Sa­bo­ro­sas hos­pe­da­gens

QUE TAL IN­VES­TIR EM UMA EX­PE­RI­êN­CIA GAS­TRONô­MI­CA úNI­CA DEN­TRO DE SEU HO­TEL?

Hotelnews Magazine - - INDICE -

Mui­to­se fa­la em tu­ris­mo de ex­pe­ri­ên­ci­as, em fa­zer com que o hós­pe­de vi­ven­cie a re­gião que ele vi­si­ta, que te­nha con­ta­to com ou­tras cul­tu­ras. Pa­ra mui­tos tu­ris­tas, ex­pe­ri­men­tar os sa­bo­res lo­cais é par­te obri­ga­tó­ria da vi­a­gem, e es­tas ex­pe­ri­ên­ci­as gas­tronô­mi­cas não pre­ci­sam res­trin­gir-se so­men­te aos res­tau­ran­tes mais ba­da­la­dos da ci­da­de, ou aque­le gas­tro­pub es­con­di­do que é di­vul­ga­do ape­nas pe­lo bo­ca a bo­ca. O ho­tel tam­bém po­de – e de­ve – in­te­grar o cir­cui­to da boa co­mi­da do des­ti­no on­de ele es­tá ins­ta­la­do. Va­le a pe­na acom­pa­nhar as ten­dên­ci­as da gas­tro­no­mia e bus­car sur­pre­en­der o hós­pe­de, den­tro e fo­ra do res­tau­ran­te do em­pre­en­di­men­to.

Pa­ra is­so, uma pos­si­bi­li­da­de é in­ves­tir em pro­du­tos de qua­li­da­de e com­pa­nhi­as na­ci­o­nais, ga­ran­tin­do aque­le sa­bor lo­cal. Is­so se apli­ca tan­to pa­ra os pró­pri­os hós­pe­des bra­si­lei­ros, re­for­çan­do a im­por­tân­cia da va­lo­ri­za­ção da cul­tu­ra re­gi­o­nal, quan­to pa­ra os es­tran­gei­ros, que de fa­to bus­cam es­ta pro­xi­mi­da­de e es­ta no­va ex­pe­ri­ên­cia com uma gas­tro­no­mia que ain­da não co­nhe­cem. Os sa­bo­res da Amazô­nia são exem­plo dis­to. Aque­les que vi­si­tam a re­gião e têm a opor­tu­ni­da­de de sa­bo­re­ar al­gu­mas igua­ri­as que só exis­tem ali di­fi­cil­men­te se es­que­cem, se­jam vi­a­jan­tes co­muns ou re­no­ma­dos chefs de co­zi­nha, que até se in­flu­en­ci­am por es­tes no­vos pro­du­tos. Mas, em um país de di­men­sões con­ti­nen­tais co­mo o Bra­sil, ain­da há mui­tos que se­quer vi­ram um fru­to amazô­ni­co, qu­em di­rá sa­bem que gos­to tem.

E que tal pre­sen­te­ar seu hós­pe­de com uma no­vi­da­de? Tra­zer di­fe­ren­tes sa­bo­res pa­ra o wel­co­me drink, apos­tan­do em ca­cha­ças lo­cais ou su­co de fru­tas sa­zo­nais, ou mes­mo subs­ti­tuir o tra­di­ci­o­nal chocolate na aber­tu­ra de ca­mas por um do­ce mais bra­si­lei­ro são for­mas de ino­var ser­vi­ços sim­ples e pro­por­ci­o­nar uma ex­pe­ri­ên­cia gas­tronô­mi­ca pa­ra o cli­en­te. Po­ti­nhos de ge­leia co­mo os da Ma­ni­o­ca, que vêm em sa­bo­res co­mo ta­pe­ra­bá (tam­bém co­nhe­ci­do co­mo ca­já), açaí, jam­bu, pri­pri­o­ca, cu­pu­a­çu e pi­men­ta de chei­ro são uma op­ção ver­sá­til pa­ra ca­fé da ma­nhã, aber­tu­ra de ca­ma, kits de sou­ve­nir ou mes­mo pre­sen­te pa­ra hós­pe­des e cli­en­tes. Jo­an­na Mar­tins, por­ta-voz da com­pa­nhia, ex­pli­ca que há tam­bém uma li­nha de pro­du­tos pa­ra o fo­od ser­vi­ce, que po­de ser in­cor­po­ra­da nos di­fe­ren­tes pra­tos do car­dá­pio do ho­tel. É pos­sí­vel in­cre­men­tar as re­cei­tas com a fa­ri­nha d’água (à ba­se de man­di­o­ca), o jam­bu con­ge­la­do e o açú­car aro­ma­ti­za­do com cu­ma­ru, en­tre ou­tros.

O ca­fe­zi­nho é ou­tro sa­bor in­con­fun­di­vel­men­te bra­si­lei­ro, e mui­tos ho­téis já vem in­ves­tin­do em dis­po­ni­bi­li­zar pa­ra os hós­pe­des ca­fe­tei­ras e cáp­su­las Nes­pres­so nos apar­ta­men­tos, pa­ra ma­tar aque­la von­ta­de de re­la­xar to­man­do um ca­fé. O pro­du­to caiu tan­to no gos­to do pú­bli­co que is­so pas­sou a ser um di­fe­ren­ci­al nos apar­ta­men­tos exe­cu­ti­vos e de lu­xo. Já o Ca­fé Gour­met San­ta Mô­ni­ca, apos­ta tan­to nas cáp­su­las com­pa­tí­veis com a má­qui­na Nes­pres­so quan­to no Drip Cof­fee, sa­chês que se trans-

for­mam em um mi­ni fil­tro, já em­ba­la­dos in­di­vi­du­al­men­te com o pó de ca­fé. Ou­tro exem­plo é o Ca­fé Ca­ra­mel­lo, que traz sa­bo­res ino­va­do­res em po­te: os cre­mes de ca­fé da mar­ca po­dem ser uti­li­za­dos pa­ra re­cei­tas ou pa­ra a pre­pa­ra­ção da be­bi­da, e têm sa­bo­res co­mo rum, men­ta, ama­ru­la, bau­ni­lha, além do tra­di­ci­o­nal.

Pro­je­tos da ho­te­la­ria

Qu­em vi­a­ja pa­ra re­giões co­mo o Nor­des­te tam­bém quer apro­vei­tar os pro­du­tos da gas­tro­no­mia re­gi­o­nal. No Uxua Ca­sa Ho­tel & Spa, ins­ta­la­do em Tran­co­so (BA), a pro­pos­ta é in­ves­tir nos in­gre­di­en­tes lo­cais: fru­tos do mar, es­pe­ci­a­ri­as da Bahia, pães as­sa­dos na ho­ra, além de ca­cau, co­co, pi­men­ta de­do-de-mo­ça e fru­tas cul­ti­va­dos ali mes­mo no em­pre­en­di­men­to. No res­tau­ran­te Uxua Qu­a­dra­do, aber­to em 2015, o me­nu tem pra­tos que va­ri­am con­for­me os pro­du­tos da es­ta­ção, ga­ran­tin­do o fres­cor do que é ser­vi­do ao hós­pe­de. Des­ta­que tam­bém pa­ra o tra­ba­lho que o ho­tel faz com os pro­du­to­res lo­cais, co­mo é o ca­so da As­so­ci­a­ção de Pes­ca­do­res de Tran­co­so, que con­ta com 100 pes­ca­do­res de 30 fa­mí­li­as lo­cais que dis­tri­bu­em os fru­tos do mar mais fres­cos. A en­ti­da­de tem no Uxua seu mai­or pa­tro­ci­na­dor, pos­si­bi­li­tan­do que os pro­fis­si­o­nais con­si­gam sua ren­da e, ao mes­mo tem­po, trans­mi­tam sua téc­ni­ca e tra­di­ção de pes­ca pa­ra as pró­xi­mas ge­ra­ções.

Há ain­da qu­em apos­te em pe­que­nos even­tos e mo­men­tos do dia on­de é pos­sí­vel apro­vei­tar di­fe­ren­tes sa­bo­res e se di­ver­tir ao mes­mo tem­po. Exem­plo dis­so é o Ho­tel Ca­sa da Mon­ta­nha, ins­ta­la­do em Gra­ma­do (RS), que há dez anos reú­ne aman­tes da sé­ti­ma ar­te pa­ra uma ex­pe­ri­ên­cia te­má­ti­ca que une ci­ne­ma e gas­tro­no­mia. O even­to pro­põe que os hós­pe­des as­sis­tam a um fil­me e, em se­gui­da, ex­pe­ri­men­tem um jan­tar cu­ja te­má­ti­ca se­ja se­me­lhan­te ao da tra­ma vis­ta – pa­ra a oca­sião, um me­nu es­pe­ci­al é cri­a­do por um chef con­vi­da­do, que ba­te um pa­po com os cli­en­tes so­bre su­as cri­a­ções e a re­la­ção dos pra­tos com o fil­me. As tem­po­ra­das do Ci­ne Gour­met já ti­ve­ram te­mas co­mo a pró­pria gas­tro­no­mia, clás­si­cos ines­que­cí­veis, gran­des mu­si­cais, ce­ná­ri­os tu­rís­ti­cos do mun­do, per­so­na­li­da­des que mar­ca­ram épo­ca, ven­ce­do­res do Os­car.

Além do fil­me, do jan­tar no Res­tau­ran­te La Ca­ce­ria e do ba­te pa­po com o chef, a pro­gra­ma­ção do even­to ain­da in­clui uma de­gus­ta­ção de vi­nhos, co­que­tel de bo­as vin­das e uma apre­sen­ta­ção de te­a­tro que re­lem­bra ce­nas me­mo­rá­veis da obra vis­ta an­te­ri­or­men­te. “Par­ti­ci­par de um even­to co­mo o Ci­ne Gour­met é uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to di­fe­ren­te, en­vol­ve vá­ri­os sen­ti­dos... Ci­ne­ma, his­tó­ria, de­co­ra­ção, mú­si­ca e prin­ci­pal­men­te o pa­la­dar. O fe­ed­back é mui­to po­si­ti­vo, te­mos cli­en­tes ha­bi­tués que não per­dem os even­tos por na­da. Em 2017 re­for­mu­la­re­mos o even­to, in­clu­si­ve pa­ra apri­mo­rar um pro­je­to bem-su­ce­di­do que exis­te há dez anos”, con­ta Ra­fa­el Pec­cin, ge­ren­te de mar­ke­ting do Gru­po Ca­sa da Mon­ta­nha.

Champagne e ta­pas es­pa­nho­las ser­vi­dos no Ritz, Ma­drid

Ci­ne Gour­met, do Ca­sa da Mon­ta­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.