Man­ten­do o con­tro­le

CO­MO O TRA­BA­LHO ES­TRA­TÉ­GI­CO COM OS PMS INCREMENTA O RE­SUL­TA­DO DE SEU HO­TEL

Hotelnews Magazine - - INDICE - POR JULIANA BELLEGARD

Há tem­pos uma ges­tão in­te­li­gen­te de qual­quer em­pre­sa sig­ni­fi­ca a uti­li­za­ção da tec­no­lo­gia dos softwa­res pa­ra au­to­ma­ti­zar cer­tos pro­ces­sos e con­tro­les. De re­ser­vas ao es­to­que de pro­du­tos de lim­pe­za e co­zi­nha, tu­do pre­ci­sa ser mi­nu­ci­o­sa­men­te con­tro­la­do pa­ra que não ha­ja ne­nhum fu­ro na ope­ra­ção – e há um sis­te­ma pa­ra ca­da uma des­tas fun­ci­o­na­li­da­des. Os cha­ma­dos PMSs (Pro­perty Ma­na­ge­ment Sys­tem, sis­te­ma de ges­tão de pro­pri­e­da­de, em in­glês) tra­ba­lham o front desk, fa­zem o con­tro­le do in­ven­tá­rio do ho­tel, go­ver­nan­ça e re­ser­vas. Eles po­dem ser des­de um ERP (En­ter­pri­se Re­sour­ce Plan­ning, ou Sis­te­ma de Ges­tão Em­pre­sa­ri­al, mais com­ple­xo) até um sim­ples soft­ware de re­cep­ção, que faz o con­tro­le de check-in e check-out, e per­mi­tem a in­te­gra­ção com ou­tros sis­te­mas.

Os sis­te­mas não são ne­nhu­ma no­vi­da­de pa­ra os ho­te­lei­ros, mas são cons­tan­te­men­te apri­mo­ra­dos pe­las em­pre­sas de­sen­vol­ve­do­ras. “O bá­si­co da fun­ci­o­na­li­da­de é con­tro­lar a dis­po­ni­bi­li­da­de dos apar­ta­men­tos”, ex­pli­ca Mar­cus Mo­rei­ra, CEO da CMCorp. Quan­to mais com­ple­to o sis­te­ma for, me­lhor ele con­se­gui­rá in­te­grar-se ao back of­fi­ce, PDV (pon­to de ven­das), fi­nan­cei­ro, es­to­que, con­ta­bi­li­da­de, even­tos e chan­nel ma­na­gers (ge­ren­ci­a­do­res de ca­nais de dis­tri­bui­ção, tan­to on­li­ne co­mo off-li­ne), fa­zen­do com que o ho­te­lei­ro pos­sa ter um pa­no­ra­ma ge­ral da ope­ra­ção de seu ho­tel. “É o ci­clo da vi­da das in­for­ma­ções den­tro do em­pre­en­di­men­to. O uso dos sis­te­mas per­mi­te que vo­cê te­nha os da­dos que pre­ci­sa na pon­ta dos de­dos”, diz o exe­cu­ti­vo.

Acon­te­ce com frequên­cia dos ho­téis im­plan­ta­rem um sis­te­ma sim­ples e ain­da re­a­li­za­rem al­guns pro­ce­di­men­tos ma­nu­al­men­te, via pla­ni­lhas de Ex­cel. O que se bus­ca, no en­tan­to, é efi­ci­ên­cia – es­ta é a pa­la­vra-cha­ve aqui, al­go es­sen­ci­al em tem­pos nos quais o mer­ca­do, os hós­pe­des, as agên­ci­as, os par­cei­ros e os for­ne­ce­do­res exi­gem ca­da vez mais agi­li­da­de. É pre­ci­so que o ho­tel con­si­ga ge­ren­ci­ar bem sua dis­po­ni­bi­li­da­de, que é seu gran­de bem, ou aca­ba­rá dei­xan­do de fa­zer uma ven­da, ou ven­den­do e não con­se­guin­do en­tre­gar. E quan­to me­nos es­pa­ço pa­ra as pe­que­nas fa­lhas hu­ma­nas, mais

fá­cil. Nes­te ce­ná­rio, os PMSs mais com­ple­tos, que per­mi­tem in­te­gra­ções e ge­ren­ci­am to­dos os da­dos, agre­gam va­lor pa­ra o em­pre­en­di­men­to.

“Di­re­ta­men­te ocor­re uma enor­me melhora nos pro­ces­sos in­ter­nos, e, com is­so, o ho­tel ganha ra­pi­da­men­te mui­ta efi­ci­ên­cia. Com is­so sur­gem di­ver­sos efei­tos co­la­te­rais po­si­ti­vos, co­mo ele­va­ção ins­tan­tâ­nea na sa­tis­fa­ção dos hós­pe­des, con­se­quen­te­men­te au­men­tan­do a re­cei­ta, e ocor­re tam­bém uma melhora na ges­tão de re­cur­sos, ge­ran­do oti­mi­za­ção e, com is­so, eco­no­mia”, apon­ta Moi­sés Costa, di­re­tor exe­cu­ti­vo da Check-In. Pa­ra que is­to acon­te­ça, no en­tan­to, é pre­ci­so que o ho­te­lei­ro te­nha cla­re­za das su­as de­man­das – fator im­por­tan­te na ho­ra da to­ma­da de de­ci­são so­bre o sis­te­ma con­tra­ta­do. “O mais im­por­tan­te é o ho­te­lei­ro iden­ti­fi­car pre­vi­a­men­te quais se­to­res do ho­tel ele quer re­al­men­te au­to­ma­ti­zar. A par­tir des­te au­to­co­nhe­ci­men­to, bus­car um soft­ware que o aten­da e que cai­ba no seu bol­so”, ex­pli­ca o di­re­tor.

“Le­va-se em con­si­de­ra­ção o su­por­te téc­ni­co do for­ne­ce­dor, a qua­li­da­de téc­ni­ca e su­as fun­ci­o­na­li­da­des do sis­te­ma, qual o grau de fa­ci­li­da­de pa­ra usar, quais e quan­tas fa­ses se­rão pre­ci­sas pa­ra a im­plan­ta­ção, ex­pe­ri­ên­cia do for­ne­ce­dor da so­lu­ção no mer­ca­do (sa­ber quais cli­en­tes ele aten­de e se es­tão con­ten­tes com a con­tra­ta­ção e re­sul­ta­do), se exis­te a pos­si­bi­li­da­de de in­te­gra­ção com ou­tras fer­ra­men­tas, o pre­ço e me­to­do­lo­gia de co­bran­ça pe­lo uso da so­lu­ção, en­tre ou­tros”, de­ta­lha Fe­li­pe Tou­ro, es­pe­ci­a­lis­ta em dis­tri­bui­ção e pro­pri­e­tá­rio da Sin­gu­la­re Con­sul­to­ria.

O ho­te­lei­ro de­ve ter em men­te a ne­ces­si­da­de de atu­a­li­zar e oti­mi­zar o sis­te­ma cons­tan­te­men­te, tra­ba­lhan­do com ou­tras fer­ra­men­tas in­te­gra­das. “Sem dú­vi­da o PMS exer­ce pa­pel im­por­tan­te na ope­ra­ção e es­tra­té­gia do ho­tel, en­tre­tan­to, de­ve-se con­si­de­rar que no mer­ca­do di­nâ­mi­co e com­pe­ti­ti­vo de ho­je não bas­ta tê-lo co­mo úni­ca so­lu­ção, uma vez que, ou­tros re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos, co­mo ges­tor de ca­nais (chan­nel ma­na­ger), sis­te­ma cen­tral de re­ser­vas (CRS), sis­te­mas de re­ve­nue ma­na­ge­ment (RMS), mo­tor de re­ser­vas (bo­o­king en­gi­ne), com­pa­ra­dor de ta­ri­fas (ra­te shop­per) é que irão, de fa­to, con­tri­buir ain­da mais pa­ra que ho­téis pos­sam ter mai­or em­ba­sa­men­to pa­ra a to­ma­da de de­ci­sões es­tra­té­gi­cas, ob­ter van­ta­gem com­pe­ti­ti­va e oti­mi­zar e ma­xi­mi­zar seus lu­cros”, diz Tou­ro, des­ta­can­do que es­te apa­ra­to pos­si­bi­li­ta ao ho­tel tra­ba­lhar de mo­do mais es­tra­té­gi­co e ana­lí­ti­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.