­en­tes si­mul­ta­ne­a­men­te em ca­da ca­nal, sem fi­la de es­pe­ra. “Ou­tra van­ta­gem é cus­to. Se­ri­am ne­ces­sá­ri­as al­gu­mas pes­so­as po­li­glo­tas den­tro do ho­tel pa­ra ter es­sa mes­ma ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta. Se pro­gra­mar­mos o bot a sem­pre edu­car os vi­a­jan­tes a re­ser­var di­re­to com o ho­tel, por exem­plo, ele nun­ca vai esquecer dis­so. E a úl­ti­ma van­ta­gem é con­tro­le. Tu­do é men­su­rá­vel e me­lho­ra­do com ba­se em nú­me­ros re­ais e es­ta­tís­ti­cos, co­mo tem que ser”.

Pa­ra Tei­xei­ra, a au­to­ma­ção é um ca­mi­nho sem vol­ta, e não ape­nas na ho­te­la­ria. OTA`s e em­pre­sas de di­ver­sos se­to­res tem es­co­lhi­do es­ta op­ção de aten­di­men­to “self-ser­vi­ce”. Quan­do se fa­la em robô de aten­di­men­to, al­guns ho­te­lei­ros fi­cam re­ce­o­sos, mas quan­do tes­tam o chat no si­te de um ho­tel, tu­do mu­da e o re­ceio vi­ra sur­pre­sa. “Um da­do im­por­tan­te é que 72% das pes­so­as que in­te­ra­gem com nos­so bot já di­zem ter su­as dú­vi­das re­sol­vi­das, e es­se nú­me­ro só vai su­bir a partir de ago­ra. Em ter­mos de dis­po­ni­bi­li­da­de e ve­lo­ci­da­de de res­pos­ta, já su­pe­ra­mos de lon­ge um chat hu­ma­no, e nos­sa pre­vi­são pa­ra um ho­tel é em até um ano res­pon­der 98% das per­gun­tas com exa­ti­dão. E cla­ro, aqui­lo que no pri­mei­ro mo­men­to o robô não en­ten­de ele pas­sa pa­ra a equi­pe do ho­tel”, afir­mou.

Fer­ra­men­ta mul­ti­fun­ci­o­nal

Fé­ri­as é um tem­po pa­ra re­la­xa­men­to, fi­car sem pre­o­cu­pa­ções e ter tu­do à mão. Pa­ra unir es­te pe­río­do com a tec­no­lo­gia, a Re­de Tauá de Ho­téis ini­ci­ou o ano de 2018 com apli­ca­ti­vo per­so­na­li­za­do sob o te­ma “Fé­ri­as no Tú­nel do Tem­po”. Com a fer­ra­men­ta, to­dos os cli­en­tes po­dem usu­fruir de fun­ci­o­na­li­da­des ex­clu­si­vas, com na­ve­ga­ção in­tui­ti­va e dis­po­ni­bi­li­za­do gra­tui­ta­men­te pa­ra adul­tos e cri­an­ças.

Por meio do apli­ca­ti­vo, os cli­en­tes po­dem con­fe­rir que ho­ras vai acon­te­cer ca­da ati­vi­da­de, co­mo o “Pac Man”, o cam­pe­o­na­to de “Ata­ri”, ou até mes­mo o “Jo­go da Ve­lha hu­ma­no”. A pro­gra­ma­ção de es­por­tes e la­zer do dia fi­ca dis­po­ní­vel no app, as­sim co­mo os car­dá­pi­os dos Spas, res­tau­ran­tes, ro­om ser­vi­ce e ba­res. O des­lo­ca­men­to en­tre um lo­cal e ou­tro tam­bém po­de ser fei­to com o apoio do app, que per­mi­te que o hós­pe­de co­lo­que os pon­tos de par­ti­da e de che­ga­da, mos­tran­do o ca­mi­nho mais cur­to en­tre os lo­cais. Ain­da, fotos ga­nham fil­tros ex­clu­si­vos e a pos­si­bi­li­da­de de com­par­ti­lha­men­to nas re­des so­ci­ais.

Ge­ren­te de mar­ke­ting da Re­de Tauá, Pe­dro Vi­ei­ra afir­ma que a re­de es­tá fo­ca­da em es­trei­tar re­la­ci­o­na­men­tos. “Por meio de nos­so apli­ca­ti­vo, nos apro­xi­ma­mos ain­da mais de nos­sos hós­pe­des, que ago­ra po­dem con­fe­rir as no­vi­da­des e o que acon­te­ce em nos­sos re­sorts, a qual­quer ho­ra, di­re­to na palma da mão. Já o te­ma das fé­ri­as, Tú­nel do tem­po, foi es­co­lhi­do pa­ra apro­xi­mar pais e fi­lhos, res­ga­tan­do, em meio à cor­re­ria, a ve­lha in­fân­cia, com brin­ca­dei­ras e ga­mes que os pais co­nhe­cem e, pa­ra as cri­an­ças, so­am co­mo no­vi­da­de. É in­crí­vel ver um pai en­si­nan­do seu fi­lho a jo­gar Ata­ri, por exem­plo”, ex­pli­cou o exe­cu­ti­vo.

Con­si­de­ran­do pla­ne­ja­men­to e exe­cu­ção, o apli­ca­ti­vo le­vou cer­ca de seis me­ses pa­ra fi­car pron­to. De acor­do com o ge­ren­te, a de­ci­são de in­ves­tir foi to­ma­da por dois mo­ti­vos: a iden­ti­fi­ca­ção de uma mu­dan­ça no com­por­ta­men­to dos cli­en­tes do seg­men­to, que es­tão ca­da vez mais co­nec­ta­dos e, em pa­ra­le­lo, a bus­ca cons­tan­te em me­lho­rar a ex­pe­ri­ên­cia dos hós­pe­des. “Nos­sos es­for­ços es­tão fo­ca­dos em le­var o Tauá ao al­can­ce das pes­so­as atra­vés do mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de pla­ta­for­mas di­gi­tais, in­cluin­do tam­bém o WhatsApp. Com is­so, es­pe­ra­mos re­du­zir nos­sos cus­tos, prin­ci­pal­men­te, em ma­te­ri­ais im­pres­sos, uma vez que o apli­ca­ti­vo nos for­ne­ce op­ções de divulgação di­re­ta pa­ra os cli­en­tes, além de es­trei­tar e for­ta­le­cer o re­la­ci­o­na­men­to, por meio da in­te­ra­ti­vi­da­de, co­mo a pu­bli­ca­ção de fotos nas re­des so­ci­ais com fil­tros ex­clu­si­vos, por exem­plo. Além dos cus­tos, o apli­ca­ti­vo tam­bém tem o ob­je­ti­vo de au­xi­li­ar a ope­ra­ção dos re­sorts, re­du­zin­do fi­las de IN e OUT e agi­li­zan­do o con­ta­to com os ge­ren­tes das uni­da­des”, ex­pli­cou Vi­ei­ra.

Em bre­ve, uma fun­ção ape­li­da­da de “ca­ça­cri­an­ça” tam­bém es­ta­rá dis­po­ní­vel, per­mi­tin­do que os pais lo­ca­li­zem seus fi­lhos por meio de um sis­te­ma de GPS, que co­nec­ta­rá um relógio (ce­di­do pe­lo ho­tel) no pul­so da cri­an­ça, ao apli­ca­ti­vo, for­ne­cen­do a lo­ca­li­za­ção da ga­ro­ta­da em ca­da re­sort. As fun­ci­o­na­li­da­des pa­ra check-in e check-out tam­bém se­rão dis­po­ni­bi­li­za­das em bre­ve, fa­zen­do com que o hós­pe­de ga­nhe mais tem­po pa­ra se di­ver­tir nos re­sorts da Re­de. Os cli­en­tes ain­da po­dem con­fe­rir pro­mo­ções e re­a­li­zar su­as re­ser­vas on­de es­ti­ve­rem, com mais con­for­to e co­mo­di­da­de. “Sem dú­vi­da, o apli­ca­ti­vo agre­ga va­lor à ex­pe­ri­ên­cia dos nos­sos hós­pe­des. Com to­das as in­for­ma­ções e su­por­te na palma da mão, to­dos ga­nham mais tem­po pa­ra apro­vei­tar a in­fra­es­tru­tu­ra e as pro­gra­ma­ções de la­zer dos re­sorts, além de con­so­li­dar­mos nos­sa mar­ca co­mo ino­va­do­ra, com­pe­tên­cia co­bra­da pe­lo mer­ca­do e pe­los pró­pri­os hós­pe­des”, com­ple­men­tou o exe­cu­ti­vo da re­de Tauá.

Pro­xi­mi­da­de do cli­en­te

Re­ser­vas, aten­di­men­to, ge­o­lo­ca­li­za­ção e ofer­tas sa­zo­nais. Es­tas são as prin­ci­pais fun­ci­o­na­li­da­des do apli­ca­ti­vo da Na­ci­o­nal Inn, ges­to­ra das mar­cas Gol­den Park, Dan Inn, Vi­la­ge Inn e Ther­mas Re­sort. A fer­ra­men­ta foi lan­ça­da em 2015 pe­la em­pre­sa a fim de se po­si­ci­o­nar no mer­ca­do de for­ma ain­da mais com­pe­ti­ti­va. O app Ho­téis Na­ci­o­nal Inn vi­sa pro­por­ci­o­nar fá­cil aces­so a to­das as uni­da­des lo­ca­li­za­das em 23 ci­da­des em se­te es­ta­dos aten­di­das pe­la re­de. Uma fer­ra­men­ta de ge­o­lo­ca­li­za­ção per­mi­te en­con­trar a uni­da­de Na­ci­o­nal Inn mais per­to de on­de o usuá­rio es­tá. Pe­lo apli­ca­ti­vo, é pos­sí­vel ain­da fa­zer re­ser­vas on-li­ne e se ca­das­trar pa­ra re­ce­ber ofer­tas es­pe­ci­ais via email.

Além dis­so, o app Na­ci­o­nal Inn Ho­téis é cons­tan­te­men­te atu­a­li­za­do com con­teú­do so­bre os des­ti­nos e as uni­da­des da re­de, que per­ma­ne­ce em ex­pan­são cres­cen­te. Foi in­cluí­da re­cen­te­men­te a pos­si­bi­li­da­de de no­ti­fi­ca­ção dos usuá­ri­os pa­ra a ofer­ta de pro­mo­ções ex­clu­si­vas, com des­con­tos que al­can­çam de 5% a 10%.

A fer­ra­men­ta foi pen­sa­da pa­ra au­xi­li­ar o vi­a­jan­te de úl­ti­ma ho­ra que pre­ci­sa de um ho­tel, mas tam­bém, o tu­ris­ta que es­tá pro­gra­man­do as pró­xi­mas fé­ri­as. O App Ho­téis Na­ci­o­nal Inn traz con­teú­do so­bre to­das as ci­da­des aten­di­das pe­la em­pre­sa, um ca­nal pa­ra des­co­brir cu­ri­o­si­da­des e pon­tos tu­rís­ti­cos a se­rem ex­plo­ra­dos. O apli­ca­ti­vo es­tá dis­po­ní­vel pa­ra down­lo­ad gra­tui­to, na Play Sto­re pa­ra usuá­ri­os An­droid e na Ap­ple Sto­re, pa­ra usuá­ri­os Ipho­ne. Ou­tro ob­je­ti­vo do apli­ca­ti­vo é mi­ni­mi­zar as ven­das off-li­ne que já pos­sui os cli­en­tes di­re­tos, as­sim co­mo am­pli­ar a ba­se de cli­en­tes e cri­ar in­te­ra­ti­vi­da­de com o pú­bli­co. A fer­ra­men­ta ge­rou re­du­ção de cus­tos em vir­tu­de dos ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de, uma vez que os usuá­ri­os en­con­tram no app in­for­ma­ções su­fi­ci­en­tes pa­ra efe­ti­va­rem re­ser­vas. Pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça de da­dos, são uti­li­za­dos os mes­mos sis­te­mas que pro­te­gem o mo­tor de ven­das. O banco de da­dos que o app aces­sa é crip­to­gra­fa­do, o que sig­ni­fi­ca que to­da a in­for­ma­ção tro­ca­da no apli­ca­ti­vo é pre­ser­va­do.

Até a fi­na­li­za­ção des­ta re­por­ta­gem, o apli­ca­ti­vo da Na­ci­o­nal Inn con­ta­bi­li­zou 3.348 down­lo­ads no sis­te­ma An­droid e 3.787 na pla­ta­for­ma iOS. Mes­mo as­sim, des­de o lan­ça­men­to da pri­mei­ra ver­são do app, a Na­ci­o­nal Inn Ho­téis re­gis­tra au­men­to de de­man­da em to­dos os ca­nais, in­clu­si­ve os de for­ma pre­sen­ci­al. Em bre­ve, se­rá lan­ça­da a ter­cei­ra ver­são do si­te da em­pre­sa, se­gui­da da no­va ver­são do apli­ca­ti­vo pa­ra dis­po­si­ti­vos mó­veis, de­sen­vol­vi­da a partir da cur­va de apren­di­za­gem ob­ti­da na in­te­ra­ti­vi­da­de e fo­ca­da na apli­ca­bi­li­da­de, com mais fa­ci­li­da­des pa­ra os usuá­ri­os.

Con­ci­er­ge à mão

A atu­a­ção do con­ci­er­ge é cer­ta­men­te im­por­tan­te pa­ra a en­tre­ga de ser­vi­ços com ex­ce­lên­cia em um ho­tel. Pen­san­do em oti­mi­zar “o me­lhor ami­go do hós­pe­de”, a ad­mi­nis­tra­do­ra mul­ti­mar­cas Atlan­ti­ca Ho­tels cri­ou o apli­ca­ti­vo Ra­dis­son iCon­ci­er­ge, dis­po­ní­vel pa­ra os hós­pe­des des­sa ban­dei­ra de lu­xo. A ideia tem ga­nha­do ca­da vez mais for­ça, tan­to que inú­me­ras em­pre­sas têm op­ta­do por es­te mé­to­do pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da do cli­en­te, além de apro­xi­má­lo da em­pre­sa.

De acor­do com Re­gi­na Car­ri­jo, Ge­ren­te ge­ral dos ho­téis Com­fort Sui­tes e Ra­dis­son Alpha­vil­le, em Ba­ru­e­ri – SP, “o Ra­dis­son iCon­ci­er­ge ofe­re­ce aos hós­pe­des aces­so a uma gran­de va­ri­e­da­de de ser­vi­ços ho­te­lei­ros e in­for­ma­ções lo­cais, an­tes, du­ran­te e após a sua es­ta­da”. Além dis­so, por meio do apli­ca­ti­vo, é pos­sí­vel so­li­ci­tar ser­vi­ço de qu­ar­to, to­a­lhas ou ame­ni­ti­es, pe­dir aju­da com a ba­ga­gem ou avi­sar so­bre la­te check-out, so­li­ci­tar re­fei­ções no qu­ar­to e mui­tas ou­tras coi­sas.

O apli­ca­ti­vo, que es­tá dis­po­ní­vel de ma­nei­ra gra­tui­ta pa­ra An­droid e iOS, ain­da au­xi­lia o hós­pe­de pa­ra co­nhe­cer a re­gião do ho­tel. “Aqui em Alpha­vil­le, por exem­plo, nos­sos hós­pe­des po­dem ver ma­pas da re­gião, lo­ca­li­zar os prin­ci­pais res­tau­ran­tes, atra­ções e cen­tros de com­pras. En­fim, o apli­ca­ti­vo é mui­to útil pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da do hós­pe­de. Mas, cla­ro, to­dos os nos­sos fun­ci­o­ná­ri­os se­guem à dis­po­si­ção pa­ra qual­quer aju­da a qual­quer mo­men­to. Re­cen­te­men­te, con­cluí­mos até uma mu­dan­ça no lobby do Ra­dis­son pa­ra que o bal­cão do con­ci­er­ge fi­que ain­da mais pró­xi­mo ao hós­pe­de no mo­men­to do check-in”, ex­pli­cou Car­ri­jo.

An­tes, du­ran­te e de­pois

O apli­ca­ti­vo tem o po­der de oti­mi­zar o tem­po e ge­rar mai­or pro­du­ti­vi­da­de do ser­vi­ço. No fu­tu­ro, é pos­sí­vel que es­sa pro­du­ti­vi­da­de pos­sa re­du­zir cus­tos. Des­de que foi lan­ça­do no Bra­sil no úl­ti­mo ano, o apli­ca­ti­vo da re­de Ibe­ros­tar pas­sou por di­ver­sas atu­a­li­za­ções de me­lho­ria. O que não mu­dou fo­ram su­as fun­ções vol­ta­das pa­ra o aten­di­men­to dos três pas­sos da vi­a­gem do cli­en­te: o `an­tes’, per­mi­tin­do fa­zer re­ser­va e o check in on­li­ne; `du­ran­te’, com a ofer­ta de múl­ti­plos ser­vi­ços e in­for­ma­ção re­le­van­te pa­ra o hós­pe­de em sua es­ta­da e o `de­pois’, uma vez que é um efe­ti­vo ca­nal de co­mu­ni­ca­ção en­tre a re­de e seus vi­si­tan­tes.

Na se­ção Ibe­ros­tar Ex­pe­ri­en­ce, o hós­pe­de po­de aces­sar to­dos os ser­vi­ços e ins­ta­la­ções do ho­tel por meio de um ma­pa in­te­ra­ti­vo, ou con­sul­tar a ofer­ta gas­tronô­mi­ca do ho­tel, per­mi­tin­do a re­ser­va de me­sas em qual­quer um dos res­tau­ran­tes, ou até mes­mo con­ta­tar o Ro­om Ser­vi­ce pa­ra pe­dir o jan­tar no qu­ar­to. A fun­ção de e-con­ci­er­ge, den­tro do Ibe­ros­tar Ex­pe­ri­en­ce, per­mi­te que os usuá­ri­os se co­mu­ni­quem o tem­po to­do com os fun­ci­o­ná­ri­os do ho­tel. No apli­ca­ti­vo, os usuá­ri­os po­dem aces­sar ou­tros ser­vi­ços e apro­vei­tar ao má­xi­mo a es­ta­dia, co­mo o la­te check-out e gu­ar­da-vo­lu­mes, vi­su­a­li­zar os di­fe­ren­tes even­tos e ati­vi­da­des dis­po­ní­veis de ca­da dia, sal­vá-las na agen­da do ce­lu­lar e com­par­ti­lhá-las nas re­des so­ci­ais.

Se­gun­do a ad­mi­nis­tra­do­ra, o apli­ca­ti­vo trou­xe mais pra­ti­ci­da­de pa­ra os cli­en­tes, me­lho­ran­do a ex­pe­ri­ên­cia den­tro dos re­sorts. Ago­ra, eles po­dem aces­sar aos ser­vi­ços com ape­nas um cli­que, po­dem fa­zer re­ser­vas em res­tau­ran­tes, ver a pro­gra­ma­ção de ati­vi­da­des e até so­li­ci­tar

Ro­om Ser­vi­ce. Em 2017, no Bra­sil, a fer­ra­men­ta foi mui­to mais uti­li­za­da pa­ra ro­om ser­vi­ce, re­ser­va pa­ra res­tau­ran­tes de es­pe­ci­a­li­da­des e pa­ra so­li­ci­ta­ções es­pe­ci­ais co­mo mar­car ho­rá­rio da mas­sa­gem e jan­ta­res ro­mân­ti­cos. Ain­da em adap­ta­ção por par­te dos cli­en­tes, a fer­ra­men­ta é um meio adi­ci­o­nal pa­ra o aten­di­men­to.

A Ibe­ros­tar tra­ba­lha pa­ra ofe­re­cer no­vos pro­du­tos e ser­vi­ços que se adap­tem às no­vas tec­no­lo­gi­as e ten­dên­ci­as de con­su­mo, on­de o uso de dis­po­si­ti­vos in­te­li­gen­tes já é uma ro­ti­na. Ele foi de­sen­vol­vi­do pa­ra uma na­ve­ga­ção sim­ples e efi­caz, des­sa for­ma, o hós­pe­de ad­mi­nis­tra em uma úni­ca pla­ta­for­ma, na palma de sua mão, tu­do que es­ta­rá acon­te­cen­do no ho­tel em tem­po re­al cur­tin­do ao má­xi­mo tu­do que os re­sorts tem pa­ra ofe­re­cer.

WhatsApp ho­te­lei­ro

Apro­xi­mar-se do cli­en­te é a me­ta de to­da em­pre­sa pres­ta­do­ra de ser­vi­ço. Fa­zer is­so no meio di­gi­tal po­de ser sim­ples, mas é im­por­tan­te ado­tar es­tra­té­gi­as pré es­ta­be­le­ci­das pa­ra que o con­ta­to não se­ja exa­ge­ra­do e in­va­si­vo. Uma das fer­ra­men­tas que pri­mei­ro se tor­nou co­mum ao uso das pes­so­as e ho­je já é um podWe­ro­so ins­tru­men­to de mar­ke­ting e aten­di­men­to ao cli­en­te é o WhatsApp. De for­ma rá­pi­da e sem a ne- ces­si­da­de de um gran­de in­ves­ti­men­to, o cli­en­te po­de di­vi­dir-se en­tre su­as con­ver­sas pes­so­ais e o aten­den­te do ho­tel, ti­ran­do su­as dú­vi­das — o que po­de ser o pon­to cha­ve pa­ra sua de­ci­são fi­nal.

Sen­do um dos pri­mei­ros mei­os de hos­pe­da­gem a uti­li­zar a fer­ra­men­ta pa­ra re­ser­vas, a Vert Ho­téis ofe­re­ce o ser­vi­ço des­de 2014, vi­san­do a ma­nu­ten­ção da com­pe­ti­ti­vi­da­de e ra­pi­dez nos pro­ces­sos. Pa­ra efe­tu­ar a re­ser­va, o cli­en­te pre­ci­sa ape­nas in­di­car a uni­da­de ho­te­lei­ra es­co­lhi­da, pas­sar os da­dos pes­so­ais e do car­tão de cré­di­to. Um co­la­bo­ra­dor é de­di­ca­do pa­ra dar to­do o su­por­te ne­ces­sá­rio ao cli­en­te, con­tri­buin­do pa­ra al­te­rar as for­mas de co­mu­ni­ca­ção en­tre as pes­so­as.

Além dis­so, o apli­ca­ti­vo de con­ver­sas mais po­pu­lar do mo­men­to tam­bém po­de ser uma for­ma de ob­ter fe­ed­back e opi­niões dos cli­en­tes. Es­ta é uma das idei­as do Cas­tro’s Park Ho­tel, lo­ca­li­za­do em Goi­â­nia (GO), que ado­tou a es­tra­té­gia pa­ra que os cli­en­tes ti­rem dú­vi­das, con­sul­tem ta­ri­fas e se­jam au­xi­li­a­dos até du­ran­te a hos­pe­da­gem.

Ofe­re­cen­do tam­bém a con­sul­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de de apar­ta­men­tos, o Ho­li­day Inn Be­lo Ho­ri­zon­te Sa­vas­si — ho­tel ad­mi­nis­tra­do pe­la IHG (In­ter­na­ti­o­nal Ho­tels Group) na ca­pi­tal mi­nei­ra — tam­bém ado­tou a es­tra­té­gia. O em­pre­en­di­men­to con­ti­nua con­tan­do com os de­mais mei­os de re­ser­vas ofe­re­ci­dos pe­la re­de, in­clu­si­ve o apli­ca­ti­vo, mas iden­ti­fi­cou na fer­ra-

men­ta uma for­ma de ofe­re­cer co­mo­di­da­de ao cli­en­te. O prin­ci­pal ob­je­ti­vo do ho­tel é dar um re­tor­no rá­pi­do em to­do ti­po de so­li­ci­ta­ção.

Ges­tão de reu­niões

Pa­ra fa­ci­li­tar ca­da vez mais a vi­da do hós­pe­de, os ho­téis têm in­ves­ti­do em di­fe­ren­tes ti­pos de ser­vi­ços. Pen­san­do no pú­bli­co de ne­gó­ci­os, a re­de Mar­ri­ott con­ta com o MSA – Mar­ri­ott Me­e­ting Ser­vi­ces App, que per­mi­te o con­tro­le de ser­vi­ços pa­ra reu­niões. Den­tre as fun­ções es­tá a va­ri­a­ção de tem­pe­ra­tu­ra am­bi­en­te, so­li­ci­ta­ção de ali­men­tos e be­bi­das, ma­te­ri­ais de apoio e en­vio de do­cu­men­tos, que já são dis­po­ní­veis na uni­da­de São Paulo Air­port Ho­tel. A tec­no­lo­gia já é mui­to uti­li­za­da em ho­téis ge­ren­ci­a­dos e fran­que­a­dos da re­de es­pa­lha­dos pe­lo mun­do.

O MSA funciona 24 ho­ras por dia, to­dos os di­as da se­ma­na, e ga­ran­te que os even­tos sai­am con­for­me o pla­ne­ja­do. O pe­di­do pa­ra uti­li­za­ção da fer­ra­men­ta po­de ser fei­to até três di­as an­tes do even­to. Após a so­li­ci­ta­ção, um link de aces­so ao apli­ca­ti­vo se­rá for­ne­ci­do ao cli­en­te. O apli­ca­ti­vo per­mi­te o ge­ren­ci­a­men­to do dia a dia de uma reu­nião.

Fá­cil e sim­ples de uti­li­zar, a so­lu­ção é ha­bi­li­ta­da pa­ra tra­ba­lhar em 20 idi­o­mas di­fe­ren­tes e pos­sui tam­bém um chat on­de é pos­sí­vel con­ver­sar e acom­pa­nhar com o res­pon­sá­vel pe­lo aten­di­men­to a so­li­ci­ta­ção re­a­li­za­da.

Já o apli­ca­ti­vo pa­ra os hós­pe­des em ge­ral foi lan­ça­do há mais de 5 anos e evo­luiu subs­tan­ci­al­men­te pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des dos cli­en­tes. Ao lon­go dos úl­ti­mos anos, a re­de lan­çou o Mo­bi­le Check-in, Mo­bi­le Re­quests e o ba­te- pa­po pa­ra cli­en­tes com os ho­téis. Atu­al­men­te, a re­de es­tá no pro­ces­so de im­plan­ta­ção do sis­te­ma pa­ra usar o te­le­fo­ne co­mo uma cha­ve ao re­dor do mun­do.

O apli­ca­ti­vo tam­bém per­mi­te que o cli­en­te fa­ça to­dos os ti­pos de ati­vi­da­des re­la­ci­o­na­das à re­ser­va que vo­cê es­pe­ra, co­mo re­ser­var um qu­ar­to, usar pon­tos, ge­ren­ci­ar/can­ce­lar uma re­ser­va, e re­vi­sar seu sal­do de pon­tos e noi­tes em sua con­ta. O apli­ca­ti­vo ser­ve pa­ra for­ne­cer ou­tra ma­nei­ra dos cli­en­tes in­te­ra­gi­rem com a Mar­ri­ott e uma ou­tra ma­nei­ra dos cli­en­tes se sen­ti­rem co­nec­ta­dos. De acor­do com a com­pa­nhia, os hós­pe­des que usam o apli­ca­ti­vo re­la­tam mai­o­res ta­xas de sa­tis­fa­ção du­ran­te a es­ta­dia. Além dis­so, al­guns re­cur­sos re­al­men­te nos per­mi­tem aten­der os cli­en­tes me­lhor. Por exem­plo, quan­do um cli­en­te usa o checkin mó­vel, con­se­gui­mos cap­tu­rar sua ho­ra de che­ga­da e fa­zer tu­do o que pu­der­mos pa­ra ga­ran­tir uma sa­la e nos pre­pa­rar pa­ra a che­ga­da an­tes de che­ga­rem.

A fer­ra­men­ta já re­gis­tra mais de 15 mi­lhões de down­lo­ads. Com 3 mi­lhões de usuá­ri­os ati­vos men­sais, o apli­ca­ti­vo Mar­ri­ott ge­ra mais de US$2 bi­lhões em re­cei­ta por ano, já que a mai­o­ria dos cli­en­tes usa o app apli­ca­ti­vo pa­ra fa­zer re­ser­vas. Pa­ra os hós­pe­des que re­ser­vam uma hos­pe­da­gem, usar o check-in mó­vel e re­ce­ber aler­tas quan­do seu qu­ar­to es­ti­ver pron­to é o re­cur­so mais usa­do.

So­lu­ções Di­gi­tais pa­ra o ho­te­lei­ro

Fa­ci­li­tar e me­lho­rar o ge­ren­ci­a­men­to, além de oti­mi­zar a ex­pe­ri­ên­cia dos hós­pe­des é uma das gran­des me­tas de um em­pre­en­di­men­to ho­te­lei­ro. Es­te é o ca­so do Check-in

Ex­press, fer­ra­men­ta da em­pre­sa Check-In que foi de­sen­vol­vi­da pa­ra que os hós­pe­des pre­en­cham seu ca­das­tro on­li­ne an­tes da che­ga­da, e no mo­men­to de saí­da os da­dos ne­ces­sá­ri­os pa­ra emis­são de do­cu­men­tos fis­cais já es­ta­rão dis­po­ní­veis. Po­de ser aces­sa­do de qual­quer dis­po­si­ti­vo com aces­so à in­ter­net via na­ve­ga­dor, ou se­ja, o hós­pe­de aces­sa seu per­fil de seu ce­lu­lar, ta­blet e até mes­mo no­te­bo­ok ou com­pu­ta­dor. Po­de man­ter seu ca­das­tro atu­a­li­za­do e fa­zer edi­ções de on­de e quan­do qui­ser.

Já a Go­ver­nan­ça Di­gi­tal foi de­sen­vol­vi­da pa­ra au­to­ma­ti­zar e fa­ci­li­tar o tra­ba­lho das Go­ver­nan­tas, Ca­ma­rei­ras e Equi­pe de Ma­nu­ten­ção den­tro do ho­tel. Com o apli­ca­ti­vo, é pos­sí­vel acom­pa­nhar, ins­pe­ci­o­nar e so­li­ci­tar ser­vi­ços aos se­to­res men­ci­o­na­dos. É uma so­lu­ção Di­gi­tal fá­cil de usar, além de ser in­te­gra­da ao PMS da Check-in, o que pos­si­bi­li­ta acom­pa­nhar em tem­po re­al atu­a­li­za­ções de quar­tos.

Pa­ra oti­mi­zar o tra­ba­lho de gar­çons e efe­tu­ar pe­di­dos com mui­to mais agi­li­da­de, a Check-in ofe­re­ce a Co­man­da Di­gi­tal, que é uma so­lu­ção ali­nha­da com ten­dên­ci­as tec­no­ló­gi­cas do mer­ca­do. Pos­si­bi­li­ta o ge­ren­ci­a­men­to de to­dos os pon­tos de ven­da do ho­tel, e as­sim co­mo a Go­ver­nan­ça, é in­te­gra­do ao Alpha em tem­po re­al. Am­bos apli­ca­ti­vos, Co­man­da e Go­ver­nan­ça, es­tão dis­po­ní­veis pa­ra smartpho­nes com sis­te­ma An­droid e te­rão atu­a­li­za­ções com no­vi­da­des em bre­ve.

A era da mo­der­ni­da­de trans­for­mou os ser­vi­ços em fer­ra­men­tas fa­ci­li­ta­do­ras

Apli­ca­ti­vos pró­pri­os ge­ram iden­ti­fi­ca­ção do cli­en­te com a mar­ca

Ser­gio Cury – “O apli­ca­ti­vo pre­ci­sa le­var em con­ta o con­teú­do, já que se­rá aber­to em te­la me­nor”

O APP da Re­vis­ta Ho­téis pos­sui a mais mo­der­na tec­no­lo­gia do mer­ca­do e com uma sé­rie de fer­ra­men­tas

Ra­fa­el Albuquerque: “Atu­al­men­te, ape­nas 2% dos apli­ca­ti­vos de­sen­vol­vi­dos no mun­do re­al­men­te são uti­li­za­dos”

Ro­dri­go Tei­xei­ra – “Quan­to mais vo­cê es­tá dis­po­ní­vel pa­ra aten­der o cli­en­te, mais ven­das vo­cê te­rá”

Com seu soft­ware mó­vel, a re­de Tauá qu­er ga­ran­tir a di­mi­nui­ção de fi­las de in e out

O apli­ca­ti­vo da Na­ci­o­nal Inn for­ne­ce in­for­ma­ções pa­ra efe­tu­ar re­ser­vas e pos­si­bi­li­ta am­pli­a­ção da ba­se de cli­en­tes

Da `pré-che­ga­da’ ao check out: E-con­ci­er­ge da Ra­dis­son re­ce­be pe­di­dos de co­mi­da, di­re­ções e até in­for­ma­ções so­bre es­ta­ci­o­na­men­to

O web check in é uma das fa­ci­li­da­des do apli­ca­ti­vo da Ibe­ros­tar no Bra­sil

Ca­da vez mais, os vi­a­jan­tes pes­qui­sam ho­téis atra­vés de dis­po­si­ti­vos mó­veis

Ajus­tar a tem­pe­ra­tu­ra e pe­dir água: fun­ções do apli­ca­ti­vo ges­tor de reu­niões da Mar­ri­ott

A Co­man­da Di­gi­tal fa­ci­li­ta o tra­ba­lho de gar­çons e ge­ren­cia to­dos os pon­tos de ven­da do ho­tel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.